Início » Brasil » Marinha despeja esgoto na Baía de Guanabara
Mau exemplo

Marinha despeja esgoto na Baía de Guanabara

Obras de ligação dos dutos à rede da Cedae deverão ser concluídas apenas no final do ano

Marinha despeja esgoto na Baía de Guanabara
Instalações da Ilha das Cobras despejam esgoto na Baía de Guanabara (Reprodução/Divulgação/Genilson Araújo)

O Arsenal de Marinha (complexo histórico ancorado na Ilha das Cobras, no Centro do Rio) dá um péssimo exemplo de desrespeito ao meio ambiente. Todos os dias, o esgoto produzido por cerca de dez mil pessoas que circulam na base militar é lançado na Baía de Guanabara.

Leia mais: Baía de Guanabara não estará limpa para as Olimpíadas
Leia mais: Serão necessários 20 naos para despoluir a Baía de Guanabara, diz ministra do Meio Ambiente
Leia mais: Despoluição da Baía de Guanabara, o maior desafio das Olimpíadas de 2016

Segundo a corporação, a conclusão das obras de ligação das redes às tubulações da Cedae — orçadas em R$ 8,24 milhões — foi adiada para dezembro, acumulando um ano de atraso. A Cedae, no entanto, assegura que a ilha está localizada em uma área com acesso à rede formal há quatro anos, faltando apenas a conexão para cessar o despejo.

De acordo com a Marinha, todo o esgoto produzido pelo comando-geral do Corpo de Fuzileiros Navais, presídio, serviço de documentação da Marinha e das diretorias especializadas termina em fossas sépticas, que incrementam o volume de poluição da baía.

Gandhi Giordano, engenheiro químico e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), explica que o sistema de fossa séptica só consegue evitar que cerca de 30% da matéria orgânica poluam o ecossistema. Esse sistema de tratamento foi criado pelo francês Jean Louis Mouras, na segunda metade do século XIX.

“A fossa séptica consegue apenas reter alguns sólidos. É um tratamento básico, não aceitável nos dias atuais”, alerta o engenheiro.

Como cada cidadão gera 50 litros de esgoto por dia, as dez mil pessoas que circulam pela Ilha das Cobras produzem cerca de 500 mil litros de dejetos diariamente (15 milhões de litros de esgoto por mês).

O deputado estadual Carlos Minc (PT), presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), afirmou que vai cobrar agilidade da Marinha nas obras de saneamento. Lembrou, entretanto, que a despoluição da Baía de Guanabara só avançará quando 5 milhões de pessoas tiverem rede formal de esgoto.

“São 9 milhões de pessoas morando no entorno da Baía, e 5 milhões ainda não estão com saneamento resolvido. Além dos erros dos municípios, das pessoas que jogam lixo nos rios, tivemos negligência dos governos passados. Durante 13 anos, as estações de tratamento estiveram secas. Temos um passivo enorme. Esse caso chama a atenção por ser a Marinha”, afirmou.

A Baía de Guanabara será palco de competições de vela nos Jogos Olímpicos de 2016.

Fontes:
O Globo-Marinha lança esgoto na Baía de Guanabara

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Conheço uma Base Aérea que tem um lixão imenso em sua área, inclusive com lixo hospitalar. E ainda reclamam dos urubus que atrapalham a aviação.

  2. Dival disse:

    Não é so esgoto que polui a Baia de Guanabara, a quantidade de lixo chega ser cruel , sou velejador e sei disso, é comum vermos colchao , sofa , porta de guarda roupa, ou mesmo ele inteiro flutuando ainda, sacos de lixo cheio e amarrado na boca, dando a entender que o pessoal que mora às margens de rios , descarta o lixo e o que não precisa mais no proprio rio , indo então para a Baía. O governo, que constroi casas aos montes para gente carente, não faz uma boa pesquisa , cedendo casas a necessitados que colocam carro na porta de casa. Bem que poderia remover as moradias mais às margens dos rios , e transferir essas pessoas para casas do Programa Minha Casa Minha vida.
    Alí por trás do Inst Oswaldo Cruz – Manguinhos , existem dezenas de barracos às margens de rios, que poderiam ser removidos com mais urgência,

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *