Início » Brasil » Mercosul se reúne para discutir presidência colegiada
IMPASSE DIPLOMÁTICO

Mercosul se reúne para discutir presidência colegiada

Medida seria uma forma de impedir a Venezuela de assumir o comando do bloco, mas precisa do apoio do Uruguai

Mercosul se reúne para discutir presidência colegiada
Segundo Serra, 'país que tem presos políticos não é democrático' (Foto: Senado Federal)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Países membros do Mercosul realizam nesta terça-feira, 23, uma reunião de emergência para buscar uma solução para a polêmica da Venezuela assumir a presidência do bloco em um momento de instabilidade política e econômica sem precedentes no país.

A ideia do encontro é tentar convencer o Uruguai a aceitar um modelo de presidência colegiada até o fim do ano. A proposta foi apresentada pela Argentina e recebeu o apoio do Brasil.

Leia mais: Brasil não reconhece a Venezuela como presidente do Mercosul
Leia mais: Brasil quer adiar ascensão da Venezuela à presidência do Mercosul

O bloco nunca foi submetido a esse tipo de regime. A proposta precisa da adesão de todos os países-membros para ser implementada.

Desde que o Uruguai concluiu seu mandato na presidência rotativa do Mercosul, no mês passado, o bloco está sem ninguém no comando. Isso porque o Uruguai deveria ter transferido a presidência para a Venezuela. Porém, Brasil, Argentina e Paraguai se posicionaram contra a transferência, por considerar que a Venezuela não cumpre os requisitos democráticos exigidos pelo Mercosul. “País que tem presos políticos não é democrático. E a Venezuela tem presos políticos”, disse o ministro das Relações Exteriores brasileiro, José Serra.

Já o Uruguai é a favor da transferência, por considerar que deve prevalecer o conceito jurídico sobre o político. Ou seja, para o país, a transferência prevista no regimento deve ser aceita sem influência do julgamento político que se tem da Venezuela. Diante disso, o Uruguai resolveu deixar o comando do bloco sem fazer a transferência oficial.

Até agora, os membros do bloco conseguiram impedir a ascensão da Venezuela à presidência se baseando em um requisito técnico. Eles afirmam que o país ainda não se adequou à legislação interna do Mercosul. No entanto, ainda há a possibilidade de ser acionada a cláusula democrática, que obriga a suspensão de membros que desrespeitam a democracia.

Fontes:
Folha-Mercosul busca 'gambiarra' ante impasse no comando do bloco

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. afonso schroeder disse:

    Onde esta a “justiça” (STF) quando se trata de políticos da direita: As maiores casas da democracia do Brasil (Câmara e Senado Federal) se encontram muito adoentados já a algumas décadas, não bastasse o vice presidente da república “traidor, corrupto chefão do golpe” com uma quadrilha das casas legislativas vão se impondo com seus vícios que eram “costumeiro” antes de 2003 que ao concluírem o “golpe” o Brasil vai estar na mão de elementos que defendem a “elite podre” e a grande maioria dos brasileiros vão ficar com as migalhas pois era a sim antes de 2003, será que é isto que a maioria dos brasileiros querem? Acho que não! Então “SENADORES” honestos ainda esta esta em tempo de fazer a opção pela honestidade expurgando duma vez os “políticos” repletos de vícios não condizente4s com a vida pública. E mais com certeza a maioria do povo brasileiro saberá fazer o julgamento separando o “joio do trigo” nas próximas eleições vemos com toda clareza a população preferir a mãos limpas a presidente Dilma Rousseff.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *