Início » Brasil » Michel Temer deixa o posto de articulador político do governo
abandonando a função

Michel Temer deixa o posto de articulador político do governo

Em reunião com Dilma Rousseff, o vice-presidente Michel Temer avisa que não cuidará mais da negociação de cargos e da liberação emendas parlamentares

O vice-presidente Michel Temer abandonou o posto de articulador do “varejo” político do governo. Em uma reunião na manhã desta segunda-feira, 24, com a presidente Dilma Rousseff, Temer avisou que não cuidará mais da negociação de cargos e da liberação emendas parlamentares.

No encontro, ficou acertado que a partir de agora, Temer se dedicará a outros temas envolvendo a relação do governo com o Congresso. Também participaram da reunião os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Eliseu Padilha (Aviação Civil), que também avisou que deixará a articulação política para se dedicar exclusivamente à Aviação Civil.

Ficou acertado que o diálogo de Temer com o Congresso agora será para tratar de reformas. O vice-presidente também ficará encarregado de se reunir com líderes do governo para garantir a aprovação de projetos de interesse do Planalto.

Temer assumiu o posto de articulador político do governo em abril deste ano, em meio a uma profunda crise de diálogo do Planalto com o Congresso. Porém, o desgaste na relação com Dilma, com o ministro Joaquim Levy (Fazenda) e com o PMDB deixaram o vice-presidente insatisfeito com a função. Ele também reclamava da articulação paralela que estaria sendo feita por Mercadante.

O clima ruim entre Temer e Dilma chegou ao auge no início deste mês, quando ele declarou que “é preciso alguém com capacidade de reunificar todos”. A frase foi interpretada no Planalto como uma crítica do vice-presidente à Dilma e uma estratégia para ganhar visibilidade em um momento em que a presidente se encontrava fragilizada pelas ameaças de impeachment.

Fontes:
O Globo-Ministros já traçam cenário para o governo sem Temer na articulação política
Estadão-Temer sai do "varejo" da articulação política do governo

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *