Início » Brasil » Ministério da Saúde quer frear obesidade até 2019
TRÊS METAS

Ministério da Saúde quer frear obesidade até 2019

Governo anunciou três metas para conter o avanço da obesidade no país

Ministério da Saúde quer frear obesidade até 2019
Metas fazem parte da chamada "Década de Ação das Nações Unidas para a Nutrição" (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira, 14, três novas metas do governo brasileiro para conter o avanço da obesidade no país até 2019.

O governo pretende, em dois anos, deter o crescimento da obesidade na população adulta; reduzir em 30% o consumo de refrigerantes e sucos artificiais; e aumentar em pelo menos 17,8% o consumo regular de frutas e verduras por parte dos adultos.

As novas metas fazem parte da chamada “Década de Ação das Nações Unidas para a Nutrição”, acordo que pretende estimular a alimentação saudável.

De acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde, de 2013, 56,9% dos brasileiros estão acima do peso ideal e 20,8% dos brasileiros são obesos.

Especialistas afirmam que o consumo de alimentos ultraprocessados, a falta de exercícios físicos, entre outros fatores, contribuem para o aumento da obesidade.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que, para atingir as novas metas, a pasta negocia um plano, em parceria com o Ministério da Educação, visando estimular a educação alimentar nas escolas. “É preciso ensinar a população a descascar mais e a desembalar menos”, ressaltou o ministro.

O Ministério da Saúde também deve lançar aplicativos “de acompanhamento da saúde, atividade física e consumo de calorias” para ajudar a população a adotar hábitos mais saudáveis.

Fontes:
Folha de S.Paulo - Ministério da Saúde lança meta para deter avanço da obesidade até 2019

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Victor Ivens disse:

    A ação mais efetiva que o estado poderia tomar é bem simples e de certa forma até rentável: Aumentar os impostos para produtos processados e bebidas adocicadas. Se uma latinha de um refrigerante custasse 10 reais, o consumo seria drasticamente reduzido, a arrecadação ficaria na mesma pois aumentaria o imposto enquanto diminui a quantidade de itens vendidos. As empresas, bem, teriam que se reinventar e lançar produtos mais saudáveis para conseguir manter a margem de lucros.

  2. laercio disse:

    A obesidade será considerada um problema quando parar de dar lucro!
    Não há uma preocupação com o estado das pessoas mais sim com o lucro que tal estado pode propiciar; as notícias são colocadas de forma a confundir, ou seja, não existe preocupação quando a saúde do povo.
    Saúde, segurança e educação se faz colocando dinheiro no lugar certo e isto não ocorre no Brasil.
    O povo deve continuar indo nas escolas para pegar o canudo, mas, definitivamente, as informações devem ser colhidas no cruzamento de informações e de fontes periodicamente selecionadas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *