Início » Brasil » Ministério do Trabalho afasta gestor financeiro inexperiente
INDICADO PELO PTB

Ministério do Trabalho afasta gestor financeiro inexperiente

Com apenas 19 anos e nenhuma experiência na função, Mikael Tavares Medeiros geria contratos da pasta que somam até R$ 473 milhões por ano

Ministério do Trabalho afasta gestor financeiro inexperiente
Mikael chegou ao Ministério do Trabalho por indicação do PTB (Foto: O Popular)

O Ministério do Trabalho vai afastar Mikael Tavares Medeiros da função de gestor financeiro de pagamentos de contratos da pasta.

Com apenas 19 anos e nenhuma experiência na função, Mikael assumiu, em outubro do ano passado, o posto de Coordenador de Documentação e Informação do Ministério do Trabalho, com a remuneração mensal de R$ 5,1 mil. Em dezembro, ele foi alçado pelo ministro interino do Trabalho, Helton Yomura, ao posto de gestor financeiro da pasta. Desde então, ele ficou responsável por gerir contratos de fornecedores do órgão que somam R$ 473 milhões anuais. O caso veio à tona em uma reportagem do jornal Globo.

Mikael chegou ao Ministério do Trabalho por indicação do PTB. O jovem é filho de um dos dirigentes do partido, o delegado de Polícia Civil, Cristiomario de Sousa Medeiros, presidente do partido em Planaltina de Goiás e aliado do líder da legenda, Jovair Arantes (PTB-GO).

Antes de chegar ao Ministério do Trabalho, Mikael estava desempregado e tinha como única experiência profissional um emprego como vendedor de óculos em uma loja. Para assumir o posto no ministério, ele precisou ser aprovado em uma prova de recuperação para concluir o ensino médio. Na época, ele fez troça nas redes sociais por não ter passado direto. “Quem passa direito é busão kakakwkaka”, escreveu o jovem em uma postagem. Após ser aprovado, ele ingressou na faculdade para cursar Administração.

Em seu primeiro dia como gestor financeiro no Ministério do Trabalho, Mikael foi responsável por um pagamento de R$ 27 milhões à B2T, uma empresa de tecnologia suspeita de superfaturar contratos com a pasta.

Oficialmente filiado Partido da Mulher Brasileira (PMB), Mikael conta com o apadrinhamento do PTB, partido que responsável pela indicação do jovem.

Em sua conta no Twitter, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, defendeu o afastamento de Mikael e criticou sua nomeação ao posto de gestor financeiro. “Errou quem resolveu colocar um jovem inexperiente em um cargo importante no MTb; pedi ao ministro Helton Yomura que exonere esse rapaz. Esse ministério é uma ‘cabeça de burro enterrada’ no partido”, disse Jefferson, que recentemente esteve envolvido em polêmica por conta da indicação da filha, Cristiane Brasil, ao posto de ministra do Trabalho.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

8 Opiniões

  1. luiz fernando alves disse:

    Não somos um país sério realmente, as pessoas que “estão no poder desta republiqueta de BANANAS”
    fazem o que bem querem, não tem capacidade de administrar nada, a não ser lapidar os cofres públicos, até quando vamos continuar a ver determinadas famílias (grupos) controlarem órgãos e ministérios do País. Há quanto tempo estamos vendo que o Ministerio do Trabalho e administrado por Jeferson e Carlos Luppi. chega bando de ladrões

  2. Rogerio Faria disse:

    Seria engraçado se não fosse mais uma tragédia com o dinheiro público.

  3. Nilson Bennoti disse:

    É óbvio que o moleque estava lá para facilitar o “esquema”. Até o final do século XIX, o Brasil era igual aos USA, hoje percebe-se uma grande diferença. É por isso, nossos recursos são malbaratados até por crianças.

  4. Jayme endebo disse:

    O Estado brasileiro é um desastre.

  5. carlos alberto martins disse:

    apesar da lava-jato,estar atuante,os corruptos de plantão continuam a lesar o povo.a nomeação do jovem,provam mais uma vez que os estelionatários continuam em grande atividade política.o paternalismo e apadrinhamento está em demonstração de desafio a dignidade,caráter e a ética.

  6. Aureo Ramos de Souza disse:

    E lamentável mais é uma realidade, a maioria dos funcionários públicos são de apadrinhado políticos e agora para dá continuidade a podridão que ainda assola nosso país.. Se fossem demitidos 70% dos apadrinhado tenho a certeza que melhoraria INSS, o Estado do Rio saia do gargalo e outros tantos.

  7. Paulo Costa disse:

    Vocês estão absolutamente certos!

  8. Daniela Villa disse:

    Por outro lado, ninguém fala que o moleque pode ser apenas um jovem em busca de um primeiro bom emprego. E que foi usado por políticos corruptos e hostilizado por uma sociedade medíocre, que acha que um jovem não pode ser bem sucedido.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *