Início » Brasil » Ministro do Planejamento sugere corte de 15 ministérios
reforma ministerial

Ministro do Planejamento sugere corte de 15 ministérios

Dilma, porém, está resistente em relação à medida e orientou o ministro Nelson Barbosa a reduzir cargos comissionados

Ministro do Planejamento sugere corte de 15 ministérios
Nelson Barbosa, ministro do Planejamento (Foto: Agência Brasil/ Wilson Dia)

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, apresentou um estudo para contenção de gastos que sugere a ampliação de 10 para 15 o número de ministérios a serem cortados. O estudo também sugere a incorporação do Ministério do Desenvolvimento Agrário ao da Agricultura ou ao do Desenvolvimento Social, além da extinção do Ministério do Turismo.

A presidente Dilma Rousseff, no entanto, permanece resistente à ampliação do corte nas pastas. Na semana passada, ela determinou a Barbosa que reduza o número de cargos comissionados do governo. No caso da Esplanada, seriam cortados 1 mil dos 22 mil postos.

Além disso, a presidente voltou a falar com seus assessores sobre a importância de ter o apoio do PMDB, que poderá ser compensado na reforma ministerial. Dilma pretende “reinaugurar” as relações com os peemedebistas, deterioradas com a saída de Michel Temer e Eliseu Padilha da articulação política. No entanto, as mudanças não serão fáceis. Integrantes do Ministério do Planejamento já defendem que as secretarias de Aviação Civil e de Portos sejam mantidas com status de ministério, já que essas pastas ainda não terminaram sua missão. No caso da Aviação Civil, por exemplo, é preciso concluir o marco regulatório do setor (dos aeroportos regionais), definir a situação da Infraero e modernizar o Código Brasileiro de Aeronáutica.

“No Ministério dos Transportes, que sempre foi voltado para rodovias e ferrovias, aeroportos e portos ficarão em segundo plano”, explicou ao Globo um técnico do Planejamento.

O Banco Central (BC) e a Controladoria-Geral da União (CGU), que já estavam cotados na lista inicial de cortes, também podem manter o status de ministério. A avaliação em relação ao BC é que a perda de título poderia ter impactos negativos no mercado. Já no caso da CGU, a manutenção do status seria pelas tarefas “pesadas”, como a participação nas investigações da Operação Lava Jato.

Fontes:
O Globo-Ministro do Planejamento sugere a Dilma corte de 15 ministérios

1 Opinião

  1. Brazilino Esperanza disse:

    Este governo não aprende mesmo. Coisas básicas que funcionam no mundo civilizados são consideradas disfuncionais pelo nosso governo, pelo partido no governo e por seu grande grande líder.
    O governo FHC terminou com algo como 6.000 cargos DAS. Hoje o governo tem 22.000 e pretende reduzir gastos eliminando 1.000 desses cargos de confiança. Certamente, irá eliminar os de menores salários. Considerando-se que grande parte do aumento petista desses cargos se deu nas faixas superiores teremos uma economia que nem inglês vai ver.
    Fico impressionado como com só 39 ministérios nosso governo não consegue governar este nosso país. Os EEUU de Barak Obama devem ser um verdadeiro caos. Ele só tem 15 ministros. Deve ser por isto que nada funciona por lá.
    Presidente do Banco Central não precisa ser ministro. Isto é bobagem tupiniquim. Banco Central tem de ser independente. Seu presidente tem de ser aprovado pelo senado e dom um mandato de 4 anos. Assunto simples de ser resolvido. Com uma ANAC forte, independente e diretores competentes, o ministério da aviação civil pode ser muito bem uma secretaria do ministério dos transportes, com um ministro que entenda um pouco de transportes e que tenha honestidade de propósito. A mesma coisa em relação aos portos. E assim por diante…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *