Início » Brasil » Ministro Patriota cai após fuga de senador boliviano
Crise diplomática

Ministro Patriota cai após fuga de senador boliviano

Antonio Patriota será substituído pelo representante brasileiro na ONU, Luiz Alberto Figueiredo Machado

Ministro Patriota cai após fuga de senador boliviano
Antonio Patriota estava à frente do Itamaraty desde 2011 (Fonte: Reprodução/Reuters)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A crise diplomática com a Bolívia deflagrada após a fuga do senador Roger Pinto — um crítico do presidente Evo Morales — para o Brasil derrubou o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota.

Leia também: Bolívia acusa Brasil de violar tratados internacionais

O anúncio foi feito no início da noite desta segunda-feira, 26. O Palácio do Planalto informou em nota que a presidente Dilma aceitou o pedido de demissão do ministro Patriota, que será substituído pelo representante brasileiro na ONU, Luiz Alberto Figueiredo Machado. Patriota estava à frente do Itamaraty desde a posse da presidente Dilma, em 2011.

O senador boliviano Roger Pinto estava refugiado na embaixada brasileira em La Paz há cerca de 450 dias. O senador deixou a Bolívia na última sexta-feira, 23, a bordo de um carro da embaixada brasileira, sem o conhecimento das autoridades bolivianas.

‘Situação difícil’

Uma fonte do Palácio do Planalto disse que a fuga do senador boliviano com a ajuda de um diplomata brasileiro “criou uma situação difícil” para Patriota.

O encarregado de negócios da embaixada do Brasil em La Paz, Eduardo Saboia, disse que agiu sem autorização de seus superiores. Saboia argumentou que o senador boliviano estava deprimido e ameaçava cometer suicídio após 15 meses refugiado na embaixada brasileira em La Paz. Saboia disse ainda que já preparou a sua defesa, inclusive emails nos quais autoridades diplomáticas reconhecem que as negociações com o governo boliviano pelo salvo-conduto do senador não levariam a nada. “Não tenho vocação para agente penitenciário”, afirmou.

O governo boliviano disse nesta segunda que a fuga do senador com a ajuda do diplomata brasileiro viola os convênios internacionais. O chanceler boliviano, David Choquehuanca, exigiu explicações ao Brasil.

As credenciais do novo chanceler

Alçado à chancelaria sem aviso prévio, o embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, carioca de 58 anos, é um diplomata experiente com fama de conciliador. Figueiredo serviu nas embaixadas de Santiago, Washington e Ottawa antes de atuar como chefe da representação brasileira na ONU, posto que assumiu em setembro do ano passado. Formado em direito pela Uerj antes de ingressar no Instituto Rio Branco, o diplomata especializou-se em assuntos de meio ambiente e ganhou a simpatia da presidente por causa de seu trabalho como secretário-executivo da Comissão Nacional da Rio +20, no ano passado.

Fontes:
Portal Exame - Fuga de senador boliviano derruba chanceler brasileiro

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Gilenio Camilo disse:

    Isto é o que se pode ser chamado de uma “ação desastrosa”,uma verdadeira trapalhada,pra se dizer o mínimo. O sr Eduardo Sabóia tem muito o que explicar. Num país sério ele já estaria sumariamente demitido a bem do serviço público; aqui,certamente ele ocupará outro carguinho público por aí. Facilitar a fuga para o Brasil de um indivíduo condenado por corrupção e tantos outros crimes,inclusive o de massacre indígena, dispensa maiores comentários. Na qualidade de político certamente ele vem somar por aqui.

  2. Elisa disse:

    Pois eu penso exatamente o contrário do sr. Gilenio. O Brasil precisa de pessoas que têm coragem de agir, a despeito das regras que não são cumpridas por todos. Disse bem, que não tem vocação para ser carcereiro. Mas tem vocação para ser herói e encarar, como poucos, os erros institucionalizados. Desde que vi o Evo Morales “amiguinho” do Lula, não mais pus fé em seu governo de esquerda.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *