Início » Brasil » Ministro teria chamado candidata do PSL para ser laranja
ELEIÇÕES 2018

Ministro teria chamado candidata do PSL para ser laranja

Segundo candidata de Minas Gerais, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, então candidato, teria a convidado para a campanha

Ministro teria chamado candidata do PSL para ser laranja
Álvaro Antônio, no entanto, afirma não se lembrar de encontro (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

A candidata a deputada estadual  Zuleide Oliveira, de 41 anos, admitiu ter sido chamada pelo ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, para ser uma candidata laranja do PSL nas eleições de 2018. A informação foi revelada pela Folha de São Paulo nesta quinta-feira, 7.

De acordo com Zuleide Oliveira, ela iria concorrer como candidata às eleições de 2018 pelo PSL, mas teria que devolver parte da verba ao partido. Segundo a então candidata, Álvaro Antônio informou que seria repassado R$ 60 mil para Zuleide Oliveira, mas R$ 45 mil seria devolvido ao partido.

“Ele [ministro] disse pra mim assim: ‘Então a gente vai fazer o seguinte: você assina a documentação, que essa documentação é pra vir o fundo partidário pra você. (…) Para o repasse ser feito, você tem que assinar essa documentação. E eu repasso a você R$ 60 mil, e você tem que repassar pra gente R$ 45 mil. Você vai ficar com R$ 15 mil para sua campanha. E o material é tudo por nossa conta, é R$ 80 mil em materiais'”, explicou.

Zuleide Oliveira chegou a fazer uma denúncia ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) no dia 19 de setembro de 2018. No entanto, recebeu uma reposta automática do órgão. “O TRE-MG recebeu seu e-mail e agradece seu contato. Sua mensagem será devidamente encaminhada”, dizia o e-mail do órgão.

Em entrevista à Folha de São Paulo, Zuleide Oliveira afirmou ter se encontrado com Álvaro Antônio no dia 11 de setembro, uma semana antes da denúncia, sendo acompanhada pelo seu marido. A ex-candidata, que teve candidatura barrada por ser ficha suja – devido à uma condenação de 2016 -, afirmou que não sabe se o dinheiro chegou a ser depositado, pois o controle das contas bancárias ficou com dirigente dos partidos.

“Eu não entendia de nada, eles que fizeram tudo [para registrar a candidatura], eu não tirei uma certidão minha, eles tiraram por lá, eu só enviei meu documento e eles fizeram tudo. Acredito, sim, que fui mais uma candidata-laranja, porque assinei toda a documentação que era necessária e não tive conhecimento de nada que eu estava fazendo (…) Fui usada, a minha candidatura foi usada para fazer parte de uma lavagem de dinheiro do partido”, afirmou.

Zuleide Oliveira, que ainda não prestou contas à Justiça eleitoral, afirma que recebeu do partido 25 mil santinhos, todos dividindo o espaço com Marcelo Álvaro Antônio. No entanto, o PSL de Minas Gerais e o diretório nacional do partido não declararam os gastos com a candidata à Justiça.

Álvaro Antônio era filiado ao PR e migrou para o PSL junto com o presidente Jair Bolsonaro. Comandando o escritório estadual do partido, Álvaro Antônio definiu o repasse das verbas públicas aos candidatos de Minas Gerais. Em nota, o ministro do Turismo admitiu ter encontrado com diferentes candidatos em setembro do ano passado, mas afirmou que não se lembra de ter se reunido com Zuleide.

“Em setembro, Marcelo Álvaro Antônio recebeu diversos pré-candidatos e eleitores na sede do PSL. Ele não se lembra ter se reunido especificamente com a sra, Zuleide. O ministro jamais ofereceu ou pediu a devolução de qualquer valor, seja do fundo eleitoral ou de qualquer outra fonte, à sra. Zuleide”, diz a nota.

 

Leia mais: Candidatas receberam verbas do PSL às vésperas das eleições
Leia mais: Marcelo Álvaro quer levar ao STF investigação sobre laranjas
Leia mais: Ministro usou falsas candidaturas para desviar verba

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Almanakut Brasil disse:

    Os laranjais do PT, PDT, PSOL e PCdoB, prestes a eclodir – (Jornal da Cidade Online – 04/03/2019 )

    Temos deficientes físicos, líderes comunitários, lideres sindicais, uma “sub celebridade” e meninas jovens que representam os movimentos estudantis.

    Todas estavam com seus nomes nas legendas para garantir as cotas e as verbas, mas o valor era repassado para ser injetado na eleição de outros nomes, em sua maioria HOMENS.

    As mulheres serviram para preencherem a quota, mas não fizeram campanha para si, muito pelo contrário! Trabalhavam para eleger apenas os principais nomes da localidade do partido.

    https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/13573/o-laranjal-do-pt-pdt-psol-e-pcdob-que-esta-prestes-a-eclodir

    A lei de cotas, feita por “justiceiros sociais”, criou os “candidatos laranjas” – (Jornal da Cidade Online – 03/03/2019 )

    Nas eleições de 2016 sobraram candidaturas de papel, de candidatas cujas prestações de contas estavam zeradas porque não fizeram qualquer campanha, e que se inscreveram apenas para que seus respectivos partidos pudessem preencher a cota.

    A partir das eleições de 2018, contudo, o TSE determinou que os partidos deveriam não só ter 30% das chapas compostas por mulheres, mas também deveriam GASTAR 30% da cota do fundo partidário com mulheres.]

    O esquema das candidaturas laranjas, assim, era não só previsível, como inevitável. Foi a lei feita por justiceiros sociais que criou a corrupção.

    https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/13565/a-lei-de-cotas-feita-por-justiceiros-sociais-criou-os-candidatos-laranjas

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *