Início » Brasil » Morre o sambista Cartola
Nesta Data

Morre o sambista Cartola

No dia 30 de novembro de 1980 morre Cartola

Morre o sambista Cartola
Em busca de paz e sossego, deixou o Morro da Mangueira no final de década de 70 para morar em Jacarepaguá, onde viveu até sua morte (Reprodução/Internet)

O Brasil perdia no dia 30 de novembro de 1980 um dos seus grandes sambistas. Neste dia morria Angenor de Oliveira, o Cartola. Aos 72 anos, o romântico boêmio do Rio de Janeiro travava uma luta contra um câncer havia dois anos. Ao seu lado, a fiel companheira Dona Zica, esposa de Cartola por 26 anos.

Nascido no dia 11 de outubro de 1908, no bairro do Catete, na capital fluminense, Cartola se mudou com a família para o Morro da Mangueira por questões financeiras. Em seu novo bairro, fez amizade com Carlos Cachaça, parceiro na boêmia, na malandragem e no samba. Estudou até o ensino fundamental e foi trabalhar na construção civil. Como sempre usava um chapéu durante o expediente, ganhou apelido de Cartola. Em 1928, criou com amigos do morro o Bloco dos Arengueiros, que depois se tornaria a Estação Primeira de Mangueira.

Já conhecido como compositor, nos anos 30 teve seus sambas gravados por cantores como Araci de Almeida, Carmen Miranda e Francisco Alves. Na década seguinte, contudo, desapareceu e suspeitou-se até de que havia morrido. O sambista foi reencontrado apenas em 1956, pelo jornalista Sérgio Porto, conhecido como Stanislaw Ponte Preta, que reconheceu Cartola trabalhando como lavador de carros em Ipanema. Solidário com a situação de Cartola, Porto levou-o a programas de rádios, recolocou-o na imprensa e o ajudou a dar novo impulso na carreira.

Em 1964, casou com Dona Zica (sua primeira esposa, Deolinha, falecera anos atrás). Cartola e a nova companheira abriram um restaurante, o Zicartola, no Centro do Rio. O local virou moda na época como ponto de encontro entre sambistas, jornalistas e da juventude da zona sul carioca. Somente a partir de 1974, aos 66 anos, é que Cartola começou a gravar os seus próprios discos. Ao todo, foram seis álbuns oficiais.

Assim, eternizou clássicos como “As Rosas Não Falam”, “O Mundo é um Moinho”, “Acontece”, “Quem Me Vê Sorrindo” (com Carlos Cachaça), “Alvorada”, “Peito Vazio” (com Elton Medeiros) e outras músicas. Em busca de paz e sossego, deixou o Morro da Mangueira no final de década de 70 para morar em Jacarepaguá, onde viveu até sua morte.

Fontes:
History

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *