Início » Brasil » MP pede prisão de João de Deus
APÓS DENÚNCIAS DE ABUSO

MP pede prisão de João de Deus

Médium foi denunciado por abuso sexual por mais de 300 mulheres

MP pede prisão de João de Deus
João de Deus nega todas as acusações (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Ministério Público de Goiás protocolou nesta quarta-feira, 12, o pedido de prisão preventiva do médium João de Deus, denunciado por abuso sexual por mais de 300 mulheres.

Leia também: Filha acusa médium João de Deus de estupro

O pedido, apresentado por dois promotores responsáveis pela força-tarefa que investiga os supostos crimes, deve ser analisado pelo juiz responsável pela comarca de Abadiânia.

Em declaração à Agência Brasil, o advogado de João de Deus, Alberto Toron, afirmou que “a informação que nós temos é que efetivamente o MP fez um pedido à Justiça, mas nós não conhecemos o teor desse pedido. Sem conhecer, eu não tenho como me contrapor a ele. Vou para Abadiânia amanhã mesmo [quinta-feira] ver se eu consigo avaliar esse pedido”.

Ainda de acordo com o advogado, foi reafirmado às autoridades que o médium, que está sendo acusado de abuso sexual contra centenas de mulheres e adolescentes, está à disposição da Justiça brasileira. O MP-GO contabilizou até agora 330 possíveis vítimas.

João de Deus, que nega todas as acusações, esteve nesta quarta-feira por alguns minutos na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), onde foi recebido sob aplausos. É neste local onde o médium trabalha há 42 anos,  realizando consultas, aconselhamentos espirituais e cirurgias espirituais.

Em uma breve declaração,  o médium disse: “Irmãos e minhas queridas irmãs, agradeço a Deus por estar aqui. Quero cumprir a lei brasileira. Estou nas mãos da Justiça. O João de Deus ainda está vivo”.

O Ministério Público de Goiás convocou a titular da promotoria de Abadiânia, Cristiane Marques, para ajudar a reforçar na força-tarefa sobre a investigação. Além disso, com a possibilidade de existirem casos de assédio em outros países, o MP preparou uma sala de videoconferência, onde promotores, psicólogos e tradutores colhem novas denúncias.

“Temos casos fora do Brasil, por isso, temos a necessidade de acompanhamento para ajudar a gente a esclarecer todas essas situações”,concluiu o procurador-geral do órgão, Benedito Torres

Fontes:
EBC - Justiça de Abadiânia decidirá sobre pedido de prisão de João de Deus

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *