Início » Brasil » MST se torna o maior produtor de arroz orgânico da América Latina
MOVIMENTO POLÊMICO

MST se torna o maior produtor de arroz orgânico da América Latina

Movimento, que é alvo de defesas e críticas contundentes, estima colheita de 27 mil toneladas para a safra de 2016-17

MST se torna o maior produtor de arroz orgânico da América Latina
Colheita de arroz orgânico produzido pelo MST no Rio Grande do Sul (Fonte: Reprodução/BBC)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) se tornou o maior produtor de arroz orgânico, isto é, sem agrotóxicos, da América Latina.

O movimento, que é alvo de defesas e críticas contundentes, estima uma colheita de 27 mil toneladas para a safra do arroz orgânico de 2016-17. A produção ocorre em 22 assentamentos diferentes e envolve 616 famílias gaúchas. Ainda de acordo com o MST, também serão produzidas 22.260 sacas de sementes não-transgênicas.

Embora a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), do governo federal, não faça a distinção entre produção orgânica e convencional, isto é, com agrotóxicos e outros aditivos químicos, em sua estimativa anual de safra, o Instituto Riograndense do Arroz, o Irga, do governo gaúcho, confirma a posição do MST como o maior produtor de arroz orgânico da América Latina.

De acordo com o coordenador do Grupo Gestor do Arroz Agroecológico do MST, Emerson Giacomelli, cerca de 30% da produção é exportada para países como EUA, Alemanha, Espanha, Nova Zelândia, Noruega, Chile e México.

A prefeita de Nova Santa Rita (RS), Margarete Simon Ferretti (PT), diz que a produção do MST movimenta a economia do município gaúcho, fazendo circular R$ 7 milhões por ano.

O discurso da agroecologia passou a ser incorporado pelo MST a partir dos anos 2000, segundo estudos acadêmicos. Em entrevista à BBC Brasil, João Pedro Stédile, coordenador nacional do MST, ressaltou que o modelo agroecológico é antagônico ao do agronegócio porque este último “visa o lucro a qualquer custo, usando agrotóxicos, transgênicos e maquinário, o que afasta os trabalhadores rurais do campo”.

A Sociedade Rural Brasileira (SRB) e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que representam o agronegócio, não quiseram comentar a posição do MST.

Fontes:
BBC Brasil - Como o MST se tornou o maior produtor de arroz orgânico da América Latina

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. Malou von Muralt disse:

    Finalmente, algo positivo em relação ao MST!
    Boa notícia, surpreendente.

  2. vitafer disse:

    Concordo com o Malou.

  3. Lucinda Telles disse:

    Ora vejam! isso prova que ninguém pode ser totalmente imprestável o tempo todo.

  4. laercio disse:

    A eficácia da informalidade ultrapassa a burocracia da formalidade!

    No Brasil não há o desenvolvimento do real potencial do país porque o governo é ocupado demais na criação de meios para garantir o recolhimento de impostos.

    É necessário recolher impostos! Mas os mesmos deveriam ser usados de forma a estimular a agricultura familiar; na verdade, o molde das famílias urbanas no Brasil está errada! A falta de controle natalidade, o baixo nível estudantil, o não aproveitamento de nossos recursos e leis tolerantes completam o coquetel da morte que é ingerido constantemente pelo país.

    As famílias deveriam ser inseridas em novos municípios previamente planejados de forma que cada família possa praticar a agronomia familiar.

    Existem ofertas de terras quase infinitas para fazer o assentamento de familiar urbanas e rurais criando uma nova classe muito necessária: a classe semi urbana, que é uma mistura da urbana e rural, está oferece ocupação no desemprego quanto a ocupações mais qualificadas.

    Soluções simples que não são alcançadas pelo excesso de burocracia mas principalmente devido o interesse do monopólio em manter a bagunça nacional como está.

  5. Chicao Somavilla disse:

    A ausência de politicas públicas que incentivem e protejam a agricultura familiar ou cooperativas voltadas às causas sociais são uma afronta ao desenvolvimento da produção nacional e ao Bem Estar da população brasileira.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *