Início » Brasil » Na América Latina, uma em cada cinco pessoas mora em favela, diz relatório
exclusão social

Na América Latina, uma em cada cinco pessoas mora em favela, diz relatório

Relatório afirma que a região tem 113 milhões vivendo em favelas urbanas e alerta que a ineficiência das políticas públicas de habitação locais farão esse número crescer ainda mais

Na América Latina, uma em cada cinco pessoas mora em favela, diz relatório
Petare, a maior favela de Caracas. Abismo social impede que famílias de baixa renda tenham acesso a condições decentes de habitação (Foto: Wikipedia)

Um relatório divulgado nesta segunda-feira, 17, alerta para a crescente expansão das favelas urbanas na América Latina. Segundo o documento, o aumento é fruto das ineficientes políticas públicas de habitação dos governos locais.

Leia mais: Preço dos imóveis no Brasil é tão surreal quanto a taxa de famílias sem moradia
Leia mais: Brasil precisa de R$ 76 bi ao ano para zerar déficit habitacional até 2024

O documento foi elaborado a pedido da agência Reuters, e analisou as políticas de habitação de 11 países da região, entre eles Brasil, México, Chile, Colômbia e Argentina. Segundo ele, a América Latina tem 113 milhões de pessoas vivendo em favelas urbanas, o que corresponde a uma em cada cinco pessoas do continente.

“As políticas de habitação dos Estados, mesmo as presentes nas constituições locais, não estão sendo capazes de suprir o aumento da população urbana”, diz o texto.

Segundo o relatório, atualmente, 80% da população latino-americana (600 milhões de pessoas) vive nas cidades. O percentual é mais alto do que qualquer outra região do mundo e é reflexo das migrações em massa das áreas rurais para as cidades ocorridas no continente na década de 1950.

Um dos pontos do documento afirma que o direito à moradia consta na maioria das constituições latino-americanas. Porém, um grande abismo social impede que famílias de baixa renda tenham acesso a condições decentes de habitação e financiamento imobiliário.

Como resultado, comunidades pobres, com casas amontoadas feitas com materiais precários e em péssimas condições se tornaram comuns nas cidades do continente. “O mercado imobiliário não está sendo capaz de atender às necessidades das populações marginalizadas nesses tipos de assentamentos, o que gerou exclusão social e segregação entre ricos e pobres”, diz o relatório.

O texto lembra ainda uma recente estimativa feita da ONU que diz que o continente precisa construir cerca de 50 milhões de casas para solucionar o déficit habitacional da região.

No caso do Brasil, um estudo feito em outubro de 2014, pela Fundação Getúlio Vargas, apontou que para zerar o déficit habitacional do país será preciso um investimento de R$ 760 bilhões até 2024, o que equivale a R$ 76 bilhões por ano.

Fontes:
The New York Times-Latin American Governments Fail to Tackle Booming Urban Slums: Report

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Definitivamente, no Brasil a solução deverá ser NÃO LINEAR, pois não existem 76 bilhões de reais por ano disponíveis para construir casa.
    Precisamos de THINK TANKS para criar essas soluções não-lineares.
    Existe algum THINK TANK no Brasil? Não conheço nenhum.
    Lembro apenas que o ex-ministro Sayad, na década de 80 ou 90, mostrou como o RS poderia equilibrar suas contas para não falir, como aconteceu na semana passada, e ninguém deu a mínima atenção a ele.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *