Início » Brasil » ‘Não haverá mais dinheiro para ONGs’, diz secretário de Bolsonaro
NOVO GOVERNO

‘Não haverá mais dinheiro para ONGs’, diz secretário de Bolsonaro

Nabhan Garcia foi nomeado para órgão que será responsável pela demarcação de terras indígenas

‘Não haverá mais dinheiro para ONGs’, diz secretário de Bolsonaro
O secretário não citou nomes de entidades que considera suspeitas (Foto: Agência Brasil/Tânia Rego)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O secretário de Regulação Fundiária do Ministério da Agricultura Nabhan Garcia, endossou, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o discurso do novo governo contrário às organizações não governamentais.

“Não haverá mais dinheiro para ONGs escusas”, disse Nabhan Garcia à Folha, no momento em que tomou posse de seu cargo como secretário, na última quarta-feira, 2, em Brasília. Nabhan, que é presidente da UDR (União Democrática Ruralista), foi conselheiro de agronegócio para Bolsonaro durante sua campanha.

O secretário não citou nomes de entidades que considera suspeitas e atribuiu a controvérsia em torno das novas medidas do governo em relação aos índios a grupos que “a vida inteira tiram proveito” de convênios com órgãos públicos.

“Essa gente realmente tem que estar preocupada. É um direito de qualquer organização não governamental defender interesse de quem ela tem esse propósito, mas muita coisa vai mudar”, afirmou Nabhan, acrescentando que a situação do país exige corte de gastos.

“O índio tem muitos problemas. O índio precisa ter um assistencialismo real. Não um assistencialismo de dinheiro que vai para ONG e ONG desaparece com esse dinheiro”, disse o pecuarista.

“Tem muita ONG que, se quiser sobreviver, vai ter que sobreviver como manda a lei, às custas próprias. Existe uma preocupação de ONGs que estão reclamando… Não vejo nenhum motivo. Talvez seja isso. Ora, já se diz: organização não governamental. Que sobreviva às suas próprias, não tirando dinheiro dos cofres públicos”.

A transferência das demarcações para a Pasta da Agricultura se tornou alvo de críticas, já que a mudança é vista como conflito de interesses.

Nabhan é subordinado à ministra Tereza Cristina (Agricultura) que assumiu a Pasta buscando amenizar a controvérsia, relatando ser apenas uma “questão de administração” administrativa.

A Fundação Nacional do Índio (Funai), que é ligada ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, será responsável pelas políticas sociais para os indígenas, de acordo com a ministra.

Nabhan ressaltou que a escolha de Tereza é natural para que o Ministério da Agricultura assuma as políticas fundiárias, já que existe uma disputa entre as terras e relatou que “não tem nenhum conflito de interesses” no trabalho da Pasta.

O líder da UDR catalogou os protestos como um ato precipitado e disse que a legislação de terras será seguida com certa obediência aos critérios técnicos e jurídicos. O governo criará uma comissão interministerial para deliberar sobre as demarcações. Foi frisado que a palavra final será de Bolsonaro.

Desde a ascensão do presidente, líderes sociais estão denunciando o que classificam como processo de criminalização de ONGs e movimentos. Antes do pleito, o candidato chamou a população sem-terra e sem-teto de bandidos e relatou que eles seriam tachados como terroristas.

Em uma carta ao novo presidente, que foi divulgada na semana passada, líderes indígenas pediram por diálogo e criticaram as medidas que os atingem. Contestaram que o discurso do Bolsonaro em que os indígenas são manipulados e afirmara que as políticas públicas para é que são “ineficientes, insuficientes e fora da realidade”.

Fontes:
Folha de S.Paulo-Não haverá mais dinheiro para ONGs escusas, diz secretário do governo de Bolsonaro

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Almanakut Brasil disse:

    Tem que acabar com essa farra de pilantrONGs, começando pelo desmonte da ABONG!

    E veículos de imprensa como a Faliu de S.Paulo tem que entrar no mesmo pacote.

  2. carlos alberto martins disse:

    gostaria de lembrar ao sr ministro que a Amazonia,pertence a todos os brasileiros.a mesma vem sendo explorada por indigenas inescrupulosos.para mim,indio é aquele de dorme em tabas e ocas,caça com arco e flecha,e,levam a vida simples que a floresta oferece.os indios atuais,tem internet,veiculos 4×4,aviões,energia eletrica,geladeira,e muito mais conforto que muito operário de fábrica.é extranho eles terem reservas maior que muito estado brasileiro.dar ao indio o tratamento de um incapaz é sem dúvida alguma piada de mau gosto.

  3. José Martins disse:

    Ninguém fala mais em CONSELHO COMUNITÁRIO e ASSOCIAÇÃO de PAIS E PROFESSORES. Eram as ORGANIZAÇÕES SOCIAIS HONESTAS, que defendiam o POVO. TIVERAM APOIO dos militares em 1979, em Santa Catarina, com KONDER REIS e JORGE BORNHAYSEN.

  4. CARLOS ALBERTO DE BARROS disse:

    Bravos ministro.. acabe mesmo com essa farra . Com nosso dinheiro. . Parabéns Presidente Bolsonaro

  5. Antonio Carlos Frade disse:

    Toda decisão a ser tomada que alcance as tais “minorias”, deve passar pelo crivo do interesse social, sem se sobrepor aos interesses da sociedade como um todo…

  6. Arno bauer disse:

    Acabar com filantropias que recebem recursos financeiros do governo e ainda participam de licitações em desigualdade com empresas que pagam impostos, essas ONGs ainda cobram pelos serviços sem pagar impostos

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *