Início » Brasil » No sertão da Bahia, uma crise hídrica de outra natureza
Água contaminada

No sertão da Bahia, uma crise hídrica de outra natureza

Exploração em mina de urânio em Caetité, na Bahia, pode ter contaminado água consumida em município vizinho

Uma reportagem publicada no jornal Estado de S. Paulo no último sábado, 22, revela que as atividades de exploração na única mina de urânio da América Latina, localizada em Caetité, no sertão da Bahia, parece ter contaminado a água consumida por moradores de Lagoa Real, uma cidade vizinha.

De acordo com a reportagem, a estatal Indústria Nucleares do Brasil (INB), responsável pela operação da mina há mais de 15 anos, verificou a contaminação da água em um poço usado em um sítio em Lagoa Real em outubro de 2014, mas só compartilhou a informação com a prefeitura local sete meses depois, em maio deste ano.

Segundo laudos técnicos obtidos pela reportagem, a quantidade de urânio encontrada na água é quatro vezes maior que o limite permitido para consumo humano pela Organização Mundial da Saúde e pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente. Quando os laudos sobre as inspeções na água foram emitidos e chegaram à prefeitura e à secretaria do Meio Ambiente, o poço foi lacrado e o proprietário do sítio informado de que a água estava imprópria para consumo. Ainda assim, nada foi comunicado aos órgãos oficiais federal e estadual.

A prefeitura de Lagoa Real informou à reportagem que nem sequer tinha conhecimento do poço contaminado e culpou a Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (Cerb) por sua abertura. A prefeitura só soube da existência do poço quando recebeu o laudo da INB informando da contaminação.

O Secretário de Meio Ambiente de Lagoa Real, Willike Fernandes Moreira, disse que a prefeitura não tem condições de fiscalizar todos os poços na região, uma vez que não há um controle sobre a abertura de poços. “O povo aqui não tem água pra nada. Aí você chega e diz que vai fechar o poço dela porque a água pode estar contaminada? Rapaz, é complicado. Só resta rezar para não estar contaminada. O povo vai usar, é aquela água a que ele tem.”, disse.

Fontes:
Estadão - Urânio contamina água na Bahia

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *