Início » Brasil » Novo ministro quer engajar universidades federais na educação básica
Ministério da Educação

Novo ministro quer engajar universidades federais na educação básica

Ministro tomou posse nesta segunda-feira. Uma de suas ideias é que alunos de universidades públicas atuem como estagiários na educação básica

Novo ministro quer engajar universidades federais na educação básica
Escolha de Renato Janine Ribeiro para a pasta da Educação foi amplamente elogiada (Reprodução/Folhapress)

O professor aposentado da Universidade de São Paulo (USP), Renato Janine Ribeiro, tomou posse nesta segunda-feira, 6, como novo ministro da Educação. Em entrevista à Folha, Janine afirmou que sua maior prioridade será a educação básica (ensinos fundamental e médio), e que seu plano é engajar mais as universidades federais e seus estudantes na tarefa.

“A minha ideia é, durante o curso, fazer um estágio social, a ser definido conforme a área – lecionar em escolas, como já se pratica em faculdades de educação, o estudante de medicina atender em regiões mais carentes etc.”

Janine disse que o objetivo é incutir um senso maior de responsabilidade social na formação do estudante universitário, para que o estudante se sinta  responsável pela educação como um todo, pela chance de estudar e chegar lá, custeado pela sociedade.

Ribeiro já havia defendido esta ideia em um artigo de 2009. No texto, ele chamou a atividade de “estágio social obrigatório”. Ele também é a favor da expansão de cursos técnicos do Pronatec (cursos técnicos custeados pelo governo).

Discurso da presidente

A cerimônia de posse ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília, e teve discurso da presidente Dilma. Ela chamou Janine de “ministro educador” e afirmou que as restrições orçamentárias impostas pelo governo não irão prejudicar os programas na área da educação, como o Fies, de financiamento a universitários

Dilma garantiu que o governo manterá a meta de universalizar o acesso das crianças de quatro e cinco anos à escola até 2016, conforme prevê o Plano Nacional de Educação. “Vamos continuar ampliando a oferta de ensino em tempo integral, sobretudo nas áreas com maior incidência de violência”, disse.

A presidente citou o projeto aprovado pelo Congresso que destina 75% dos royalties do petróleo do pré-sal para investimentos em educação pelo país, e disse que a luta pela recuperação da Petrobras é também a luta pelo futuro da educação brasileira.

“Tenho certeza que a luta para a recuperação da Petrobras está em curso. Falo tanto da recuperação, e a luta é minha, do meu governo. Tenho certeza que interessa a todo o povo brasileiro. O que está em jogo nessa luta em defesa da Petrobras e do controle do pré-sal é nossa soberania, é o futuro do nosso país e da nossa educação”, disse.

A escolha de Janine para o MEC foi elogiada por acadêmicos, parlamentares e ex-ministros da pasta. Janine assume o Ministério no lugar de Cid Gomes, que pediu demissão após um bate-boca com deputados na Câmara.

Fontes:
G1 - Dilma empossa ministro e assegura continuidade de programas do MEC
Ministro quer universidades federais mais engajadas no ensino básico

1 Opinião

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    “A minha ideia é, durante o curso, fazer um estágio social, a ser definido conforme a área – lecionar em escolas, como já se pratica em faculdades de educação, o estudante de medicina atender em regiões mais carentes etc.”
    Janine disse que o objetivo é incutir um senso maior de responsabilidade social na formação do estudante universitário, para que o estudante se sinta responsável pela educação como um todo, pela chance de estudar e chegar lá, custeado pela sociedade.
    ” — no fundo, no fundo (ou no raso mesmo!), uma proposta vazia! Pomposo, ‘humanista’, mas carente de fisibilidade. Como o senhor ministro pensa que o universitário das faculdades públicas (de quais cursos?) irá acomodar tal exigência acadêmica a sua grade curricular? E, se o fizer, acha mesmo que o aluno dará prioridade a esse ‘estágio social’ em detrimento de sua própria formação acadêmica? O que eles querem inventar agora? Uma espécie de ‘Mais Médicos’ só que com alunos de graduação? É o que parece!…

    Ribeiro já havia defendido esta ideia em um artigo de 2009. No texto, ele chamou a atividade de “estágio social obrigatório”. ” — esse cara nunca ouviu falar no Projeto Rondon?…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *