Início » Brasil » O boi de R$ 1 bilhão
Coluna Esplanada

O boi de R$ 1 bilhão

O ano de 2015 nasceria coroado para a Friboi não fosse a lupa atenta dos procuradores do Ministério Público de Goiás. A empresa entrou na mira por causa de uma lei estadual vista com desconfiança pelo mercado e pela promotoria

O boi de R$ 1 bilhão
Durante anos, a Friboi sonegou ICMS no nascedouro, na terra natal, o Estado de Goiás (Reprodução/Internet)

Os currais nunca foram mais os mesmos no Brasil desde que ascendeu ao cenário nacional e internacional a Friboi, marca da JF Holding, da família Batista. Por mérito de décadas de atuação no mercado, pioneiros no setor, e ajudados de anos para cá pelo BNDES, a empresa tornou-se a maior produtora de proteína do mundo – e na esteira desse extenso pasto de negócios, os desafios e problemas também vieram a galope.

O ano de 2015 nasceria coroado para a holding não fosse a lupa atenta dos procuradores do Ministério Público de Goiás. O grupo empresarial entra na mira por causa de uma lei estadual vista com desconfiança pelo mercado e pela promotoria.

Durante anos, a Friboi sonegou ICMS no nascedouro, na terra natal, o Estado de Goiás. A dívida tornou-se tão grande quanto o volume negociado mensalmente pela empresa. Chegou a R$ 1,3 bilhão até fim do ano passado, com juros, multa e correção.

No apagar das luzes de 2014, o governo de Goiás aprovou uma lei de renegociação de dívidas para empresas. Pela regra, que vigorou por três dias úteis, as devedoras de ICMS teriam isenção de 100% de juros, multa e correção monetária da dívida em aberto. E, bingo!, acertou quem apostou na brecha para a Friboi renegociar a sua – pagou R$ 170 milhões à vista aos cofres do governo Marconi Perillo, e renegociou R$ 150 milhões em parcelas mensais de R$ 2,9 milhões (publicamos há dias).

De acordo com o governo e a Friboi, a lei é reeditada todo fim de ano para facilitar renegociações de várias empresas, e para reforçar o caixa do Estado. Evidentemente, um bom acordo.

Festa no matadouro, mas.. uma investigação quer salgar a carne desse churrasco; Ou seja, é histórico e inédito no País (ainda investiga o MP se há casos similares) o perdão de dívidas em R$ 1 bilhão.

Provocado pela oposição ao governo, o MP agora quer saber quantas e quais foram as empresas de Goiás beneficiadas com a lei de três dias – vigorou de 22 a 29 de dezembro (excetuando-se o Natal e pontos facultativos). E se a ‘operação’ não foi lesiva aos cofres públicos.

Cadê a marcha?

Foi atrás dos alertas da Organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) que a Coluna registrou ano passado os primeiros sinais da nova e mais forte epidemia do vírus Ebola na África ocidental. Parceira de divulgação das ações da MSF, a Esplanada volta a registrar uma má notícia, novo alerta da ONG para os líderes mundiais. Que, novamente, fecham os olhos para o problema.

Com numerosas baixas civis – inclusive entre os médicos e enfermeiros – a MSF deixou o Sudão do Sul diante da interminável guerra entre etnias e milícias.

Agora, a MSF revela que bombardeios a civis em hospitais de campanha da Ucrânia – não se sabe se das forças russas ou locais – matam e isolam os locais de socorro. Os ataques também inibiram a chegada aos hospitais de medicamentos e suprimentos.

‘No dia 14 de janeiro, um hospício para pessoas com deficiência mental em Slavyanoserbsk, na região de Luhansk, que MSF tem apoiado com medicamentos e materiais de higiene, foi severamente danificado quando a cidade foi submetida a um forte bombardeio. A equipe de MSF conseguiu chegar ao principal hospital da cidade no dia 19 de janeiro para entregar suprimentos suficientes para tratar até 50 pacientes feridos. O hospital ficou sem eletricidade por dois dias devido ao bombardeio e a equipe de MSF viu, pelo menos, dez casas destruídas recentemente no centro da cidade de Slavyanoserbsk’, informa a MSF em nota.

Vale lembrar que a atuação da facção terrorista Estado Islâmico era algo distante do mundo ocidental até que a redação de uma revista foi atacada em Paris.

Não há notícias até o momento de que líderes mundiais se sensibilizaram com as vítimas de Slavyanoserbsk, tampouco de alguma marcha midiática por alguma cidade da Ucrânia.

5 Opiniões

  1. jose araujo disse:

    O CASO DA FRIBOI TEM NOME , CORRUPÇÃO!

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    Acho que o MP deveria fazer uma pesquisa nesta família Batista pois o que todos sabem é que a Friboi pertence a Lulinha filho ou irmão do ex presidente Lula, acredito que a família Batista é de fachada.

  3. Almanakut Brasil disse:

    Faturamento da cooperativa Aurora cresce 18% em 2014, para R$ 6,7 bi –

    Estadão Conteúdo/Globo Rural

    Do total, 80% da receita foram obtidos no mercado interno.

    http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Economia-e-Negocios/noticia/2015/01/faturamento-da-cooperativa-aurora-cresce-18-em-2014-para-r-67-bi.html

  4. Ney disse:

    ASSIM A FRIBOI TEM DINHEIRO PARA PAGAR ATORES E CANTORES, GOVERNO SAFADO ESSE QUE FEZ ESTA LEI.

  5. Roberto1776 disse:

    Pobre Ucrânia. Depois de ter 8.000.000 de ucranianos assassinados (por meio de inanição) pelo comuna desclassificado (desculpem a redundância) conhecido com Stalin, agora volta ser sacrificada pelas mãos deste idiota kripto-comunista putin.
    Enquanto isso os palermas do patê brasileiro querem trazer essa praga de comunismo para a Brasil.
    Fico pensando como teria sido bom se a nossa terrorista mor e o seu patrão de garanhuns tivessem assistido algumas aulas de História.
    Analfa é fogo!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *