Início » Brasil » O declínio do catolicismo na América Latina
influência em baixa

O declínio do catolicismo na América Latina

Apesar de ter cerca de 40% da população católica do mundo, a América Latina está abandonando o catolicismo

O declínio do catolicismo na América Latina
Anos atrás, festa da Jornada Mundial da Juventude seria bem maior (Reprodução/Getty)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Desde que o Papa Francisco chegou ao Brasil, para a Jornada Mundial da Juventude, os 123 milhões de católicos do país estão em festa.

Contudo, a celebração seria maior, caso ocorresse anos atrás. O catolicismo, que já foi dominante na América Latina, está em declínio na região. Apesar de ter cerca de 40% da população católica do mundo, a América Latina está abandonando o catolicismo. Mas por que Roma está perdendo a influência sobre seus fiéis latino-americanos?

Longe de ser uma causa do aumento do ateísmo, essa tendência é uma consequência do aumento de outros credos cristãos na região. A influência de pastores evangélicos, que usam programas de televisão e milagres como marketing, cresce a cada ano no Brasil e em outros países da América Latina. Esses pastores têm sido ótimos “pescadores de fiéis” em regiões remotas do interior ou periferias, onde o estado falha e os milagres são aplaudidos.

A Igreja Católica tenta recuperar o prestígio na região. A visita do Papa Francisco é regida por um clima de aproximação entre a igreja e os fiéis. Não fique surpreso se Francisco decidir recorrer ao marketing dos padres carismáticos e mostrar suas habilidades no tango.

Fontes:
The Economist-Why is Latin America cooling on Catholicism?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. maria tereza disse:

    Tenho nítida impressão que o irmão autor não é católico e como muitos protestantes ou agnósticos que odeiam a Igreja Católica, tendo esta poderosa ferramenta diante do público, lança suas farpas para depreciar nossa religião. Mesmo diante de tamanha multidão e manifestação fervorosas, aqui na JMJ/2013, que deve ser uma parte mínima no mundo, percebe-se que são católicos assumidos, são jovens que procuram viver o Evangelho como Jesus o fez. Portanto, meu irmão, eu lhe garanto: ser católico não é número, é ação; não é viver em mar de rosas, é viver com alegria e não é ter crescimento próspero material porque deu maior soma de dinheiro. Enfim, a Igreja de Jesus Cristo, é amor .

  2. jayme endebo disse:

    Minha “irmã” Maria Tereza, a Igreja Católica tem passado negro com roubos e mortes praticado em nome de Deus ou seu similar e agora ela está colhendo o fruto do que foi plantado
    A juventude hoje é mais informada e tem mais acesso à informação do que seus pais e portanto vai ser muito dificil continuar enganando por mais tempo e a tendencia é diminuir mais ainda.

  3. Sálvio Pessoa disse:

    Mas é claro. Essa Jornada Mundial da Juventude, nada mais é do que uma estratégia de “marketing” do Vaticano para angariar mais fiéis (leia-se “dízimos”) para as suas igrejas (leia-se “cofres”). Não apenas o catolicismo está falido, mas todas as religiões estão fadadas a desaparecer, porque não satisfaziam à inteligência da humanidade medieval, mas não à do século XXI. Essas religiões hierarquizadas, cheias de dogmas, crenças absurdas, rituais sem sentido e promessas vazias nada tê a ver com a Verdadeira Religião, que existe e é praticada apenas por meia dúzia de pessoas na Terra.

  4. geracina disse:

    RELIGIAO OPIO DO POVO

  5. Davi disse:

    Na minha opinião, o papa não representa nada para os evangélicos. O papado foi instituído pelo homem em séculos passado pela igreja romana(“0 Papa Leão I, ano 440, é mencionado pelos historiadores como o primeiro Papa” – Divinópolis Jornal). A Bíblia não menciona nada x nada sobre esse assunto, assim como muitos ensinamentos doutrinários da igreja católica romana, principalmente a veneração que fazem a Maria(ano 600D.C). Quem mais Jesus combateu durante seu ministério terreno foram os religiosos de sua época, e foram estes que o levaram a cruz. Imagina hoje! que existem mais doutrinas, mais religiões, mais igrejas, que não passam nem de perto dos Seus ensinamentos. Com certeza seria um prato cheio paro o Mestre, seu destino seria a cruz novamente, digo a pena de morte, infelizmente!

  6. luciano conceição da paz disse:

    Meu amigo Jaime,o que mantêm a religião,não é o conhecimento e sim a fé.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *