Início » Brasil » O fascismo politicamente correto
Em nome do 'bem-geral'

O fascismo politicamente correto

Uma patrulha ideológica, de gente 'do bem', acredita que deve filtrar toda a linguagem, as imagens, tudo em nome do 'bem-geral'

O fascismo politicamente correto
Essa gente quer tudo igual e não tolera nada diferente (Fonte: Reprodução)

Eu tenho sido um grande crítico da ditadura velada do politicamente correto, pois considero essa uma das maiores ameaças à liberdade nos tempos modernos. Uma patrulha ideológica, de gente “do bem”, acredita que deve filtrar toda a linguagem, as imagens, tudo em nome do “bem-geral”. São almas sensíveis que descobriram o poder que têm e querem moldar o mundo à sua imagem acovardada. Em nome da diversidade e da tolerância, essa gente quer tudo igual e não tolera nada diferente.

Por isso é bem-vinda a manifestação de Walcyr Carrasco na revista Época, em artigo justamente sobre o tema. Ele, que é autor da principal novela da TV Globo no momento, sabe muito bem como é a pressão da patrulha politicamente correta. É uma turma organizada, que em nome das “minorias” deseja pautar tudo, controlar tudo. Isso é um perigo! Seguem trechos do artigo de Walcyr Carrasco:

Vivo numa democracia. Como escritor, é difícil ter certeza disso. Acho que todo artista em algum momento teve a mesma sensação. Pessoas comuns também. A proibição em torno do que deve ser ou não falado é de lascar. As crianças são usadas como pretexto para proibições que nada têm de democráticas. Existe o veto claro, por meio de leis batalhadas pelas ONGs que se dizem bem-intencionadas. Mas também o realizado por grupos, professores e até pais de alunos que, eventualmente, criam situações constrangedoras para os mestres.

[…]

Professores cedem à pressão. Escolhem livros que não ofereçam riscos de reclamação. Da mesma maneira, o Estatuto da Criança e do Adolescente proíbe colocar as crianças em situações constrangedoras. Aqui no Brasil, seria impossível filmar O exorcista, já que a menina possuída pelo demônio vive situações de violência. Outro dia, estive num debate em que, como sempre, a televisão foi duramente atacada.
– Como vocês podem mostrar situações de violência? E as crianças?

Resolvi falar das histórias de fadas:

– Joãozinho e Maria são abandonados pelos pais numa floresta. Atraídos pela bruxa má, Maria se torna escrava doméstica e Joãozinho é preso em cárcere privado, para engordar. Será, então, devorado pela bruxa. Engana a canibal e mostra um ossinho de frango no lugar do dedo, para fingir que continua magro. Finalmente, ela resolve assá-lo. Com a ajuda de Maria, Joãozinho empurra a bruxa para dentro do forno. Apoderam-se de suas riquezas e voltam para os pais, que os recebem felizes.

[…]

As ONGs e os defensores do politicamente correto se apoiam em questões que julgam ser objetivas. Dividem o mundo entre bom e mau. Confundem o que é complexo com o nocivo. Mesmo a Cinderela, tão querida do público infantil, não pode passar por uma interesseira, que se casa baseada no status do príncipe? Hummm… mas a questão é que esse é um conto de formação, que novamente lida com a rejeição e a existência de qualidades intrínsecas ao ser humano, aquelas que sobressaem mesmo quando negadas. O inconsciente não funciona como uma receita de bolo, em que determinados ingredientes levam aos mesmos resultados. É um sistema complexo e simbólico. Vivenciar a realidade por meio da ficção é uma preparação para a vida adulta e para este mundo, que não anda nada fácil.

[…]

Estruturar o mundo por meio do politicamente correto é criar proibições que afetam as obras artísticas. Mais que isso, as relações com as crianças. De que adianta criá-las numa redoma, se o mundo lá fora está cheio de lobos maus e um dia será preciso enfrentar alguns deles?

Antes eu achava que o “politicamente correto”era apenas uma grande bobagem. É mais sério: tornou-se um exercício de controle, travestido de boas intenções. Sob a capa de democrático, revive anseio por um mundo autoritário e, por que não dizer, fascista.

* Rodrigo Constantino é presidente do Instituto Liberal

Fontes:
Instituto Liberal - O fascismo politicamente correto

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Gabriel Lopes disse:

    100% de acordo. Abaixo a caretice intelectual, é uma espécie de ignorância muito perigosa!

  2. Loira disse:

    Muito bom.. embora eu tenha o Blog Loira Dobem, risos, farei um adendo, eu sou contra a patrulha da censura, do politicamente correto, o do bem, no meu caso, intrinsecamente está correlacionado, com repensar, de que ser do bem, estar consciente de sua posição dentro do contexto social, a favor do livre pensamento. ! Um abraço!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *