Início » Brasil » O papel crucial da 3G Capital na fusão Heinz-Kraft
Negócios

O papel crucial da 3G Capital na fusão Heinz-Kraft

Tida como uma 'milagreira' do setor de negócios, a 3G, de Jorge Paulo Lemann, tornou possível a aposta do investidor americano Warren Buffett

O papel crucial da 3G Capital na fusão Heinz-Kraft
A 3G tem experiência em comprar empresas órfãs e opera com o chamado ‘orçamento de base zero’ (Reprodução/Internet)

Na última quarta-feira, 25, a Kraft Foods foi comprada por US$ 50 bilhões pela H. J. Heinz, empresa controlada pela privety equity 3G Capital, de Jorge Paul Lemann, e pela  Berkshire Hathaway, do investidor americano Warren Buffett.

Leia mais: Saiba quem foram Heinz e Kraft
Leia mais: Anunciada a fusão entre Kraft Foods e Heinz, do brasileiro Jorge Paulo Lemann

A compra da Kraft, que tem um histórico turbulento de gestão, não reflete o estilo de Buffett, conhecido por escolher com cautela suas aquisições. No entanto, a parceria com 3G Capital tornou essa aposta possível.

A empresa de Lemann é tida é considerada uma espécie de “milagreira” do setor de negócios. Em 2013, ela se juntou a Berkshire para comprar a Heinz. Cada empresa ficou com 50% da nova aquisição.

A nova parceria também terá uma estrutura bem definida. Com o dinheiro de seus donos, a Heinz comprou a Kraft. Com o acordo, tanto a Heinz quanto a Berkshire  ficaram com 25% da nova fusão. Os 50% restantes foram divididos entre os demais acionistas. A cúpula da Heinz comandará a empresa, que terá como presidente Alex Behring, um dos fundadores da 3G.

A seu favor, a Berkshire também tem o fato de que a 3G tem experiência em comprar empresas órfãs. Além disso, ela opera com o chamado “orçamento de base zero”, que consiste em estabelecer recursos mínimos para a empresa atingir suas metas, sem gastos desnecessários. Foi dessa forma que a 3G trabalhou para criar a AB Inbev, a maior cervejaria do mundo. Além disso, desde que a 3G assumiu o comando da Heinz o lucro operacional da empresa subiu 8%.

Buffett e Lemman estão apostando alto ao investir na Kraft. No ano passado, a empresa gerou míseros 4% de retorno financeiro. Para fazer a receita da Kraft aumentar, será preciso expandir suas vendas para fora dos Estados Unidos, fazendo dela uma marca global.

No entanto, ainda há outra questão. Buffett tem na Heinz-Kraft seu maior investimento, cerca de US$ 110 bilhões. Mas ele tem 84 anos e não poderá administrá-lo por muito tempo. Ainda não está claro como esse investimento será administrado posteriormente. Talvez essa seja uma questão para o ainda não definido sucessor de Buffett. Claro que também há outra solução. Levando em conta a admiração de Buffet pela 3G e seus donos, ele poderia entregar a eles o controle da Berkshire após sua morte.

Fontes:
The Economist-A big bite

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *