Início » Brasil » O que Ronald Biggs e o caso Pasadena têm em comum
Escândalo na Petrobras

O que Ronald Biggs e o caso Pasadena têm em comum

O célebre assaltante de trens inglês deve estar se revirando de inveja da Petrobras

O que Ronald Biggs e o caso Pasadena têm em comum
Bem mais notável que o assalto de Biggs ao trem postal inglês foi o assalto aos cofres da Petrobrás com a operação Pasadena (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O famoso Ronald Biggs, que se celebrizou pelo assalto ao trem postal Glasgow – Londres em 1963 na Inglaterra, e depois passou longos anos no Brasil, era um fichinha. O golpe rendeu à época 2,6 milhões de libras algo que, mesmo corrigido, não passa a valores de hoje de 20 milhões de reais.

Leia também: Justiça americana rechaçou ‘jeitinho’ da Petrobras
Leia também: Quatro escândalos que mancharam a imagem da Petrobras
Leia também: Processo de avaliação para compra de refinaria durou apenas 20 dias

Bem mais notável foi o assalto aos cofres da Petrobrás com a operação Pasadena. A compra da refinaria de Petróleo custou um total de US$1,2 bilhão ou qualquer coisa perto de R$3 bilhões, e não chega a valer 10% disto. Arredondando é quase 150 vezes o valor do alcance de Ronald Biggs.

Tanto quanto a arremetida ao comboio dos correios de Sua Majestade Britânica, o avanço ao caixa da petroleira foi meticulosamente planejado. A diferença está nas sutilezas e ferramentas utilizadas. Uma coisa é estudar um trajeto, verificar as rotas de fuga, parar um trem e saqueá-lo sob a mira de armas de fogo. Outra é montar uma intrincada engenharia societária envolvendo filigranas jurídicas de compreensão bem mais complexa do que simplesmente sacar um revólver. Afinal de contas, no mundo dos negócios, foi necessário aparentar sofisticação, o que apenas disfarçava o objetivo de acessar os recursos da empresa.

Foram análises técnicas apressadas, prazos urgentes, contratos obscuros, cláusulas nebulosas, e até uma suposta e insanável divergência societária que, por certo, estava também previamente combinada para produzir o resultado pretendido.

A quadrilha de Biggs contava 15 membros para dividir o butim. A de Pasadena deve ser maior, mas o montante do roubo é muito superior. São conselheiros, diretores, gerentes, políticos, advogados, consultores, analistas, todos regiamente recompensados, alguns por dentro, mediante prestação de serviços profissionais e os principais por fora, em contas numeradas de paraísos fiscais.

O célebre assaltante inglês deve estar se revirando de inveja em seu túmulo no Reino Unido. Teria sido menos arriscado e mais proveitoso participar da gangue de Pasadena do que do bando que saqueou o trem postal.

*Ney Carvalho é historiador e escritor

Fontes:
Instituto Liberal - Ronald Biggs e Pasadena

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *