Início » Brasil » Operação da PF mira setor de transportes do Rio
OPERAÇÃO CADEIA VELHA

Operação da PF mira setor de transportes do Rio

Ex-presidente da Fetranspor, Lélis Teixera, e o empresário Jacob Barata Filho tiveram prisão preventiva decretada

Operação da PF mira setor de transportes do Rio
O nome Operação Cadeia Velha é uma referência ao prédio histórico da Alerj (Foto: Wikimedia)

Nesta terça-feira, 14, a Polícia Federal realiza a Operação Cadeia Velha, que apura a existência de uma organização criminosa no setor de transportes públicos, que atuava com apoio de parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Acredita-se que a organização criminosa tenha movimentado mais de R$ 200 milhões em propina. O ex-governador Sérgio Cabral é suspeito de liderar o esquema.

Leia também: No Rio, é o Barata que pisa com um Pezão enorme
Leia também: Malandro é o Barata, que assim tem mais lucro

No total, há 6 mandados de prisão preventiva, 4 mandados de prisão temporária, 4 conduções coercitivas e 35 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 2° Região. A operação é feita nos municípios do Rio de Janeiro, Saquarema, Volta Redonda e Uberaba/MG.

Entre os investigados com prisão preventiva decretada, estão Lélis Teixera (ex-presidente da Fetranspor), o empresário Jacob Barata Filho, José Carlos Lavouras (ex-presidente do Conselho de Administração da Fetranspor), Jorge Luiz Ribeiro (braço direito do presidente da Alerj), Carlos Cesar da Costa Pereira (empresário do ramo de tubos de concreto) e Andreia Cardoso do Nascimento (chefe de gabinete do deputado Paulo Melo).

Lélis Teixeira, José Carlos Lavouras e Jacob Barata Filho foram alvos da Operação Ponto Final, deflagrada em julho. Em agosto, eles foram libertados por liminar do ministro Gilmar Mendes. O ministro foi padrinho de casamento da filha de Barata Filho, Beatriz Perissé Berat, em 2013, o que gerou polêmica na decisão de Gilmar de liberar Jacob Barata por conta da proximidade entre o juiz e o acusado.

Entre os alvos de prisão temporária, estão Felipe Picciani (filho do presidente da Alerj), Ana Claudia Jaccoub, Marcia Rocha Schalcher de Almeida e Fabio Cardoso do Nascimento.

Felipe Picciani é suspeito de lavagem de dinheiro de propina a partir de empresas de negócios agropecuários que têm em sociedade com seu pai. O Ministério Público Federal recebeu a informação a partir da delação premiada do doleiro Álvaro José Novis.

Segundo o Ministério Público Federal, a investigação apura o uso da presidência e outros postos da Alerj para a prática de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A operação também tem como alvo o deputado Edson Albertassi (PMDB), que é líder do governo na Alerj e indicado pelo governador Luiz Fernando Pezão para o Tribunal de Contas do Estado (TCE). O deputado Paulo Mello, que foi secretário de governo na gestão de Pezão, também deve ser levado para prestar depoimento.

O nome Operação Cadeia Velha é uma referência ao prédio histórico da Alerj. A Receita Federal também ajudou nas investigações.

Fontes:
Congresso em Foco-PF cumpre mandados de prisão contra filho de Jorge Picciani e Jacob Barata
PF-PF desarticula grupo criminoso que atuava no setor de transportes no RJ
O Globo-'Cadeia Velha': PF cumpre mandado de prisão contra filho de Picciani e empresários de ônibus

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Markut disse:

    Será a Inteligência Artificial capaz de modificar a natureza humana e impedir que “o homem continue sendo o lobo do homem”, como já pensava Plauto e depois Thomas Hobbes?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *