Início » Brasil » Operadoras de saúde investem em programas antitabagismo
Saúde

Operadoras de saúde investem em programas antitabagismo

Programas das operadoras de saúde tentam prevenir gastos futuros

Operadoras de saúde investem em programas antitabagismo
Programa seria uma espécie de economia preventiva, já que o valor é inferior à despesa que a operadora teria com o tratamento de um câncer de pulmão, por exemplo (Foto: Pixabay)

As operadoras de saúde têm tentado atrair seus clientes para programas antitabagismo por estarem preocupadas com os custos de tratamentos de doenças graves causadas pelo cigarro. Com investimento relativamente baixo, as empresas vêm ampliando a iniciativa e tentando novas formas de fazer o fumante aderir ao projeto.

A Amil, que é a segunda maior operadora de saúde do país com quatro milhões de beneficiários, investe cerca de R$ 300 por paciente em um programa com consultas individuais ou em grupo e monitoramento remoto. O programa seria uma espécie de economia preventiva, já que o valor é inferior à despesa que a operadora teria com o tratamento de um câncer de pulmão, por exemplo, uma das principais doenças associadas ao tabagismo. Um paciente com a doença custa ao plano entre R$ 200 mil e R$ 400 mil por ano.

Criado em 2012, mais de cinco mil clientes da operadora aderiram ao programa desde então, média de 130 adesões mensais. Atualmente, 400 pacientes procuram o serviço por mês. “Esse programa é interessante para todos: para o paciente, que vai evitar uma patologia no futuro; para o médico, que terá um paciente com melhor condição clínica e mais qualidade de vida, e para a operadora, que tem um beneficiário mais saudável e um custo mais adequado”, diz José Luiz Cunha Carneiro Junior, diretor técnico da Amil.

Fontes:
O Estado de S. Paulo-Planos tentam fazer cliente deixar cigarro

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *