Início » Brasil » Os benefícios do presidente da Câmara
Casa, carro, jatos...

Os benefícios do presidente da Câmara

O posto de presidente da Câmara é considerado um dos mais poderosos da República

Os benefícios do presidente da Câmara
Casa tem 800 metros quadrados (Fonte: Reprodução/Uol)

Quem ocupa o disputado cargo de presidente da Câmara dos Deputados tem direito a alguns benefícios — e não são poucos.

Além do salário de R$ 33,7 mil, o presidente da Câmara tem à disposição uma casa de 800 metros quadrados com todas as despesas pagas, carro oficial com dois motoristas, jatos para viagens a trabalho ou para voltar para casa e ainda R$ 4,2 milhões por ano para pagar até 47 funcionários.

A eleição para definição do novo presidente será no próximo dia 1º de fevereiro. Neste ano, a disputa está bastante acirrada entre Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Arlindo Chinaglia (PT-SP), Júlio Delgado (PSB-MG) e Chico Alencar (PSOL-RJ).

O posto de presidente da Câmara é considerado um dos mais poderosos da República. Além do gabinete como deputado federal, o presidente da Casa também tem direito a um gabinete exclusivo, com instalações mais amplas e com vista para a Praça dos Três Poderes, em Brasília.

O presidente também pode viajar em aviões da FAB por motivo de segurança e emergência médica, viagens a serviço e descolamento para o local de residência permanente. Caso opte por viajar em avião de carreira, a despesa será paga pela Câmara.

Além dos R$ 4,2 milhões disponíveis por ano para contratar até 47 funcionários, cabe lembrar que todos os deputados já têm direito a 25 funcionários e a uma verba de R$ 78 mil mensais. Isto significa que, na prática, o presidente da Câmara tem direito a um total de 72 funcionários, que custam aos cofres públicos R$ 5,2 milhões anuais.

Fontes:
Uol - Casa, carro e 47 funcionários: conheça os benefícios do presidente da Câmara

2 Opiniões

  1. Isam disse:

    País rico é outra coisa??? Enquanto o povão com um salarião de R$788,00 morrem nos corredores de hospitais, assaltados em qualquer lugar e perdem suas moedas que eram para pagar a passagem de ônibus (confortável), etc, etc.

  2. André Luiz D. Queiroz disse:

    Isso é o tal ‘patrimonialismo’ a que se referem estudiosos do assunto; o trato da coisa pública como se privada fosse (sem trocadilho!). É imperativo que a sociedade pare de tolerar esses abusos! É preciso dar um ‘basta’, com ações afirmativas — eu sou a favor até mesmo atos de desobediência civil que limitem a arrecadação de impostos!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *