Início » Brasil » Os médicos cubanos não são culpados
Mais Médicos

Os médicos cubanos não são culpados

Médicos cubanos foram hostilizados em ação organizada pelo Sindicato dos Médicos do Ceará nesta segunda-feira

Os médicos cubanos não são culpados
Médicos cubanos foram vaiados, hostilizados e chamados de 'escravos' por médicos brasileiros (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Fiquei bastante chocado com a imagem de médicos cearenses xingando e protestando contra a chegada dos médicos cubanos ao Brasil nesta segunda-feira, 26, em Fortaleza. Os imigrantes chegaram sendo hostilizados e chamados de incompetentes, em ação organizada pelo Sindicato dos Médicos do Ceará.

Leia também: A realidade dos médicos no Brasil

Essa atitude apenas reforça a minha visão sobre o caso, exposta no post “Programa ‘menos médicos’ no Brasil é praticado há anos“, onde afirmei que “durante anos, houve uma agenda governamental bem definida, numa parceria entre Ministério da Educação e Conselho Federal de Medicina, para diminuir o número de vagas nos cursos de medicina e de profissionais formados, aumentando assim, artificialmente, os salários de toda a classe médica brasileira”.

Continuei afirmando que “a intervenção ‘CFM-MEC’ levou, na verdade, a uma escassez de médicos e a uma menor qualidade do serviço em geral, pois quanto maior a competição, maior a necessidade de eficiência e especialização, e que, portanto, essa abertura governamental ao serviço médico estrangeiro é uma conseqüência direta da intervenção indevida do lobby do CFM no mercado acadêmico brasileiro de medicina”.

No mesmo artigo, tinha comentado que a maior parte do salário desses profissionais acabaria nas mãos do regime opressor cubano, e isso é que temos que destacar. Nós temos que distinguir os vilões dessa história: o governo brasileiro, o CFM e o governo cubano.

Já os médicos cubanos são apenas vítimas de um sistema autoritário que limita sua prática e sua liberdade. Eles estão aqui sem poder ter exercido o direito de escolha. Mesmo os que para cá vieram voluntariamente, foram impedidos de trazer as famílias. Por fim, ainda tem a maior parte do seu salário roubado pelos seus senhores/donos: os membros do governo cubano.

Se nosso sistema de saúde fosse um livre-mercado de verdade, quem acabaria atendendo as pessoas pobres do interior do Brasil seria mesmo os médicos vindo de países periféricos, que ganham mal e vivem pior ainda nos seus países de origem, só que com os seus salários pagos pelas pessoas do interior, e não pelo governo central, às custas de toda a nação.

Sem que a população local fosse obrigada a pagar pedágio para o politburo da terra natal do médico, o seu custo seria bem pequeno.

O que está acontecendo aqui não é muito diferente do que acontece em qualquer fluxo migratório do mundo: pessoas menos qualificadas de países periféricos indo para países mais avançados para fazer os serviços que os nativos não querem fazer. A única diferença é que tem um estado brasileiro envolvido patrocinando esse fluxo, quando na verdade o que ele tinha e fazer era simplesmente se manter inerte, sem chamar médicos de fora, mas sem impedí-los de atuarem aqui. O mercado resolveria a situação sozinho.

Precisamos encontrar um discurso consistente com a liberdade, e isso passa por não vilanizar as vítimas cubanas que estão vindo fazer um trabalho que os médicos brasileiros não querem fazer.

 

Fontes:
Instituto Liberal - Os médicos cubanos não são culpados

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. LENA disse:

    EPA! Que “que os médicos brasileiros não querem fazer”, virgula! QUE OS MEDICOS BRASILEIROS NAO TEM CONDICAO DE FAZER!

  2. helo disse:

    Parabéns Lena pela observação fundamental. Médicos brasileiros existem e querem trabalhar. O que falta são as condições. Não sei o que tramou o governo federal e o CFM, mas segundo a AMB estamos com um número crescente de médicos. O governo Lula informou que havia um excesso de médicos. O governo Dilma informa que que temos carência de médicos. Qual a verdade? A que sei é que existem unidades de saúde que não dispõem nem de banheiro. Talvez por esta razão os médicos do programa MM foram alocados em grande número em SP e periferia. Existem unidades sem condições nem para um atendimento paramédico. Esse programa não veio para resolver nenhuma falta de médicos, só durará 6 meses. Segundo todos os conselhos de medicina ele é curto, caro e de má qualidade. Serve para iludir a população revoltada, para encobrir as falhas graves do governo. Surdo às críticas e sem saber como mostrar serviço no curto prazo eleitoral, o governo covarde e vergonhosamente transfere a sua culpa para os médicos e apresenta esse programa factóide. Conselhos e profissionais que trabalham no serviço público conhecem a inconsistência e equívocos das ações do governo, o encurtamento do orçamento do ministério, a deterioração e o descaso crescente de suas unidades. O médico e os outros agentes de saúde trabalham com sacrifício e suportam o estresse das péssimas condições oferecidas, às vezes até nenhuma.

  3. helo disse:

    A propósito, os médicos cubanos não são os culpados. O vilão é o governo federal. Curiosamente, a vaia injusta aos cubanos que ocorreu no Ceará foi liderada pelo sindicato filiado a CUT amiga do governo. É muita manipulação.

  4. Samuel disse:

    A vinda de médicos cubanos só vem confirmar a incompetência do (des) governo brasileiro, bem como o acerto do governo cubano quanto ao investimento social, pois aqui no Brasil a maioria dos médicos não passam de mercenários, até porque tudo, absolutamente tudo, no mundo capitalista é tratado como mercadoria, inclusive a saúde pública. Não fosse a avareza de nossos compatriotas em ceder auxílio ao próximo não seria necessário a vinda dos cubanos. Por outro lado os críticos e lacaios agora hostilizam àqueles que vem nos socorrer, mas até entendo esse comportamento símio, tendo em conta que a classe médica abastada já usufrui de tudo aquilo que o dinheiro pode oferecer, mesmo que isso implique na omissão de socorro e negligência médica, causando inúmeras vítimas Brasil afora, pois há muito já escolheram o seu partido que, por sinal, só representa a eles mesmos.

  5. Mauricio Fernandez disse:

    Mas que feio! Inaceitável a atitude dos médicos hostilizando os colegas cubanos que são os menos culpados nesse circo. Não tem como negar o desamparo da população em determinadas regiões. Não tem como negar a baixa qualidade de ensino em todos os níveis. Não tem como negar o desmonte do sistema de saúde que resultou no caos que estamos observando. Não tem como negar a culpa do governo em tudo isso. Entretanto não podemos aceitar a atitude desses médicos a não ser que sejam aqueles mesmos de classe média alta ou rica e que aprenderam medicina em bonecos de borracha.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *