Início » Brasil » Os melhores livros de economia de 2012
Melhores de 2012

Os melhores livros de economia de 2012

Economistas indicaram os melhores livros sobre o assunto

Os melhores livros de economia de 2012
Indicações dos economistas querem ajudar na decisão do leitor (Reprodução/Exame.com)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Com o lançamento de diversos livros de economia este ano, é difícil escolher, comprar e ler o melhor. Para ajudar na decisão do leitor, a revista Exame listou as indicações dos economistas Maílson da Nóbrega, da Tendências Consultoria, do economista-chefe do Bradesco Octavio de Barros, do presidente da Ricam Consultoria Ricardo Amorim e do chefe de pesquisa para mercados emergentes do Nomura, Tony Volpon. Veja abaixo as indicações deste grupo dos melhores livros de economia lançados em 2012.

1 – “Por que as nações fracassam – as origens do poder, prosperidade e pobreza”, de Daron Acemoglu e James A. Robinson (Campus/Elsevier)

“Por que as nações fracassam – as origens do poder, prosperidade e pobreza” (Reprodução/Exame.com)

A obra analisa o motivo de alguns países serem ricos enquanto outros são pobres. O que determina o sucesso econômico, para os autores, são as instituições políticas e econômicas criadas pelo homem.  O livro baseia-se em 15 anos de pesquisas e cita exemplos do Império Romano, cidades-estado Maias, União Soviética, Estados Unidos e muitos outros. “O leitor se verá guiado em um passeio sobre os motivos que trouxeram a humanidade até aqui, com destaque para os êxitos e os insucessos de distintas nações”, afirmou Maílson.

2 – “Além da euforia – Riscos e lacunas do modelo brasileiro de desenvolvimento”, de Fabio Giambiagi e Armando Castelar Pinheiro (Elsevier)

“Além da euforia – Riscos e lacunas do modelo brasileiro de desenvolvimento” (Reprodução/Exame.com)

O livro aborda o desenvolvimento econômico brasileiro e defende que existem sinais preocupantes em relação à economia do país.  “Os autores mostram que, por detrás do sucesso da economia brasileira dos últimos anos, existem problemas preocupantes. Se não equacionados e resolvidos, poderão piorar o já complicado quadro de baixa produtividade e baixo crescimento e conduzir o Brasil a um novo ciclo de estagnação”, declarou Maílson.

3 – “Rápido e devagar: duas formas de pensar”, de Daniel Kahneman (Objetiva)

“Rápido e devagar: duas formas de pensar” (Reprodução/Exame.com)

O livro explica as duas formas de pensar: a rápida, intuitiva e emocional e a mais lenta, deliberativa e lógica. O autor revela o peso das impressões intuitivas nas nossas decisões. As questões colocadas pelo autor incluem o questionamento sobre o sucesso dos investidores: se é fruto de talento ou um feito completamente aleatório. O autor também aponta quando podemos ou não confiar em nossa intuição. O volume está entre os indicados de Octavio de Barros.

4 – “A nova geografia dos empregos” (tradução livre), de Enrico Moretti (Houghton Mifflin Harcourt)

“A nova geografia dos empregos” (Reprodução/Exame.com)

Henrico Moretti narra em sua obra a redistribuição geográfica dos empregos nos Estados Unidos. Segundo ele, o movimento beneficia centros de inovação, como São Francisco e Boston. A cada emprego inovador criado em uma cidade, outros cinco “convencionais” são criados, com maiores salários. O livro baseia-se em uma pesquisa sobre os arranjos produtivos de empresas de alta tecnologia nos Estados Unidos.

5 – “O sinal e o ruído: por que tantas previsões falham,mas algumas não” (tradução livre), de Nate Silver (Penguim)

“O sinal e o ruído: por que tantas previsões falham,mas algumas não” (Reprodução/Exame.com)

O tema desta obra ganha peso quando se lembra as previsões do autor Nate Silver, jornalista do New York Times, para as eleições norte-americanas. “Não é um livro só de economia, e sim um livro sobre a ciência e arte de fazer previsões”, explica o chefe de pesquisa para mercados emergentes do Nomura, Tony Volpon. Silver investiga como se pode distinguir sinais verdadeiros em um universo de dados confusos. Para ele, o excesso de confiança é, geralmente, o motivo da ruína de muitas previsões.

 

6 – “Consequências não-intencionais: por que tudo que lhe falaram sobre economia está errado” (tradução livre), de Edward Conrad (Penguin)

"Consequências não-intencionais: Porque tudo que lhe falaram sobre economia está errado" (Reprodução/Exame.com)

Tendo como base a atual crise financeira, o autor apresenta uma explicação sobre como a economia funciona, o que deu errado no passado e o que deve ser feito para voltar a crescer. “Critica muito bem essa visão anti-mercado que ficou muito popular depois da crise”, declarou Volpon.

Fontes:
Exame.com-Os melhores livros de economia do ano

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *