Início » Brasil » Partido Novo suspende filiação de Ricardo Salles
POR RISCO À IMAGEM DO PARTIDO

Partido Novo suspende filiação de Ricardo Salles

Medida é temporária e foi tomada pela Comissão de Ética do Novo por conta de risco à imagem do partido

Partido Novo suspende filiação de Ricardo Salles
Ação contra ministro foi movida em agosto (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Comissão de Ética do Partido Novo decidiu na última quinta-feira, 31, suspender a filiação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A medida é temporária e permanece até que uma ação movida contra Salles seja julgada.

No último mês de agosto, o deputado estadual Chicão Bulhões (Novo-RJ), juntamente com outros dois integrantes da sigla, pediu o afastamento de Salles do partido até que seja definida a possibilidade de expulsão. Bulhões apontou a “postura inadequada” e o “histórico de constrangimento” causados por Salles. Com base no pedido, o Novo suspendeu a filiação.

“O Novo informa que a Comissão Nacional de Ética Partidária, no exercício de suas atribuições, conforme determina o Estatuto do Novo nos artigos 19 e 72, inciso V, suspendeu, em caráter liminar, a filiação do Sr. Ricardo de Aquino Salles, conforme previsto no § 2º, alínea ‘b’ do art. 21 do Estatuto, até o julgamento final da denúncia apresentada perante a comissão”, revelou o comunicado do Novo, segundo compartilhado por Bulhões nas redes sociais.

O trecho do estatuto citado pelo Partido Novo prevê a suspensão, em caráter liminar, quando ocorre “risco de dano grave e de difícil reparação à imagem e reputação do Novo”, segundo exposto no documento da legenda.

Salles ainda não se posicionou sobre a suspensão da sua filiação ao partido. O ministro afirmou que falará sobre o assunto em uma entrevista ao vivo, que será realizada nesta sexta-feira, 1, em uma rádio.

Ainda em agosto, o Novo já havia se distanciado de Salles. No auge das queimadas na região da Amazônia, a legenda esclareceu, através de uma nota, que o ministro não foi uma indicação do partido, mas uma escolha do presidente Jair Bolsonaro.

“Não há qualquer interferência ou participação do partido na gestão do Ministério do Meio Ambiente. O ministro não mantém nenhum contato com o partido quanto aos seus planos, metas e objetivos para a Pasta. Só temos conhecimento das suas ações quando divulgadas publicamente”, esclareceu a nota do Partido Novo na época.

Somada às críticas a Salles sobre a atuação nos incêndios da Amazônia, pesa atualmente contra o ministro o desastre do derramamento de óleo no litoral nordestino, que completou dois meses na última quarta-feira, 30. Salles tem sido constantemente criticado pela maneira de lidar com a situação.

Ademais, confrontos entre Salles e a ONG Greenpeace se tornaram frequentes. Na última quarta-feira, a entidade decidiu acionar o ministro no Supremo Tribunal Federal (STF) por crimes de difamação. Isso porque Salles já classificou os ativistas do Greenpeace como “terroristas”, “ecoterroristas” e tentou relacioná-los ao derramamento de óleo no litoral nordestino.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. CIRO DOMINGOS FERREIRA disse:

    novo lixo

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *