Início » Brasil » Pelo menos um ramo industrial permanece forte no Brasil
Governo Dilma

Pelo menos um ramo industrial permanece forte no Brasil

Até quando permitiremos que o governo continue transferindo recursos da combalida indústria produtiva nacional para a imoral indústria da seca?

Pelo menos um ramo industrial permanece forte no Brasil
Com a nova seca, Dilma anunciou a liberação de R$ 9 bilhões para medidas assistencialistas (Reprodução/Internet)

O jornal Valor Econômico publicou na última quarta-feira, 3, a notícia de que o setor industrial teve queda em praticamente todos os setores e que, no total, teve uma retomada inferior à projetada pelo governo após o catastrófico ano de 2012. Mas um setor industrial brasileiro histórico continua firme e forte: a indústria da seca.

A Presidente Dilma tem ido constantemente ao Nordeste para fazer campanha à custa do erário público. Com a nova seca, anunciou a liberação de verbas no montante de nove bilhões de reais para medidas emergenciais, ou seja, para assistencialismo, enquanto não se vê dinheiro de verdade aplicado em infraestrutura. A maior parte desse dinheiro acaba ficando no bolso dos “companheiros” do PT, enquanto que a parte que sobra acaba aplicada em problemas de curto prazo, que no ano seguinte reaparecem ainda mais gravemente.

Está na hora de revermos a política brasileira para o Nordeste, desobstruindo os trâmites burocráticos e reduzindo o poder do Estado para que a iniciativa privada pesquise e descubra meios mais eficientes e produtivos de exploração da terra nordestina, gerando riqueza, emprego e lucros para toda a sociedade, inclusive para os pobres moradores locais.

Até quando permitiremos que o governo continue transferindo, através de impostos, os recursos da combalida indústria produtiva nacional para a imoral indústria da seca?

 

Fontes:
Instituto Liberal - Pelo menos um ramo industrial permanece forte no Brasil

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

16 Opiniões

  1. helo disse:

    É a indústria da compra de votos.

  2. Luiz Carlos Braga de Camargo disse:

    Quando tinha lá meus seis ou sete anos ouvia meu pai falar sobre o nordeste exatamente a mesma coisa que se fala hoje quando estou para completar não seis ou sete mas, sessenta e sete anos. O Nordeste sempre foi um filão para o bando de políticos e coronéis e pelo jeito vai continuar por muito tempo, coisas do Bananão.

  3. Joaquim Caldas disse:

    O IBAMA é competente para multar ou prender quem esteja criando 1 passarinho.Mas não tem capacidade para condenar o governo que negua água ao Nordeste matando sua fauna e sua flora.

  4. FJBTF disse:

    A resposta está com os políticos. A solução está com quem os elege. A eleição é ditada pela maioria. A maioria aprova o governo Dilma. Fim.

  5. olbe disse:

    Ela está fazendo uma campanha eleitoral descarada. Depois de um ano, as pessoas sem água, o gado todo morrendo e ela só agora foi ao nordeste dar dinheiro(que vai pro bolso do PT) e os pobres inocentes ainda acreditam…

  6. Marcia disse:

    Finalmente consegui ver escrito , datado e assinado um protesto sobre um dos mais graves problemas socio geo politico e ético desse maravilhoso País , nosso Brasil.
    Se qualquer um de nós percorremos as praças, os becos e as pontes grandes centros , poderemos constatar o triste cenário do resultado dessa lentidão e quiça descaso com o povo já tão sofrido do nordeste.
    Precisamos urgente , para ontem , iniciarmos um movimento em prol de uma solução definitiva e não paliativa para essa vergonha nacional.

  7. Roberto Rivelli disse:

    O bom da democracia é que se pode falar o que se quer.
    Quando um pai educa, uma das suas principais preocupações, é de não facilitar demais a vida dos filhos para que aprendam a trabalhar e vencer, mas sem deixar que passem dificuldades em demasia.
    Infelizmente a industria da seca manteve no poder muitos “coronéi’s”, que não construiram o PT, mas podem estar sendo ameaçado por um governo que trabalha pelo social,”apesar de já estar muito contaminado”.
    Tem é muita gente incomodada com este partido que em 10 anos investiu mais no social que os outros em 500 anos.
    Eu quero crer que a transposição do São Francisco possa ser concluída para diminuir esta necessidade de amparo. Deus queira que cheguemos lá.

  8. Andre Luiz D. Queiroz disse:

    @Roberto Rivelli,
    A proposta de transposição do Rio São Francisco é muito antiga — consta que já se falava nisso desde o Segundo Império — e até hoje é algo tecnicamente dificílimo, senão impossível, face o custo puro e simples, mais as consequências ambientais indesejáveis, ou mesmo imprevisíveis… Além disso, não é difícil prever que um empreendimento dessa monta seria ‘mel para as moscas’! É líquido e certo que ocorreriam superfaturamentos mil, atrasos e a mais atrasos do cronograma, e sabe-se lá quantos mais problemas/desvios/’mal feitos’.

    Para enfrentar o fenômeno climático da seca, não há porque partir para soluções ‘mirabolantes’ como essa proposta de transposição de um rio. Programas sérios de implantação de cisternas, açudes, e prospecção de lençóis freáticos (abundantes em grande parte do Nordeste, apesar de em grande profundidade) são muito mais plausíveis. Mas… só pra variar, pouco ou nada interessam à oligarquias!

    Quanto aos dez anos de governo petista: bem, a percepção dos acertos e erros do PT são controversas. Houve avanços em alguns campos. Mas, em outros, o PT está causando retrocessos sérios — por exemplo, com as proposta de ‘controle social da mídia’ (censura), e a sistemática ‘desconstrução’ da Lei de Responsabilidade Fiscal, isso para citar apenas 2 linhas desastrosas da ideologia petista…

    Eu penso assim.

  9. disse:

    Para falar de Nordeste, de seca, de sede, de fome e de esquecimento por aqueles que não sofrem com o problema que atinge toda região, é preciso conhecer de perto o flagelo daquele povo. Não precisaria de cisternas, barragens, açudes em tão grande quantidade se lá tivessem chuvas pontuais como nas demais regiões do Brasil. A dívida dos governos para com a região e seu povo é secular, agora dizer que a transposição do rio São Francisco é inviável pelas dificuldades que se apresentam, é ser desumano e não conhecer na pele o sofrimento de quem nem água para beber tem em seu rancho.
    Agora acredito que está mais próximo que nunca a solução do problema. Não interessam as dificuldades, os custos, se super faturados ou não, temos que transpor todos obstáculos, é operação de guerra pelo direito a vida. Já morei na região e conheço o sofrimento do povo.
    Até aceito a sátira do título da matéria; FELIZMENTE ESSA INDUSTRIA ESTÁ EM CRESCIMENTO. Graças a Deus!

  10. helo disse:

    Rivelli,
    Falar da injustiça social é muito importante para que o Brasil se dê conta de que esta é nossa questão central. Priorizar essa fala foi a virtude dos últimos 10 anos. E foi só, ficou concentrada nas palavras.
    Há 10 anos se repete que nunca se fez tanto pelo social. Não me convenceu. Sou a favor do Bolsa, não como ele é feito, e sim como o planejado. PAC, Fome Zero, Minha Casa foram mal planejados, mal executados e só eficientes nos palanques, que elegerão Dilma que penso ter feito até agora um governo desastroso.
    A vitória sobre a inflação, a melhor garantia no combate à miséria, e que consegue atingir os com e os sem o Bolsa, em 10 anos foi perdida. Há 15 anos prospecções de petróleo já apontavam um futuro promissor que a Petrobrás hoje desperdiça. Em 10 anos pouco se fez na educação, saúde, infraestrutura. o que de fato cresce é o governo, suas campanhas marqueteiras, e o toma lá dá cá.
    Penso como Andre Luiz sobre a transposição. Mas nem me preocupo, ficará só no anúncio e no discurso.

  11. Andre Luiz D. Queiroz disse:

    @Zé,
    Certamente que o habitante das capitais do Sul e Sudeste não tem a vivência do flagelo da Seca que o Nordestino tem. Mas longe de nós ser desumano! Nossa crítica está no fato de que tal projeto é ainda tecnicamente difícil (não impossível) e muito, muito caro! E, repito, isso sempre dá margens a mais erros do que acertos, quando se trata de projetos governamentais nesse país… Além disso, se concretizado o projeto ” integrando o Rio São Francisco às bacias do Nordeste Setentrional”, para benefício de “cerca de 12 milhões de pessoas” — implicará que “os estados de Minas Gerais e Bahia, juntos, precisam ceder 2% do volume de água do rio que banha suas regiões”. “O que se pede deles é uma renúncia hídrica, que deverá significar um futuro sacrifício em termos de desenvolvimento”.

    No texto acima coloquei entre aspas trechos que copiei do site pesquisado: http://www.planeta.coppe.ufrj.br/artigo.php?artigo=636 ; posso indicar ainda outros: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/transposicao-do-rio-sao-francisco/tranposicao-do-rio-sao-francisco-2.php, e também: http://empresasefinancas.hsw.uol.com.br/transposicao-sao-francisco4.htm ; se pesquisarmos, encontraremos várias outras referências, com argumentação a favor e contra da transposição.

    Entendo seu sentimento. Mas gostaria que entendesse que é justamente no fato de a Seca no Nordeste ser uma ‘indústria’ enriquecendo oligarcas que reside a razão de até hoje o problema jamais ter sido sanado! No recente ‘remake’ da novela Gabriela houve uma subtrama muito pertinente e exemplificativa: o Coronel Ramiro Bastos, intendente de Ilhéus e o produtor de cacau mais rico e poderoso da região durante anos, tem como inimigo político o empresário Mundinho Falcão, que vem empreendendo esforços para construir um porto em Ilhéus que permita aos produtores da região exportarem suas safras diretamente, sem ter de arcar com atravessadores que levam o cacau para Salvador. O Cel. Ramiro nunca teve interesse em modernizar a capacidade portuária de Ilhéus, por um motivo simples: Ele mesmo é o principal senão único atravessador, para quem todos os demais produtores pagam (sem saberem) pelo transporte do cacau! Ora, ele não quer perder essa boca!!… Aí a ironia dos créditos finais da novela: mesmo sendo um obra de ficção, qualquer semelhança com pessoas e fatos reais não é mera coincidência…!!

  12. helo disse:

    Conheço a tragédia da seca, desconheço a melhor solução. Comentaristas aqui e especialistas apontam outras opções que não a transposição.

  13. WILLIAM GURZONI disse:

    Eu acredito que o Brasil deveria investir no desenvolvimento social e nas qualidades basicas de infraestrura, em que o Brasil necessita ,a exemplo a seca do Nordeste , o Desenvolvimento Industrial e Social , alem do Turismo e Portos , Aeroportos, enfim , em qualidade de vida no progresso ao deenvovimento social , educacional e nacional.

  14. FILISBINO disse:

    Não tem jeito…enquanto a NOM ditar as regras é isso mesmo…não tem o que fazer…somos escravos desta condição…lembra que até Dom Frei Luís Flávio Cappio (Guaratinguetá, 4 de outubro de 1946) é um bispo católico brasileiro da Diocese de Barra, Bahia. Nos anos de 2005 e 2007 ganhou as manchetes dos jornais ao fazer duas greve de fome em protesto ao projeto do governo federal de transposição do Rio São Francisco. PODE ISSO????? VEJA BEM UMA AUTORIDADE por assim dizer fez greve de fome para a NÃO TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO….alguma maracutáia grande por detrás desta atitude….entre aspas…um religioso fez isso….e o povo???? Há o povo é um detalhe…..

  15. Marluizo Pires Cruz disse:

    De dois em dois anos o sistema de governo do País precisa de dinheiro para eleger os gorvenantes. Portanto o sistema precisa de alguma fórmula para manipular os problemas sem dar solução para de alguma forma angariar os fundos para a próxima eleição. Diante destes ciclos político os já passados 513 anos continua se renovando De dois em dois anos nos mesmos métodos do ramo industrial da política brasileira. Construindo um belíssimo estádio de futebol faltando água nas torneiras!

  16. olbe disse:

    VERGONHA!!!VERGONHA!!!! VERGONHA!!! POVO SOFRIDO, MOSTRE A SUA CARA! GRITE, nÃO SE CONFORME!!!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *