Início » Brasil » Pesquisa mostra que a miséria parou de cair no Brasil
Ipea

Pesquisa mostra que a miséria parou de cair no Brasil

Levantamento do IPEA mostra que em 2013 o número de indigentes no Brasil chegou a 10,45 milhões, um aumento de 3,7% em relação a 2012

Pesquisa mostra que a miséria parou de cair no Brasil
É a primeira vez que a miséria para de cair desde 2003 (Reprodução/Folha)

Um levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) revelou que em 2013 o número de indigentes no Brasil chegou a 10,45 milhões. O número representa um aumento de 3,7% em relação a 2012. De acordo com cálculos do instituto, é a primeira vez que a miséria no país para de cair.

O crescimento não é tão expressivo quanto os 10% apresentados em 2003. Mas a queda aguda da extrema pobreza dos últimos dez anos é o principal estandarte da presidente reeleita, Dilma Rousseff. Contudo, o abatimento da economia, a despeito dos programas sociais, ameaça interromper essa trajetória.

Segundo o Ipea, a lei eleitoral fez com que os resultados, que são baseados nas pesquisas do IBGE, não fossem publicados na ocasião de suas atualizações, em 30 de outubro.

Mas, em 2010, a divulgação dos resultados aconteceu pouco depois do primeiro turno das eleições, em 5 de outubro. Por conta dessa prorrogação, o diretor da área de estudos em políticas sociais colocou seu cargo à disposição.

Os resultados estão disponíveis no Ipeadata e, segundo eles, são considerados miseráveis quem não tem renda para uma cesta mínima de alimentos, conforme valores regionais. A extrema pobreza, com base na linha oficial de R$ 77 mensais por pessoa ainda não foi calculada.

Fontes:
Folha - Pela primeira vez, dados oficiais apontam que a miséria carou de cair

1 Opinião

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Não se pode confundir miséria com pobreza, essas definições são intencionalmente deturpadas. A pobreza está ligada à situação econômica; a miséria é doença da vontade, da alma. O pobre se ganhar dinheiro melhora a sua situação. O miserável gasta tudo e continua na mesma.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *