Início » Brasil » PF adiou por três anos a investigação sobre corrupção em Abreu e Lima
inquérito engavetado

PF adiou por três anos a investigação sobre corrupção em Abreu e Lima

Polícia Federal ignorou o inquérito por considerar que os crimes da Petrobras, uma empresa de capital misto, não eram de competência da esfera Federal

PF adiou por três anos a investigação sobre corrupção em Abreu e Lima
Enquanto o inquérito ficou parado, esquema de Youssef e Paulo Roberto Costa prosperaram (Reprodução/O Globo)

A Polícia Federal (PF) manteve engavetada por três anos o pedido de investigação sobre as suspeitas de superfaturamento de R$ 1,3 bilhão nos contratos da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

Leia mais: MPF aponta superfaturamento de R$ 613 mi em obras de Abreu e Lima
Leia mais: Paulo Roberto Costa irá depor sobre refinaria Abreu e Lima
Leia mais: Custo da Refinaria Abreu e Lima salta de US$ 2 bilhões para US$ 20 bilhões

O inquérito foi instaurado em fevereiro de 2011, mas só foi retomado em maio deste ano. No início do processo, a PF questionou se o caso era de competência da corporação. O principal argumento dos investigadores para não dar andamento ao processo era o fato da Petrobras ser uma empresa de capital misto. Sendo assim, os eventuais crimes ocorridos não eram da alçada da Justiça Federal, e não caberia à PF conduzir o inquérito.

Os investigadores ignoraram a recomendação do Ministério Público Federal (MPF) para dar andamento às investigações. Durante o período em que o inquérito permaneceu parado, o esquema de desvio de recursos e pagamento de propina comandado pelo doleiro Alberto Youssef e pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, prosperou. Laudos divulgados pela PF do Paraná mostram que, de 2011 a 2013, as empresas controladas por Youssef lucraram R$ 31,4 milhões.

O caso só voltou à PF em janeiro deste ano, quando a Justiça determinou a investigação sobre a existência de recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nas obras da refinaria.

Fontes:
O Globo-Abreu e Lima: PF adiou investigação por três anos

2 Opiniões

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    O inquérito foi instaurado em fevereiro de 2011, mas só foi retomado em maio deste ano. No início do processo, a PF questionou se o caso era de competência da corporação. O principal argumento dos investigadores para não dar andamento ao processo era o fato da Petrobras ser uma empresa de capital misto. Sendo assim, os eventuais crimes ocorridos não eram da alçada da Justiça Federal, e não caberia à PF conduzir o inquérito.” — Ora bolas!, se não eram da ‘alçada’ da PF, eram de quem? Da Interpol?!…
    Na boa, essa não cola!! A PF não deu continuidade a essa investigação em 2011, 2º ano do 1º mandato de Dilma Rousseff, porque: ou ‘instâncias superiores’ barraram a investigação (qual o grau de independência da Polícia Federal?…), ou porque a própria cúpula da PF achou melhor deixar pra mais tarde, num momento mais propício aos interesses da própria classe!
    É o que eu acho!!

  2. helo disse:

    Dinheiro do PAC foi para a refinaria?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *