Início » Brasil » PF inicia operação contra fraudes em fundos de pensão
OPERAÇÃO GREENFIELD

PF inicia operação contra fraudes em fundos de pensão

A operação ocorreu em oito estados e no Distrito Federal

PF inicia operação contra fraudes em fundos de pensão
O Ministério Público Federal, a Superintendência Nacional de Previdência Complementar e a Comissão de Valores Mobiliários deram auxílio técnico à operação (Foto: Polícia Federal)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Nesta segunda-feira, 5, a Polícia Federal (PF) deu início a Operação Greenfield em oito estados e no Distro Federal. O objetivo da operação é apurar crimes de gestão fraudulenta e temerária contra quatro dos maiores fundos de pensão do país: a Funcef, da Caixa Econômica Federal; a Petros, da Petrobras; a Previ, do Banco do Brasil; e a Postalis, dos Correios. A gestão fraudulenta envolve uma mentira como a produção de um documento falso ou a prestação de uma informação falsa, já a gestão temerária é quando o banco descumpre normas de cautela. Ou seja, ele pode ter emprestado mais do que deveria a um cliente já inadimplente, tomado riscos que as condições de mercado não aceitavam ou colocado em risco o patrimônio de seus clientes.

O Ministério Público Federal, a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deram auxílio técnico à operação. Um total de 127 mandados judiciais foi expedido pela 10ª Vara Federal de Brasília, sendo sete deles de prisão temporária, 106 de busca e apreensão e 34 de condução coercitiva nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Amazonas, além do Distrito Federal.

A justiça também determinou o sequestro de bens e bloqueio de ativos e de recursos em contas bancárias de 103 pessoas físicas e jurídicas no valor aproximado de R$ 8 bilhões. Segundo o G1, a PF cumpriu mandados em empresas como a JBS, Engevix, OAS e Wtorre. O ex-diretor da OAS, Léo Pinheiro, foi preso novamente. Ele já estava em prisão domiciliar pela Operação Lava Jato. A prisão preventiva desta vez foi decretada pelo juiz Sérgio Moro.

A ação é baseada em dez casos revelados a partir do exame dos déficits bilionários dos fundos de pensão. O nome da operação se refere ao jargão de negócios, que significa que o projeto ainda está no papel, já um projeto em operação é chamado de brownfield.

 

Fontes:
O Globo-Polícia Federal investiga crimes contra fundos de pensão
G1-Operação contra fraude em fundos de pensão leva PF a 8 estados e DF
O Globo-Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, é preso pela PF em São Paulo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Rene Luiz Hirschmann disse:

    A Máfia Brasileira esta por traz desses desfalques nas contribuições dos funcionários públicos para previdência dessas estatais, espero que não quebrem como a Varig, possivelmente não porque são estatais portanto blindadas, é só aumentar o percentual de contribuição e fica tudo no lugar, mafiosos ricos e com dinheiro suficiente para doar como pessoa física para novas campanhas políticas, viva nosso Brasil.

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    E o juiz Sergio Moro continua em ação, nem pense que ele vai descansar enquanto não prender LULA e Dilma.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *