Início » Brasil » PGR denuncia 26 suspeitos de fraudes no Ministério do Trabalho
OPERAÇÃO REGISTRO ESPÚRIO

PGR denuncia 26 suspeitos de fraudes no Ministério do Trabalho

Entre os denunciados está o presidente do PTB, Roberto Jefferson, os deputados Cristiane Brasil (PTB-RJ) e Paulo Pereira da Silva (SD-SP), e o ex-ministro do Trabalho Helton Yomura

PGR denuncia 26 suspeitos de fraudes no Ministério do Trabalho
Cristiane Brasil afirmou que irá provar sua inocência (Fonte: Reprodução/Câmara dos Deputados)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou nesta segunda-feira, 27, ao Supremo Tribunal Federal (STF) 26 suspeitos de integrar uma organização criminosa no Ministério do Trabalho.

De acordo com a PGR, os suspeitos, entre eles o presidente do PTB, Roberto Jefferson, os deputados federais Cristiane Brasil (PTB-RJ) e Paulo Pereira da Silva (SD-SP), e o ex-ministro do Trabalho Helton Yomura, negociavam ilegalmente registros sindicais no Ministério do Trabalho.

Na denúncia enviada ao STF, a PGR pede ainda a decretação da perda do mandato ou cargo público dos suspeitos, além do pagamento do valor mínimo de R$ 4 milhões por danos materiais e outros R$ 4 milhões por danos morais.

Todos os denunciados negam envolvimento nas supostas fraudes, que foram investigadas no âmbito da Operação Registro Espúrio.

Um trecho da denúncia diz: “Destaca-se que Cristiane Brasil determina a prática de uma grave e séria decisão administrativa, com repercussão na representatividade de toda uma categoria, com vistas a atender aos seus anseios pessoais, usando a máquina administrativa para se favorecer politicamente”.

Em nota, Roberto Jefferson Roberto disse que recebeu “com surpresa” a notícia de que seu “nome consta na lista de denúncia enviada ao Supremo Tribunal Federal pela procuradora-geral da República no caso do Ministério do Trabalho. E reafirmo: fiz solicitações de natureza política em atenção a pedidos a mim dirigidos, não para obter vantagens, quaisquer que sejam, muito menos financeiras. Relações políticas são diferentes de relações pecuniárias”.

Por meio do seu advogado, Cristiane Brasil afirmou que irá provar sua inocência: “A Polícia Federal e o Ministério Público tornaram-se assassinos de reputações. Sem provas, acusam a esmo. É o que ocorre agora com o relatório final da Operação Registro Espúrio, preparado pela Polícia Federal e endossado pelo Ministério Público na tentativa de criar um fato contra políticos. Apesar de as investigações transcorrerem no período de um ano, utilizam a troca de mensagens de 17 dias (entre 13 de maio e 30 de maio deste ano) entre a deputada Cristiane Brasil e um ex-funcionário do ministério para firmar convicção de que ela integra uma organização criminosa. A Polícia Federal e o Ministério Público insistem em tratar pedidos políticos _ comuns a todos os parlamentares, de todos os partidos, em todos os ministérios _ em crime. Crime é acusar sem provas, como fazem a PF e o Ministério Público, com objetivos puramente político-partidários”.

Já o deputado Nelson Marquezelli afirmou em nota que “a denúncia protocolada junto ao STF não condiz com a realidade. O deputado enfatiza não compactuar nem tolerar com atividades que vão contra o Estado Democrático de Direito”.

O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, afirmou confiar “plenamente no trabalho da Justiça para o esclarecimento total dos fatos”.

O deputado Jovair Arantes disse que recebeu a notícia “com enorme perplexidade” e ressaltou que, “nos seus mais de 30 anos de vida política, sempre direcionou seus esforços à consecução dos interesses públicos”.

O ex-ministro Helton Yomura negou “veementemente qualquer imputação de crime ou irregularidade”.

Fontes:
Uol - Procuradoria denuncia 26 por organização criminosa no Ministério do Trabalho

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *