Início » Brasil » PGR denuncia família Vieira Lima e mais quatro pessoas
BRASIL

PGR denuncia família Vieira Lima e mais quatro pessoas

Família de Geddel Vieira Lima é acusada pelo crime de peculato, que causou um prejuízo à Câmara dos Deputados superior a R$ 5,2 milhões

PGR denuncia família Vieira Lima e mais quatro pessoas
Família Vieira Lima já responde a outros processos na Justiça (Foto: Agência Brasil)

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou quatro membros da família de Geddel Vieira Lima e outras quatro pessoas pelo crime de peculato. Por Geddel ter foro privilegiado, o caso vai ser analisado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes.

A família Vieira Lima – composta pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, pela mãe Marluce Vieira Lima e por Afrísio Vieira Lima Filho – teria se apropriado de recursos financeiros destinados aos pagamentos de funcionários parlamentares. Segundo a denúncia, o grupo desviou mais de R$ 5,2 milhões da Câmara dos Deputados desde 1989, se apropriando de até 80% dos vencimentos destinados aos secretários.

Isso porque Afrísio Vieira Lima – pai de Geddel, Lúcio e Afrísio Filho -, quando era parlamentar, nomeou Job Ribeiro Brandão para o cargo de secretário parlamentar. Brandão, porém, nunca desenvolveu nenhuma função de assessor parlamentar, conforme admitiu à Procuradoria-Geral da República (PGR). Por sua contribuição à investigação, Brandão não está entre os denunciados, mesmo tendo facilitado o desvio de R$ 4,3 milhões ao longo de 27 anos.

“Job tomou posse por procuração e nunca trabalhou nos gabinetes de Lúcio e de Geddel, em Brasília. Nunca trabalhou em sedes de partidos, nem em escritórios de apoio parlamentar no estado de origem. […] Não se dirigia nem interagia com o eleitorado ou lideranças políticas. Nunca teve sua jornada de trabalho ou frequência aferida ou informada à Câmara dos Deputados”, aponta a denúncia.

Dessa forma, pôde-se notar a presença de “funcionários fantasmas” no gabinete de Lúcio Vieira Lima, assim como a relação criminosa por indicações de cargos em comissão pelo deputado. Os empregados, em vez de atuarem na função de assistente parlamentar, supriam interesses domésticos e pessoais da família Vieira Lima. Alguns, inclusive, moravam distante de Salvador e de Brasília.

O crime de peculato foi descoberto através da investigação no caso do ‘bunker’ de R$ 51 milhões. A quantia milionária teria ligação com Geddel Vieira Lima e foi descoberta em setembro de 2017, em um apartamento da família Vieira Lima, em Salvador (BA).

Além de solicitar a condenação dos denunciados, Dodge também pede o ressarcimento, com correção e juros, à Câmara dos Deputados, além do pagamento de indenização por danos morais coletivos. Ademais, os ocupantes dos cargos públicos também perderiam o trabalho.

Além da família Vieira Lima, também foram denunciados os secretários parlamentares Valério Sampaio Sousa Junior, que causou um prejuízo de R$ 646,7 mil à Câmara; Cláudia Ribeiro Santana, que causou danos de R$ 90,8 mil; Milene Pena Miranda, que causou prejuízo de R$ 26 mil; e Paulo Cezar Batista, que permitiu o desvio de R$ 183,8 mil.

 

Leia mais: Geddel vira réu em caso de ‘bunker’ com R$ 51 milhões
Leia também: Geddel quer falar
Leia também: ‘Fui condenado à morte civil’, diz Geddel

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *