Início » Brasil » Pimentel é potencial candidato de 2018
Coluna Esplanada

Pimentel é potencial candidato de 2018

Com vitória em Minas, Fernando Pimentel cresceu no PT e já é apontado como o potencial candidato a presidente em 2018

Pimentel é potencial candidato de 2018
Candidatura de Pimentel em 2018 vai depender de como ele se sair na gestão de Minas (Reprodução/Internet)

Ao se eleger governador de Minas no 1º turno no segundo maior colégio eleitoral do país e encerrar uma “dinastia” tucana de 12 anos, Fernando Pimentel cresceu no PT e já é apontado como o potencial candidato do partido a presidente em 2018, independentemente de Dilma vencer ou não esta eleição. Vai depender de como Pimentel se sairá na gestão. O próprio cenário no PT o ajuda: Lula quer novos nomes – cansou de Aloizio Mercadante e Marta Suplicy em SP –, e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, de promessa passou a problema, mal avaliado.

 

Por fora

 

E outras duas promessas, Alexandre Padilha (SP), e Lindbergh Farias (RJ), foram humilhados nas urnas. Pimentel é do grupo de Dilma dentro do PT.

 

Bem cotado

 

Há um peemedebista bem avaliado junto a Lula e Dilma: senador Jader Barbalho (PA). O filho Helder assumiu a dianteira no Pará contra o governador Simão Jatene (PSDB)

 

Herdeiro

 

Marco Antônio, filho de Sérgio Cabral, foi eleito deputado federal no Rio. Como o pai, adora Paris. É freqüentador da boate L’Arc, bebe garrafas Moët e Veuve Clicquot.

 

Quase forra

 

A derrota de Marina Silva foi vista como alívio para um séquito, a turma dos Tribunais de Contas dos Municípios (TCM). É que uma das principais coordenadoras da campanha, a deputada e ex-prefeita de SP Luiza Erundina, é defensora do fim do órgão. Tem inclusive um Projeto de Lei de sua autoria parado na Câmara.

 

Memória

 

Os conselheiros acreditam que, se Marina fosse eleita, o tema viria à pauta, e com força. Quando prefeita, Erundina proibiu, acredite, o TCM de fiscalizar as contas de sua gestão. Tudo porque foi criticada durante a posse de um presidente do tribunal, assim que eleita, ao prestigiar o evento.

 

Segura essa!

 

Para que a presidente Dilma não virasse alvo de Aécio e Marina, o PT entubou no aliado PCdoB o projeto de regulação da mídia (por ora) – em especial o financeiro, com proposta de equivalência na distribuição de patrocínios oficiais.

 

Êpa, Êpa

 

A proposta inclui rádios comunitárias no mesmo rol de grandes emissoras. O projeto está com a deputada federal Luciana Santos (PE).

 

Tão perto..

 

Quem vai às urnas também no fim deste mês é o presidente da Bolívia, Evo Morales. Por lá tenta o terceiro mandato, numa manobra constitucional muito contestada.

 

Um choque..

 

Você já deve ter visto o vídeo na internet, e nem sabia que o personagem da cena cômica será senador. Eleito com 2,1 milhões de votos pelo RS, Lasier Martins (PDT) é conhecido nacionalmente como o ‘repórter que levou choque ao vivo na TV’.

 

..de senador

 

Explica-se: Anos atrás Lasier fez uma ‘entrada’ ao vivo num telejornal, direto de uma exposição, quando tocou num cacho de uvas e num fio desencapado. Ele gritou de dor e o choque o levou ao chão – tudo ao vivo pela TV. Link – http://bit.ly/1o4caXW

 

Reza forte

 

A Igreja fez inédita ofensiva com o Distrito Federal como laboratório. Pelo menos cinco padres foram candidatos a deputado distrital. Sem sucesso. Mas um candidato católico chegou perto. O advogado Paulo Fernando (PSDB) ficou como segundo suplente.

 

Baixo custo

 

Paulo obteve 27.444 votos, invejáveis pelo que investiu na campanha: R$ 10 mil apenas – cada voto custou R$ 0,36. Ele seria candidato pelo PSD, mas a legenda não o apoiou e mudou a tempo para o PSDB. Agora, é cortejado por Aécio e virou coordenador no DF.

 

Paraíso na rede

 

Reduto de políticos, diplomatas e artistas – FHC fugia para lá fins de semana – Pirenópolis (GO), a 150 km de Brasília, ganhou site da Associação dos Atrativos – www.cachoeirasdepirenopolis.com.br . A cidade vive um boom: Zezé & Luciano são de lá; Wolf Maia tem fazenda, e Glória Pires sobrevoou fazendas à procura de uma.

 

Ponto Final

 

Faltam duas semanas para a eleição.

 

Com Equipe DF, SP e Nordeste

 

6 Opiniões

  1. Mauricio Fernandez disse:

    A história nos mostra de forma inequívoca que religião e política sempre andaram juntas. Oportunismo partidário é outra coisa.

  2. André Luiz D. Queiroz disse:

    Vitafer, obrigado por trazer a informação do direito canônico sobre a proibição de que padres concorram a cargo políticos salvo casos especiais; eu já comentara sobre isso em outro artigo do O&N (http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/traicao-evangelica/), e também penso que, em um Estado laico e com diversidade de confissões religiosas como o nosso, é preferível que sacerdotes não se intrometam em política partidária. Mas, talvez (talvez…) esse movimento dos padres de Brasília seja uma reação à presença maciça de pastores evangélicos na política…

    helo, também concordo com você: tomara que Pimentel faça um bom governo em Minas Gerais, para o bem do povo mineiro! Não vamos hostilizar desde já o governador eleito por conta dele ser do PT…

  3. JESUS R. DE ARAUJO disse:

    VITAFER, foi com muita propriedade a sua crítica! Concordo plenamente que uma pessoa que foi direcionada e preparada para difundir seu crédulo religioso, seja qual for, não deveria participar de “propósitos políticos”, muito embora a política seja o discernimento social de uma população, de um estado ou de uma nação. E, o mais incrível que eu já ví, em estados e municípios deste Brasil todo, pessoas formadas em engenharia exercendo o cargo de secretário da saúde, formados em saúde sendo secretários de infraestrutura, mobilidade urbano e etc. Em países europeus, a regra é cada um dentro de suas habilidades, e dentro de seus conhecimentos. Trabalhei em alguns países da Europa, e vi e senti todas as decisões políticas pelo LADO RACIONAL, e aqui infelizmente, impera o LADO EMOCIONAL. E, sem discriminação, palhaços, jogadores de futebol e outras tantas pessoas despreparadas, “choromingam votos” e ganham as vaguinhas na Câmara e no Congresso! Vão fazer o que? Certa vez, em Copenhagen (Dinamarca) meu chefe Mr. Wolfanger, apontou o dedo e me disse: “Brasileros antes de ano 2000 estavam atrasados 50 anos. Agora 2004 ainda atrasados por 20 anos…” Dizer o que? Mas, amigo VITAFER, Brasil é Brasil! E, esta cultura irá infelizmente permanecer por muitos séculos!

  4. helo disse:

    Tomara Pimentel governe bem Minas, porém não tem perfil para presidente. Pena que o PT perdeu Maurício Rands. Outro erro foi Dilma. PT não dá bola para o Rio, mas aqui tem nomes menos desgastados. A presidenta não tem substituto para Mantega. Parece que quer apresentar o nome no final da campanha. Não imagino quem. Concordo com Vitafer, fé não deve se misturar com filosofia, política ou ciência. Onde se misturou atrapalhou.

  5. Vitafer disse:

    Cargo político é para leigos. Líderes religiosos deveriam cuidar de seus rebanhos (que estão em todos os partidos), não de política. Deveriam, sim, orientar os fieis que são candidatos para seus deveres de honestidade e de preocupação com o bem público, seja das pessoas, seja do patrimônio.
    No caso da Igreja Católica, de acordo com o Direito Canônico (cânones 285, § 2; 287, § 2), os clérigos são proibidos de exercer cargos políticos, a não ser em casos especiais, com a devida licença do respectivo Bispo. Será que esses padres de Brasília (e outros por aí…) obtiveram licença do seu Bispo?

  6. DJALMA P BENTES disse:

    Será que os DONOS do partido deixarão Fernando Pimentel ser candidato? Quem viver NÃO verá. O Exu de 9 dedos, personalista como é, junto com seu séquito, não permitirá nunca jamais em tempo algum……

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *