Início » Brasil » Planalto monitora conferência da Igreja Católica
SÍNODO PARA A AMAZÔNIA

Planalto monitora conferência da Igreja Católica

Encontro de cardeais com o papa para discutir a situação da Amazônia preocupa governo Bolsonaro, que enxerga no evento uma ‘agenda de esquerda’

Planalto monitora conferência da Igreja Católica
‘Queremos neutralizar isso aí’, declarou o general Augusto Heleno (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Um encontro de cardeais da Igreja Católica com o Papa Francisco vem despertando temor no governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Previsto para ocorrer em outubro deste ano, o Sínodo para a Amazônia foi convocado pelo papa para discutir, ao longo de 23 dias, questões da Amazônia, como os impactos das mudanças climáticas no meio ambiente e a situação dos povos indígenas e quilombolas – pautas consideradas “de esquerda” pelo governo Bolsonaro. Cardeais de todos os continentes participarão do evento, que ocorrerá em Roma.

O governo Bolsonaro – que tem apoio de evangélicos mas considera a Igreja Católica uma aliada do PT – acompanha com preocupação os preparativos do evento. A revelação foi feita por uma reportagem do jornal Estado de S. Paulo. Na noite do último domingo, 10, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) divulgou uma nota confirmando que “existe a preocupação funcional do Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional com alguns pontos da pauta do Sínodo sobre a Amazônia que ocorrerá no Vaticano, em outubro deste ano”.

O governo prepara uma ofensiva contra o evento, capitaneada pelo chefe do GSI, o general Augusto Heleno. “Queremos neutralizar isso aí”, declarou o Heleno, que também afirmou que o GSI pretende “entrar a fundo” na questão.

Para isso, foram acionados escritórios da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) em Manaus, Belém, Pará e Roraima para monitorar, em paróquias e dioceses, as reuniões preparatórias para o evento. O governo também vai procurar governadores e prefeitos para reforçar sua tentativa de neutralizar o Sínodo.

O GSI também planeja envolver na empreitada o Itamaraty, para monitorar discussões sobre o tema no exterior, e o Ministério do Meio Ambiente, para monitorar a eventual participação de ONGs e ambientalistas no evento.

Além disso, o governo visa aproveitar o bom momento diplomático com a Itália, impulsionado pela entrega de Cesare Battisti, para convencer o governo italiano a interceder na Santa Sé para evitar ataques diretos à política ambiental e social do governo Bolsonaro.

A empreitada é considerada uma ação contra o que o governo chama de “clero progressista” com agenda “de esquerda”. Em entrevista ao Estadão, em condição de anonimato, um militar da equipe de Bolsonaro afirmou que o Sínodo é contra toda a política do governo para a Amazônia, e avaliou que o encontro vai servir para “recrudescer o discurso ideológico da esquerda”.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. Almanakut Brasil disse:

    Devia ter sido monitorada há muito tempo!

    A Igreja Católica, além de seus escândalos internos, tem favorecido em muito a desordem mundial!

  2. carlos alberto martins disse:

    a igreja católica deveria se preocupar mais em moralizar os seus padres pedófilos.deveria permitir que seus padres pudessem casar e constituir um lar.éla não permite, pois não quer que seu patrimonio tenha herdeiros,indo tudo para a denominada santa-sé.JESUS pregou a simplicidade,o amor ao próximo,a paz,e, no entanto o PAPA vive cercado de luxo e com um poderio economico maior que muitas nações.os porões da Santa SÈ,deveriam ser abertos ao mundo sem nenhuma restrição.iríamos ficar perplexos com o que tem lá dentro escondido.o que realmente na amazonia que está chamando a atenção do sumo pontífice?o povo?duvido muito.

  3. Antonio Carlos Carvalho disse:

    A progressista e moderna Igreja, com apoio de muita gente, quer voltar ao século XVI, quando mandava e desmandava na Amazônia. Até hoje não se conforma ter perdido esse poder, que lhe foi tirado na administração de Sebastião José Carvalho Mello, que ainda não era marquês de Pombal.

  4. BOZOLESS disse:

    Realmente o Brasil está se tornando uma ditadura e a opressão está evidente😒
    Foi assim que Hitler começou‼️‼️

  5. Esmeraldo Ramos Neto disse:

    Bozoless;não confunda cx com bxxxx!Salvaguardar a nossa independência é sinônimo de ditadura?! Onde é que já se viu um sínodo de Igreja, ditar as normas da nossa política de preservação, principalmente da nossa preciosa Amazônia?!Onde é que está a ditadura, a pseudo opressão?!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *