Início » Brasil » Política » A chance de ouro para Naoto Kan
Japão

A chance de ouro para Naoto Kan

Discussões sobre reconstrução nacional abriram espaço para ideias novas e ousadas, que continuam a esbarrar na inércia do primeiro-ministro japonês

A chance de ouro para Naoto Kan
O premier japonês, Naoto Kan, tem se mantido como uma figura afastada na maior parte da crise

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Há algo nos japoneses em uma missão que inspira profunda admiração. Durante o feriado da Semana Dourada nesse mês ( a junção de quatro feriados nacionais numa semana de maio), milhares de voluntários ajudaram a recolher os escombros enlameados do maremoto de março. Rodovias, trens-bala e fábricas voltaram ao normal em uma velocidade impressionante. Na ânsia de reconstruir o país, ideias antes vistas como tabus estão surgindo no que diz respeito à reforma e desregulamentação, não apenas nas áreas atingidas, mas em todo o país. O governo também precisa desenvolver urgentemente um senso de missão. 

O poder combinado de um terremoto, um maremoto e um acidente nuclear em escala integral, abalou qualquer senso de complacência que os japoneses tinham sobre a resiliência de seu país. Os atabalhoados esforços da Tokyo Electrical Power (Tepco) para conter a crise na usina nuclear de Fukushima Dai-ichi expuseram a verdade sobre a companhia: a de que ela é um monopólio incompetente tão grande que deveria ser dividida. Enquanto isso, barcos de pesca destroçados e campos de arroz alagados no nordeste do país levantaram discussões sobre o uso de investimento privado nessas áreas altamente protegidas que não oferecem mais um futuro a seus jovens. Muitos defendem a ideia de zonas econômicas especiais na região, que livrariam o nordeste da confusão imposta por Tóquio que restringe a livre iniciativa. Todas essas ideias são boas, mas elas murcharão a menos que o governo central as apoie inteiramente.    

Na maior parte da crise, o primeiro-ministro Naoto Kan, tem se mantido como uma figura afastada. No entanto, quando ele dá sinais de liderança, o povo responde positivamente.  Sua popularidade, embora baixa, aumentou depois que ele, inesperadamente, pressionou o fechamento da usina mais próxima de Tóquio por falhas semelhantes às de Fukushima, e ganhou aplausos por suspender os planos de construção de novas usinas nucleares. Ele certamente poderia fazer mais para acelerar um plano de emergência de ¥10 trilhões para reconstruir partes da região de Tohoku se não tivesse que lidar com uma campanha que pede sua renúncia, tanto por parte da oposição quanto de seu próprio partido. Mas ele deve superar tais bobagens. O gráfico abaixo mostra o declínio na produção industrial japonesa nos últimos anos.

Carpe Diet

Para fazer isso, Kan precisa elaborar uma mensagem tão substancial quanto os desafios enfrentados por Tohoku, e precisa que esse debate ultrapasse os corredores do poder. Há alguns sinais encorajadores. À medida que as indenizações da Tepco se amontoam, Kan está propagando a antes inimaginável sugestão de que a companhia deve ser dividida. Boa parte dessas indenizações deve acabar no colo do governo, mas uma divisão poderia acelerar o processo de remoção de regulações do setor energético.

De maneira mais ampla, Kan deveria capturar o clima nacional de solidariedade com Tohoku para persuadir as pessoas a aceitarem reformas difíceis. Impostos mais altos serão necessários não apenas para pagar pela reconstrução de Tohoku mas também para ajudar a sanar os problemas do sistema de seguro social do Japão. A idade de aposentadoria, atualmente próxima dos 65 anos, também teria que ser aumentada drasticamente.

Até agora, a mensagem de Kan não foi clara. Ele voltou atrás na ideia de iniciar diálogos para criar uma área de livre comércio chamada de Parceria Trans-Pacífica, ainda que os fornecedores de peças em Tohoku que foram atingidos pelos desastres se beneficiassem da liberdade comercial. Ele ainda tem que revelar propostas de flexibilidade regulatória que encorajariam empresas privadas a investir, tanto em Tohoku, como no resto do Japão.

Sua desculpa é a política. Com um dieta dividida, é difícil ser ousado. Mas isso ignora sua habilidade de cultivar a opinião pública para a causa. Durante anos, boas ideias não circularam tão livremente pelo Japão, mas esse clima não durará para sempre. Se Kan perder essa oportunidade, o Japão se lamentará por anos.

Fontes:
Economist - On a mission

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *