Início » Brasil » Política » A verdade escondida sobre Getúlio Vargas
Resenha de livro

A verdade escondida sobre Getúlio Vargas

Vargas desfruta até hoje de imensa popularidade, mas não sobra nada quando se faz uma análise mais detalhada de seu governo. Por Carlos U. Pozzobon

A verdade escondida sobre Getúlio Vargas
Getúlio Vargas governou o Brasil entre 1930 e 1945 e depois de 1951 a 1954 (Fonte: OAB)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O governo Vargas desfruta até hoje de imensa popularidade por ter sido propagandeado por acadêmicos e herdeiros políticos interessados na perpetuação do seu estilo político. Mas não sobra nada quando se faz uma análise mais detalhada do seu governo, como nos conta Affonso Henriques em seu livro “Ascensão e Queda de Getúlio Vargas” (edição de luxo, 1977, 3 vols., 1500 p).

Principais mitos que sustentam o governo Vargas

Criação da legislação trabalhista: não veio de Getúlio Vargas, mas de seu ministro do trabalho Lindolfo Collor que já havia apresentado o esboço da legislação para Flores da Cunha em 1928 (quando governador do Rio Grande do Sul) e a diversas lideranças políticas. Em 1919 apareceu a primeira lei sobre acidente de trabalho. Em 1926/27 foi criada a lei das férias para comerciários e industriários. As leis mais importantes da Era Vargas foram propostas e aprovadas pelo Congresso, no curto período de liberdades que se seguiu à Constituinte de 1934 até 1937, e sancionadas pelo presidente interino Antonio Carlos de Andrada, e não por Vargas. Foram leis que estabeleceram o horário de 8 horas diárias, seguro social obrigatório, sindicalização, regulamentação do trabalho de menores e mulheres, seguidas pela lei que regulava a despedida injusta e estabelecia a indenização. Como todo oportunista, Vargas chamou a si a criação dessas leis para se beneficiar dos dividendos políticos e, depois de sua morte, passaram para o patrimônio trabalhista. Lindolfo Collor foi exilado pelo golpe de 37, juntamente com diversas personalidades que se opunham à ditadura. Não há qualquer traço de autoria de Vargas na criação das leis trabalhistas.

Criação da Petrobras: outra falácia atribuída a Vargas. Na verdade, a luta pelo petróleo começa com Lobato nos anos 30, juntamente com diversos empreendedores do nordeste, leste e oeste do Brasil. O Departamento de Produção Mineral sabotou todas as iniciativas da descoberta do petróleo no Brasil. Lobato narra claramente como Vargas seguia os interesses dos trustes internacionais que queriam o Brasil como reserva futura. Veio a guerra, faltou combustível, o país estava completamente paralisado pela política suicida de Vargas até que em 1953 os militares lhe deram um ultimato, pois o Brasil não podia continuar perdendo dinheiro. Vargas e os ministros da fase democrática (1950-54) queriam um regime até melhor do que efetivamente ocorreu com o monopólio exclusivo da Petrobras. Mas venceu a opinião militar. O Brasil que sempre enviava para os árabes entre 200 a 1 bilhão de dólares anuais continuou a fazê-lo até a data da autossuficiência de petróleo (2007). Esse é um dos principais desatinos na conta dos 5 trilhões de dólares que nos faltam no PIB para sermos um país de primeiro mundo !

Previdência social: talvez tenha sido o maior fator de apoio político a Vargas em todo o seu período de governo. Vargas vislumbrou aqui a oportunidade de obter receita com o desconto dos salários dos trabalhadores e empregadores, sem que necessitasse desembolsar um só centavo, pois no ato de criação da Previdência não havia aposentados. Baseando-se no pecúlio dos ferroviários concebido nos anos 20, Vargas criou 45 Caixas e Institutos de Previdência, com 45 diretorias, burocratas, etc., num total de 42.500 empregados para 4 milhões de segurados. Para comparação, a Previdência norte-americana, criada pouco antes, tinha uma só instituição e 21.500 empregados para 10 milhões de contribuintes. O dinheiro da Previdência que entrava no caixa do governo Vargas ia para a compra de terrenos e construção de prédios de luxo. Para se ter uma ideia, Vargas construiu a torre-sede de 160 metros de altura da Central do Brasil, em vez de reformar os trilhos e máquinas dessa mesma ferrovia que tinha, à época, um acidente por dia pelas péssimas condições de infra-estrutura. A enorme multiplicação de empregos públicos representou, em termos de votos, um apoio sem igual a Vargas. Empregando comunistas na máquina pública, Vargas granjeou o apoio de Prestes e fez do PC seu aliado na campanha de 1950. Vargas subornava também os intelectuais com viagens de “estudos e especialização” ao exterior com dinheiro público – na verdade apenas turismo subsidiado. Assim, todo escritor que publicasse um artigo de apoio a Vargas tinha subsídio para publicar seu livro, e não raro era homenageado em coqueteis e festas.

Crise do café: para despistá-la, sua causa foi atribuída à crise mundial de 29. Mas em 1934 a crise havia acabado, e o que acontecia com o café brasileiro? Em vez de procurar mercados (os russos queriam o nosso café, mas Vargas não os recebeu, conforme nos conta Lobato), Vargas criou o IBC (Instituto Brasileiro do Café) que se encarregou de liquidar com a produção do café. O IBC, presenteado aos tenentes interventores como barganha de apoio, inicialmente queimou o café, mas depois descobriu o contrabando internacional e nunca mais a lavoura foi a mesma. As estatísticas da época são impressionantes: em 1929, o Brasil detinha 70% da produção mundial de café. Ao final da 2ª. guerra, tinha apenas 36 % da produção mundial. De 1934 a 1944 foram arrancadas ou abandonadas 750 milhões de mudas de café. No auge da crise, importamos café de Cuba. Depois, Vargas criou o Instituto do Açúcar e do Álcool, e o Brasil passou a importar açúcar. O mesmo com o arroz e o leite. Criou o Instituto do Leite, e desde então o leite começou a rarear nos armazéns, e é dessa época a cultura da água no leite e do milho no café. Nunca havia faltado carne no Brasil. Mas, durante a guerra, surgiram as filas nos açougues e o racionamento. Era o pessoal de Vargas culpando a guerra, mas adotando o que se chamava de “economia dirigida”, nada mais nada menos do que a intervenção do governo em todo o mercado nacional.

Desmonte da economia brasileira: apesar de ser mais conhecida pela truculência da censura e da repressão, a Era Vargas foi responsável pelo desmonte da economia brasileira que perdeu uma grande oportunidade de enriquecer com a guerra, quando então a Europa e os Estados Unidos compravam qualquer coisa que se produzisse. Nesse período, nações como a Argentina, Austrália, Nova Zelândia, Colômbia (cuja produção de café cresceu 500% enquanto o Brasil declinava por culpa do varguismo) e outras deram um grande salto. O Brasil desorganizou sua economia, criou milhares de novos empregos públicos e aprofundou seu déficit público seguindo o ciclo de empréstimos internacionais dos governos anteriores. Volta Redonda surgiu dessa barganha. O Brasil fornecia apoio militar aos EUA em troca de empréstimos para a siderurgia que só apareceu por aqui devido a esse modelo de empréstimo casado: os EUA entregavam equipamentos no lugar de dinheiro. Se entregassem dinheiro, ele desapareceria no Ministério do Oba-Oba. Como não havia como desviar um alto forno, nem como sumir com aciarias descomunais, Volta Redonda foi de fato construída. E até hoje é uma glória em cujo prestígio o trabalhismo encontra um de seus principais símbolos. E agora o que vemos é o Brasil indo na mesma direção estatizante com a multiplicação astronômica de empregos públicos e novas estatais para “regular” o mercado. O ciclo de Vargas se repete reencarnado em outros nomes: os resultados serão os mesmos.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

23 Opiniões

  1. Markut disse:

    Exemplo típico de como se constrói, no imaginário popular,um mito que se perpetua.
    Olho para as semelhanças com esse botocudo que nos governa(?) e que planeja não largar o osso facilmente. Olho tambem ,e principalmente, para a curriola que o rodeia.
    O outro mito teve a ombridade de se matar, quando percebeu a impossibilidade de esconder o mar de lama a seus pés.
    E este o que fará, quando o mar de lama está ao seu redor?

  2. Silvio disse:

    Concordo com o Markut.

    Sabemos que as crenças quiméricas permanecerão sempre geradoras das longas esperanças. Delas originaram os deuses através das idades.

    Para matar um mito, basta dissecá-lo.

    Por outro lado, a crença é tão forte e contagiante quanto inexorável, que consegue impor-se a despeito das mais claras demonstrações da razão.

    Quanto ao “mito” que nos governa, este certamente dirá: “Eu não sabia!”

  3. Ivan Lippi disse:

    Continuamos até hoje a enganar o povão.
    Pior é que o Getulio deixou o uma herança maldita de políticos e pelegos chamados por exemplo de Jango Goulart e Leonel Brizola.
    Hoje no Palácio do Catete no Rio, o Museu da República, estão penduradas as bandeiras do PT e do MST. Acredite,ví com meus próprios olhos. A que ponto chega esse Lula…..que desfaçatez!

  4. helio(rio de janeiro) disse:

    Markut,
    Brasília é como uma Ilha Grande ampliada. Perde-se lá o bom senso que se adquire no convívio com o real. Lula adora se comparar a políticos do passado. Triste admitir que apesar de correta a análise de Vargas, o atual governo nem a ele pode se comparar. É um arremedo muito mais medíocre e corrupto e o mar de lama ao redor é insuperável. É verdade que celebridades hoje se controem em curto tempo, mas são mais fugazes. O sonho de Lobato em nada se compara ao momento atual, em que os planos estatizantes se baseiam menos em idéias certas ou equivocadas e mais na luta pelo poder. Os estudos sobre o governo atual, com mais registros, será mais fácil de ocupar uma análise jurídica. Se com Dilma perdermos os registros, a análise ficará para os economistas.

  5. Paulo Fernando disse:

    O Vargas até hoje, deixa saudade pela sua seriedade, determinação, e de avanço para o futuro da nação que foi bom exemplo de legado para o povo brasileiro. Por outro lado, hoje temos um governo que vive cercado de muito problemas com seus auxiliares diretos, conforme tomamos conhecimeto atraves do importante papel da imprensa e o governo faz de conta que não é grave e ainda culpa a mídia que faz um trabalho tão importante para a democracia brasileira.

  6. Apolonio Prestes disse:

    Getúlio foi um facínora sanguinário. Enviar Olga Benário, grávida de uma criança brasileira, para ser assassinada por Hitler, foi apenas um de seus crimes nojentos. A criança, Anita Leocadia, é professora universitária no Rio de Janeiro.

  7. Roque S. de Souza disse:

    Respeito seu ponto de vista, mas devo dizer-lhe que o presidente Getúlio Vargas ainda hoje é o maior realizador da República do Brasil.Basta pensar em DASP,CSN,BNDES,Petrobrás,CHSF, e sem precisar falar dos direitos sociais,culturais e trabalhistas do nosso povo. Assim registra a História do Brasil.

  8. Markut disse:

    Como incomoda perceber que comentários tão lúcidos como os de Hélio, Lippi,Sílvio e tantos outros permaneçam soterrados pela poderosa avalanche de malfeitos , que ocorrem ao nosso redor,sem que tenhamos força suficiente para fazê-los vir à tona, com poder tal capaz de provocar um estado coletivo de repulsa a tudo o que aí está!
    E note-se que temos, ainda, o privilégio de uma livre manifestação.
    Imagine-se o ambiente, se os plantonistas do poder conseguissem arrochar a opinião pública!
    A propósito,Ivan Lippi.Se és quem eu penso,somos colegas do Instituto de Engeharia.

  9. Antonio Campos Monteiro Neto disse:

    Tendencioso e falacioso artigo, cuja argumentação não se sustenta. Vejamos:

    “Criação da legislação trabalhista: não veio de Getúlio Vargas, mas de seu ministro do trabalho Lindolfo Collor que já havia apresentado o esboço da legislação para Flores da Cunha em 1928 […]”.

    Ora, se Lindolfo era ministro de Vargas, então foi Vargas quem assinou a Lei. Não basta ter uma boa ideia; fundamental é o patrocínio que se tem para implementá-la.

    “Criação da Petrobras: outra falácia atribuída a Vargas. Na verdade, a luta pelo petróleo começa com Lobato nos anos 30, juntamente com diversos empreendedores do nordeste, leste e oeste do Brasil.”

    Acaso foi Lobato quem assinou a Lei de Criação da Petrobras? Ou foi Vargas, em 1953?

    “Previdência social: talvez tenha sido o maior fator de apoio político a Vargas em todo o seu período de governo. Vargas vislumbrou aqui a oportunidade de obter receita com o desconto dos salários dos trabalhadores e empregadores, sem que necessitasse desembolsar um só centavo, pois no ato de criação da Previdência não havia aposentados”.

    Acaso alguém imagina o Brasil hoje sem a Previdência Social? Já pensou o autor em se aposentar e em contrapartida nada receber?

    “Desmonte da economia brasileira: apesar de ser mais conhecida pela truculência da censura e da repressão, a Era Vargas foi responsável pelo desmonte da economia brasileira que perdeu uma grande oportunidade de enriquecer com a guerra”.

    Não há qualquer fundamento nessa observação. Não olha o autor para trás e vê sepultada a “Política dos Governadores”, mais conhecida como “Política do Café com Leite”, que governava o Brasil como se a coisa pública fosse patrimônio privado. Vargas modernizou a administração pública brasileira, criando o arcabouço político-jurídico para o nosso desenvolvimento industrial. Assim será lembrado.

  10. Ramon M.B.van Buggenhout disse:

    É deprimente e atormentador ver a imprensa divulgar opiniões dessa natureza, e produzir conscientemente artigos veiculadores meias-verdades ou puras falsidades históricas, para engodar os menos avisados.
    O fato de alguém ser ministro não se confere o direito de intitular-se dono de um programa político ou de natureza social-econômica. Assim como o Plano Real não foi criação de Fernando Henrique Cardoso, Lindofo Collor não criou a legilação trabalhista, de inspiração notória na “Carta del Lavoro” Italiana na época de Benito Mussolini.
    Desmerecer Getúlio Vargas com artigos mendazes não vai favorecer em nada o esclarecimento pretendido transmitir à população. As articulações para a criação da Petrobrás e da reformulação ou mesmo criação da Previdência Social, foi efetivamente conduzida pelos governos de Vargas.
    A crise do café está diretamente vinculada à famosa “Crise de 1929”, que, na realidade, começou pouco depois da primeira Grande Guerra e se prolongou até o advento provocado da Segunda Guerra Mundial. É conveniente que o escritor dessa “opinião” leia o pequeno e bem elaborado livro de Bernard Garzier: “A Crise de 1929”, onde o Brasil e outros países periféricos são tratados como produtores de bens de sobremesa.
    Getúlio Vargas e seu grupo político nacionalista estavam voltados para a industrialização do Brasil. Sair da produção de “commodities”. Não destruiu Vargas, portanto, a economia do Brasil. Simplesmente deu grandes passos em prol da industrialização, da diversificação e modernização dos meios de produção e das fontes de energia. “Arrancou” dos Estados Unidos a “permissão” para a implantação da primeira usina siderúrgica. Não se pode dizer que esse artigo expresse desinformação; melhor seria dizer que expressa simplesmente a má-fé e os interesses pouco claros e nada nacionalistas de quem o inspirou.

  11. Horst disse:

    Concordo com muitos signatérios , entretanto quando leio de um paulista, sinto panço anti getulista e anti gaucho, que sinto sempre que vou ao Sampá, Ora levaram uma surra em 32 que não se esquecem e mesmo a data magna destes “conterrâneos” é dia 9 dia que apanharam em 32 de pelego pra derrubar Getulio e votara arcaica política café com leite…Se é de paulista não vou ler mais.

  12. Fernando Fernandes Filho disse:

    Querer negar o legado de Getúlio é o mesmo que desvalorizar todas as conquistas trabalhistas que estão valendo até hoje.
    Não me venha com essa estória do ministro esse ou aquele ser o pai da criança. É a mesma coisa quando dizem que o FHC é o pai do Real e esquecem do presidente Itamar que o nomeou ministro. Isso é coisa de paulista complexado e derrotado na revolução de 32. A política café-com-leite acabou faz tempo!

  13. Alexsandro disse:

    Caramba, quanto gente babaca escrevendo em apoio a esse cara.
    Gente, quer dizer, são mesmo gente, DITADOR é DITADOR… acabou a conversa…
    Ninguém que viver em ditadura… alguém um dia disse “nem a melhor ditadura é melhor do a pior democracia”… então parem de falar tanta m…

  14. rener dantas pereira disse:

    vejo que o povo continua sendo massacrado por politicos mau carater,dão muita verção para politica brasileira, na verdade aida é coronealismo que impera nesta nação precisamos que nossos filhos que vem tenham a versão verdadeira desses politicos sujos…por ex: quem de fato foi pedro I,quem foi getulio,e outros…

  15. caique disse:

    nossa!! tanta gente com opinião. por que vocês não candidatam e põe esse senso critico em favor nosso.

  16. Roberto Miguel disse:

    Olá, gostaria de saber quais foram suas fontes e se é possível repassá-las a quem quiser estudar mais a fundo esse assunto.
    Desde já, obrigado!

  17. Diego disse:

    Ou seja, Getulio Vargas era o Hitler Brasileiro.

  18. Diego disse:

    Até a Globo já sabia.

  19. Francisco Vendramini disse:

    Para os eunucos cerebrais.
    Quem perdeu a revolução constitucionalista não foram os paulista, foi o Brasil que foi vendido, rifado, traido e leiloado na era Vargas. Traído a troco de poder pelo poder ( estamos reeditando coisa parecida nos dias de hoje ) aos amigos as batatas aos não amigos as cascas. E assim o Brasil vai, com uma marinha que mal flutua, com uma FAB e quase não levanta v
    oo e u exército que não consegue proteger a calha norte. Aliás a maioria dos brasileiro nem sabem disso.
    Só para eunucos cerebrais São Paulo ainda é a locomotiva, e perdemos a tal revolução hein! Que vergonha para o resto. Nosso descendentes nunca terão a vergonha de saber da verdade os outros é bom que não saibam, porque ficarão com nojo de traíras que vendeream o Brasil a troco de poder pelo poder ajudando a implantar o modus pensanti de nosso povo e o modus operandi de nossos políticos. Quando a lenda é mais importante que a verdade e satisfaz o égo de ignorantes,,,,PUBLICA-SE A LENDA e enquanto isso continuamos sendo piada pronta do mundo, obrigadinho Getúlio e asséclas, vocês trairam e venderam o Brasil e o 1°. mundo rí até hoje. A propósito Traição quae será tamém se mantem no poder até hoje, quem abriu os portos para a marinha de Getúlio ( abriu os portos para a frota americana que trazia armas caso a rev. não seguisse o caminho que queriam – cariocas abriram as pernas ) o nordeste é enganado até hoje pela herança de Getúlio ( coronelinhos ) passam a mão nas b… e êles ainda sambam. O mêdo dos velhos partidários é que seus filhos e netos saibam da verdade ( SABEM QUE ÊLES SENTIRÃO NOJO, POR TEREM VENDIDO, RIFADO, TROCADO E LEILOADA UMA PÁTRIA INTEIRA ). Essa vergonha e nojo os meus nunca terão. SP não perdeu parou de brigar aí deu no que deu. O brasileiro merece o Brasil que tem.

  20. Eduardo Guisard disse:

    De todos, todos, os que estiveram no poder, somente Vargas tentou “trabalhar”. Todos os “desmontes” de áreas do país foram realizadas pelos brasileiros que herdaram a cultura do realizar sem trabalhar. Nas duas vezes que veio ao poder ele enganou correleigionários e adversários pois, ao invés de cumprir promessas de favores e regalias, começou a trabalhar e a tentar tornar o país com leis. Fez burrices mas isso é cultura nacional.
    Quanto ao plano real, não existe pai desse evento. Nem Itamar nem FHC têm ou tiveram competência para ser pai de plano nenhum. Na época o FMI após vários desastres, tinha que dar certo o auxílio do fundo pois caso fracassasse aqui, perderia credibilidade de forma grave. Então, além dos Sepulvidas e Pertences, exigiram o Malan no governo por que tinham confiança nele. Malan é engenheiro com MBA em Berkeley… essa turma do FMI também era de lá. O que fizeram foi seguir os passos ensinados por John Maynard Keynes…e deu certo, mas poderia não ter dado. A impressão que eu tenho é que durante um tempo os governantes foram “congelados” e tolhidos em fazer as cag…. que sempre fizeram.

    Portanto desde 1822 até 2016 3 situações positivas foram concluídas neste país:
    -O início do país com leis e organização (Estado Novo)
    -A continuação da construção de um Estado no território brasileiro
    -A correção de erros do passado que foi o plano Real

    Antes disse só burrice e ignorâncias típicas de países governados e empresiariados por corruptos:
    -Construção de Brasília,
    -A Transamazonica
    -A guerra do Paraguay
    -Omissão no Nordeste – a seca
    -Omissão nas regiões onde a fome é estudada por Universidades estrangeiras
    -A forma que foi implementada a lei de Informática
    -A destruição do empreendimento do Barão de Mauá…

    E a lista é enorme….e não necessariamente na ordem cronológica

  21. Stephanie disse:

    Para quem defende esse psicopata só indico um livro Olga Benario , autor Fernando Morais .

  22. Matt disse:

    socialismo não funciona 🙂

  23. Marco Antonio disse:

    Estou estudando sobre Getúlio Vargas e o que mais encontro são massacrantes palavras da imprensa, escritores, artistas sobre esse Senhor Presidente, mas ficou tão fácil entender, bastou que eu fizesse uma analogia entre o hoje e o ontem e compreender os porquês da Ditadura utilizado por Vargas. Militares que ficaram no país enquanto milhares de pracinhas morriam na Segunda Guerra, coronéis que utilizavam o voto de cabresto e intelectuais com ideias comunistas foram esses que se voltaram contra o presidente sem se importarem que um povo vivia da agropecuária e eram escravos em indústrias estrangeiras, os famosos escravos de macacão.
    Não dou muita atenção as escritas, prefiro analisar as atitudes, sempre haverá alguém falando bem e outro falando mal, como é feito hoje com a nossa sociedade, nossa religião, nosso futebol, nossa educação e nossas crianças. Quem está certo? Não acreditem e nem deixem ser manipulado. Pensem!!!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *