Início » Brasil » Política » Acre é porta de entrada de imigrantes ilegais vindos do Haiti
Imigração

Acre é porta de entrada de imigrantes ilegais vindos do Haiti

Maioria é de classe média e tem qualificação profissional

Acre é porta de entrada de imigrantes ilegais vindos do Haiti
Sem abrigo, haitianos ocupam praça no centro de Brasileia (AC) (Reprodução/O Globo)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Pelo menos 2.300 haitianos entraram no Brasil pelo Acre em 2011. Nos últimos três dias do ano foram 500, elevando para 1.400 o número de imigrantes no município de Brasileia (AC). Ainda sem abrigo, os haitianos ocupam a praça da cidade. A Defesa Civil enviou água e alimentos.

O secretário-adjunto de Justiça e Direitos Humanos do Acre, José Henrique Corinto, foi ao município no domingo, 1º, para estudar as medidas necessárias para atender os imigrantes. Em Assis Brasil, na fronteira com a Bolívia, outra equipe vai verificar se existem mais grupos de haitianos chegando ao Brasil.

O Haiti ainda sofre as consequências de um terremoto em janeiro de 2010, por isso muitos dos seus cidadãos estão emigrando para o Brasil. No dia 14 de janeiro de 2011, o primeiro grupo de haitianos, de 140 pessoas, chegou à Brasileia. O fluxo, no entanto, aumentou após um boato de que o governo brasileiro começaria a expulsar os haitianos a partir de 31 de dezembro. A fonte do boato foi uma reunião do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) em 16 de dezembro, que determinou a adoção de medidas para conter a imigração ilegal e o tráfico de pessoas na fronteira com o Acre. Segundo a assessoria do órgão, que pertence ao Ministério da Justiça, nenhuma decisão sobre os haitianos foi tomada.

Apesar de não pedirem o visto no Haiti, eles entram ilegalmente, mas não são expulsos, pois conseguem visto humanitário. Eles podem então tirar CPF e carteira de trabalho e assim morar e trabalhar no Brasil. O Conare explica que eles não podem ser considerados refugiados, já que não sofrem perseguição política, de raça ou religião em seu país. Por isso, a concessão do visto humanitário, que segundo o órgão, foi de 1.600 no ano passado.

O tempo de espera pela chegada da documentação pode chegar a 40 dias, o que cria um problema, já que Brasileia, um município de 22 mil habitantes não tem infraestrutura para abrigar tanta gente. O hotel de 30 quartos abriga 700 haitianos, e a chegada de mais centenas nos últimos dias fez os banheiros do hotel se tornarem coletivos.

Os imigrantes haitianos que chegam ao Brasil são profissionais qualificados, oriundos da classe média, como engenheiros, professores, advogados, pedreiros, mestres de obras e carpinteiros, diz Corinto. Eles, no entanto, chegam sem dinheiro, por Brasileia, e depois partem para cidades como São Paulo, Manaus e Porto Velho. “Pelo menos 10% dos haitianos se fixaram em Porto Velho e estão empregados. Conheci cinco professores poliglotas, que aprenderam português e buscam regularizar o diploma para lecionar aqui”, conta Corinto.

Vários haitianos foram vítimas de “coiotes” (traficantes de pessoas) e roubados no caminho para o Acre. Por isso, na semana passada, a Polícia Federal permitiu a entrada pela fronteira oficial, na Estrada do Pacífico. “Os brasileiros sempre criticaram a forma como os países europeus tratavam os imigrantes. Agora, chegou a nossa vez”, afirma Corinto.

Fontes:
O Globo - Acre sofre com invasão de imigrantes do Haiti

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Diego Silva disse:

    Dizer que a “Maioria [dos imigrantes] é de classe média e tem qualificação profissional”, não é verdade! A grande maioria desses estrangeiros são pobres e trabalham com alvenaria. Inclusive, muitos não estão conseguindo emprego no sul e sudeste, justamente por falta de profissionalização. Há no meio dos haitianos advogados, professores e outros com diploma, mas são bem poucos. Em todo caso, é lamentável que, com tantos brasileiros desempregados, o governo do PT dê preferência aos estrangeiros. Eles passam ilegalmente pelas fronteiras, pedem refúgio, conseguem carteira de trabalho e os empregadores vão ao encontro deles para empregá-los. E os brasileiros, como ficam? Eu explico: o governo do PT dá 300 reais de bolsa família ao brasileiro e dá emprego com salário em torno de 1200 reais a estrangeiro. Inversão de valores total! Lamentável!”

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *