article image
A coluna Grita Brasil é publicada às quintas-feiras
Grita Brasil

Ano novo, e o resto tudo velho!

Janeiro chegou, e com ele as mesmas chuvas que provocaram tragédias e arruinaram vidas no ano passado, quando governantes prometeram que isso não aconteceria no futuro. Por Claudio Schamis

fonte | A A A

Feliz 2012! Ih será que me enganei de ano e era o outro cartão? Tá tudo igual mesmo. Deixa quieto.

Também não é assim. O salário mínimo é novo. Os preços das passagens dos transportes públicos e pedágios também. Não é uma maravilha?!

Mas se você estava falando das outras coisas, acertou na Mega-Sena, ou melhor, na quina da mesa. Na loteria seria bem melhor.

 

 

Ano novo, lixo novo, problema velho!

Nunca fomos tão porcos como na virada para 2012!

Fiquei estarrecido com o day after da virada de ano. O que se viu em Copacabana em matéria de lixo nas ruas e praias era para envergonhar até o mais limpo dos porcos.

No ano novo em que o tema era a sustentabilidade e em que se pediu à população que evitasse levar garrafas de vidro e jogar lixo no chão, a multidão que foi até Copacabana saudar o ano novo, comemorou em grande estilo: 370 toneladas de lixo nas ruas. Um aumento de 25% do Réveillon do ano passado. A princesinha do mar virou bruxa.

Triste a quantidade de lixo nas ruas. O que mostrou que falta muito para a evolução de um povo que quer sediar uma Copa e uma Olimpíada.

E depois não vem reclamar que a sua rua alagou na primeira chuva. Lixo é no lixo.

Velha equação: Janeiro + chuva = tragédia anunciada. Mas…

Qual será mais fácil de resolver primeiro?

Pois então, janeiro chegou e com ele as chuvas que não são uma surpresa e que já fizeram seu estrago, deixando desabrigados, mortos e os governantes com cara de tacho, dizendo que estão trabalhando para que isso no futuro não aconteça. Esquecem que o futuro da gente é hoje, e que a história se repete, pois isso já aconteceu no passado. Mas parece que alguns políticos sofrem de algum distúrbio de tempo e não sabem distinguir o ontem do amanhã. Para eles passado e futuro não passam pelo presente.

 

Por outro lado, parabéns Dilma!

Tá vendo o meu lado feliz? Mas é só metade tá?

Não foi a tempo de se evitar as novas tragédias de janeiro 2012, mas Dilma deu um passo na direção certa. Aleluia, irmão! Ela, com punhos de aço, porém de forma amiga, interveio na pasta da Integração Nacional, do ministro Fernando Bezerra, que apesar de ter recebido em dezembro um estudo com as 56 cidades das regiões Sul e Sudeste prioritárias para as ações de preparação às enchentes, o que se viu foi algo diferente. Foram os estados do ministro Bezerra (Pernambuco) e do ex-ministro Geddel Vieira Lima (Bahia) que receberam as maiores verbas de prevenção em 2011. O Rio de Janeiro, o primeiro da lista, um dos cartões postais do país, com 12 municípios em situação crítica de risco, ficou apenas em décimo lugar, com 2,3% dos recursos pagos no ano passado.

Essa suspeita, (será que é só uma suspeita?) fez com que Dilma orientasse a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, a determinar uma radiografia na rubrica de verbas para a prevenção de enchentes.

Antes tarde do que nunca. Mas não deixa de ser tudo uma vergonha que até na hora de se evitar mortes, ou de se salvar vidas, exista a mente maquiavélica de um ministro que só enxerga o próprio umbigo.

Mas, por (outro) outro lado, Dilma…

Tenho vergonha é de vocês!

É vergonhosa a situação das pessoas que em 2011 sofreram com as chuvas que foram consideradas a maior catástrofe do nosso país e que continuam do mesmo jeito, ao Deus dará, enquanto literalmente do outro lado do mundo temos como exemplo o Japão, que sofreu quase que na mesma época um grande terremoto (um dos maiores de sua história) e que colocou a reconstrução como prioridade.

Que não me apareça ninguém aqui defendendo o governo dizendo que é a falta de recursos, de dinheiro, a razão para isso. Vai muito além. Eu diria que transcende isso. Infelizmente isso mostra as prioridades dos nossos governantes. As pessoas não podem esperar o tempo que for pela boa vontade dos políticos para a obtenção de recursos básicos.

As pessoas deveriam estar em primeiro lugar. Se a casa de um ministro é alagada, ele vai e coloca sua família num hotel cinco estrelas e espera até que possa voltar. Mas e quem não tem hotel para ir? Pode ficar o tempo que for numa quadra esportiva? Pode ficar o tempo que for morando em barraca de campanha? Ou pode ficar numa escola abandonada morando com outras 300 pessoas sem NENHUMA condição humana?

Eu só queria entender. É isso? Quando vocês vão tomar vergonha na cara?
E antes que me esqueça, além do Tribunal de Contas (TCE) eu também queria saber onde a Secretaria Estadual de Obras aplicou os R$ 10,9 milhões de um montante de R$ 70 milhões enviado pelo governo, no inicio do ano passado, para ações de socorro e assistência às vitimas da tragédia.

Sentiu como estou calmo, né? E olha que ainda é 5 de janeiro!

Alerta geral! Você já tomou a sua dose de memoriol hoje?

Só não compra um que seja de farinha, pode não fazer efeito

Como é ano de eleição, melhor começar a tomar já doses diárias de memorial, pois se for puxar pela memória vai dar lama, e como tenho consideração pelo povo paulista, não custa avisar que o ex-ministro Orlando Silva — aquele mesmo — será candidato a vereador em São Paulo pelo PCdoB.

Vem cá, será que depois de escândalos em suas administrações esse pessoal fica mais em alta ainda e consegue se eleger? Será esse o caminho das pedras?

 

 

Ho! Ho! Ho! Feliz 2012!

Nem vem que tenho olhos espalhados por todos os cantos

Sei que estamos só começando, mas saiba: (e isso não é uma ameaça é apenas a ordem natural das coisas).

Tô de olho e com a garganta pronta!

Feliz 2012!

Antes de encerrar, só para deixar algo no ar para a posteridade: e os culpados do mensalão, hein? Hein? Hein?

Salvem as baleias. (Decididamente) não joguem lixo no chão. Não fumem em ambiente fechado.

De volta ao topo comentários: (11)

Sua Opinião

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Estado

Cidade

  1. Dag Bandeira disse:

    Os porcos! Sabem por que eles ficam sempre enlameados e levam a fama de sujos? Porque estão sempre se lavando, precisam de água corrente para sua higiene e como vivem em chão de terra (é necessário para eles), enlameam-se novamente. E o círculo, não vicioso, se processa. Faz parte da natureza deles. Aí os homens que entendem tudo errado tentam imitá-los. Sujam tudo, esperando os pobres dos garis(engenheiros, contadores, professores, advogados, escritores etc. que não encontraram seus lugares no mercado de trabalho)limpem. A esperança e a sorte é que temos artistas plásticos que usam essas matérias-primas e as transformam em arte. Calma, amigos, ainda há esperança para o Brasil.

  2. Jadiery disse:

    Na realidade o povo brasileiro dever reagir votando em pessoas sérias para os cargos públicos e esses que já passaram pelo poder e nada fizeram devem ser excluídos pelo povo por ocasião das eleições.

  3. Markut disse:

    Quem diria, Schamis.
    A parte do seu insistente bordão: “não joguem lixo no chão” passou a ter uma incrivel atualidade.
    Povo educado não joga lixo no chão, valendo isso para qualquer camada social, pois, lamentavelmente, vemos esse ato praticado em todas as classes de A a D.
    A nossa idade social equivale ao adolescente de 14 anos. Somos, pois, um país que precisa amadurecer e muito.
    O que o país mais necessita, com prioridade, é de uma autêntica Revolução Educacional.

  4. Leidy Santos disse:

    Enquanto não souber-mos cobrar dos nossos governantes, os mesmos irão fazer somente o que lhes beneficiem.
    O POVO QUE SE EXPLODAM!!!

  5. gesse cardoso costa disse:

    O ano novo já chegou velho! A presidente e mais da metade dos ministros de férias!Enquanto isso, as tragédias anunciadas continuam a acontecer. Pelo visto, a roubalheira do dinheiro público também! Esta turma de plantão no governo se preocupa em “encher” bolsos e cuecas! Mas como se diz: a justiça Divina está alcançando todos eles! Ainda vamos ver muita coisa boa acontecer neste ano, mas também vamos amargar um ano eleitoral abarrotado de falcatruas políticas. Espero que o zé povinho aprenda a votar, não se deixando levar pelo canto da sereia governamental, de que tudo está bem! Oxalá, ele aprenda!

  6. Áureo Ramos de Souza disse:

    Se está errado não sei, se Fernando Bezerra foi mais inteligente foi, pois aqui em Pernambuco as chuvas ainda irão chegar e o nosso ministro enviou 8 projetos já prevendo a chuva que será também intensa. É melhor previnir que remediar, o ministro antecipou-se, não é puxando o saco pois sou pernambucano, acredito que o feito foi de extrema necessidade quando o SOL que está castigando o nordeste é de se prever que vem muita CHUVA e se prevenindo será muito melhor. Não é puxando o saco do nosso ministro, vamos só ver se a verba será aplicada se a chuva castigar como se prevê.
    Áureo_Recife – PE

  7. Deise disse:

    O ditado é antigo mas não esconde a verdade: “depois da porta arrombada, bota-se a tranca.”
    Estas enchentes acontecem todo ano, durante o verão. São tomadas medidas paliativas,mas que não resolvem. Gasta-se muito mais em querer consertar os estragos do que se gastaria em prevenção. Enquanto isto, a população mais pobre que é sempre a sacrificada fica sem nada, a mercê da boa vontade dos governantes em resolver o problema.

  8. Luiz Mourão disse:

    “Salvem as baleias. (Decididamente) não joguem lixo no chão. Não fumem em ambiente fechado.”…
    Acrescento: não comprem de ambulantes; não eatacionem em cima do passeio; não avancem sinal de trânsito; não deixem o cocô do cachorro na rua; não sujem os parques e praias; não coloquem cadeiras e mesas nas ruas (privatizando espaço público); não coloquem cones em frente aos seus negócios (idem); não levem cachorros para a praia; não andem de bicicleta na contra-mão; (motorista de ônibus) não recuse o passageiro apenas porque ele é idoso; não destruam monumentos e intra-estrutura pública; não prestigiem o carnaval oficial (crime organizado disfarçado); …….

  9. João Carlos disse:

    Edemar, creio que a maior fonte de corrupção esteja justamente nas prefeituras. É mais fácil monitorar o governo federal, até pela transparência da aplicação dos recursos (portal da transparência).

    Já nos municípios, o que se vê é desvio de verbas da merenda, da saúde, da reconstrução após enchentes, cabides de empregos com fins eleitoreiros, e por aí vai.

  10. Edemar Motta disse:

    Peça ao prefeito de sua cidade, ao governador de seu estado, explicações sobre o porquê dos mesmos desastres todo inverno.

    De posse dessas explicações, ficará mais legítimo o deblaterar contra o governo federal.

    Sem isso, pura conversa fiada para iludir incautos.

    Rastrear recursos no âmbito federal não é difícil, vê-se a saída deles. O que não se vê é a chegada a estados e municípios, geralmente.

  11. Beraldo Dabés Filho disse:

    O Japão é uma potência anã.

    Menor do que a maioria dos estados brasileiros, há décadas desfruta de grande força econômica e tecnologia avançada em todas as áreas.

    Então, o que se poderia esperar de tal país, após um desastre da natureza? Claro que seria a reconstrução da parte afetada. Elementar.

    Pra terminar, existe algo no ar que certamente ficará para a posteridade: o livro “Privataria Tucana”.

    Hein! hein! hein! hein!