Início » Brasil » Política » Assédio moral: o ‘bullying adulto’ como acidente de trabalho
Tendências e Debates

Assédio moral: o ‘bullying adulto’ como acidente de trabalho

Está em tramitação na Câmara o Projeto de Lei nº 7.202/2010, que inclui o assédio moral como acidente de trabalho. Você já sofreu? Por Fabíola Leoni

Assédio moral: o ‘bullying adulto’ como acidente de trabalho
Testemunhas, documentos e outros podem ser exemplos de provas de assédio moral

Pode estar presente em um gesto, uma palavra, em escritos ou mesmo em comportamentos. O assédio moral não é novo e, agora, pode se tornar um acidente de trabalho – é o que defende o Projeto de Lei n.º 7.202/2010, que está em tramitação na Câmara. O governo estuda a possibilidade de atualizar a lista de doenças classificadas como acidente de trabalho, enquanto cresce o número de concessões de auxílio-doença. Ao mesmo tempo, críticos questionam a eficácia do método do diagnóstico. O que fazer diante de uma agressão verbal ou física dentro do ambiente profissional?

Saiba o que fazer em caso de assédio moral

Assédio moral é toda e qualquer conduta abusiva que, intencional e frequentemente, fira a dignidade e a integridade física ou psíquica de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho, de acordo com o Ministério de Trabalho e Emprego. Os autores do projeto – os deputados Ricardo Berzoini (PT-SP), Pepe Vargas (PT-RS), Jô Moraes (PC do B-MG), Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) e Roberto Santiago (PV-SP) – alegam que a ofensa moral cada vez mais vem sendo reconhecida como fator de risco nos ambientes de trabalho, com destaque para o assédio moral.

Luiza Junqueira, 34 anos, executiva, trabalhou por dez anos em uma empresa de comunicação do Rio de Janeiro. “Me transferiram para um novo setor e lá conheci o chefe que transformaria a minha vida num verdadeiro inferno”, conta ela, que teve seu nome trocado a pedido.

Os autores do projeto de lei apontam que há a necessidade de estender o conceito previsto na Lei 8.213/1991, que prevê que ofensa física só pode ser equiparada a acidente quando o motivo da disputa for relacionada ao trabalho. A autorização depende de aprovação na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público.

O advogado Bernard Rocha, do escritório Araújo, Cardoso, Rocha e Medina Advogados Associados, afirma ser a favor de o assédio moral estar entre os tipos de acidente de trabalho, conforme defende o projeto de lei. No entanto, ele contesta o processo de aferição. De acordo com o especialista, a estrutura previdenciária brasileira não oferece condições ao perito do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) realizar o trabalho de forma adequada, o que deveria ficar a cargo da Justiça do Trabalho. “Será que um perito do INSS saberá se um problema psicológico será causado por assédio moral e não por fatores externos?” Ele considera ainda que “o assédio moral é um bullying adulto”.

“Ele me chamava de burra, incompetente e tudo que fazia era sempre errado. E não era errado. Ele só tinha três meses de empresa e eu, dez anos. Cheguei a trabalhar 60 dias direto, sem qualquer folga. Um dia fiquei doente e levei ‘esporro’ por não ter ido trabalhar. Depois de um ano nessa situação, comecei a ter, realmente, problemas de saúde. Coração disparado, insônia, vários medos. Até o dia em que acabei saindo da empresa. Tudo porque ele queria colocar alguém do grupinho dele no meu lugar”, conta Luiza.

O caso da executiva não é único. De 2006 a 2009, a concessão de auxílio-doença acidentário saltou de 612 para 13.478 trabalhadores. A ofensa física revelou-se um dos principais motivos. Testemunhas, e-mails, documentos e circulares internas podem ser exemplos de provas de assédio moral, segundo Rocha.

“O assédio moral só existe porque a educação está cada vez pior dentro de casa. O assédio moral está intrinsecamente ligado à educação. Precisa de lei para dizer que idosos, gestantes e deficientes físicos têm preferência de assentos em transportes públicos ou repartições. Isso é inerente. Estamos chegando ao ponto de dizer que é crime tratar mal seu próximo, xingar seu companheiro. E isso seria básico”, afirma.

Caro leitor,

Você concorda com a ideia de o assédio moral ser considerado acidente de trabalho?

Há estrutura para o Brasil verificar de forma adequada cada caso?

Você já foi vítima de assédio moral?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

53 Opiniões

  1. Isabel Cristina disse:

    Estou passando por isso na empresa onde trabalho
    Uma companheira de trabalho faz questão de dizer o tempo
    todo que ela é mais rápida que eu, que é melhor no que faz do que eu
    ela tem mais tempo de empresa que eu, tem mais experiência, quer me comparar
    fico triste com isso, pois fala na frente de outras pessoas, fico envergonhada e chateada

  2. Dorival Silva disse:

    Ivone, se você tiver testemunhas deve reclamar e esse colega deve ser despedido.

  3. ivone disse:

    Por favor me responda estou ansiosa

  4. ivone disse:

    Eu trabalho em uma empresa não tenho o que reclamar desta empresa,mas tem um funcionário que não concorda com o meu cargo na empresa ,só por que o meu trabalho e esforço me fez crescer na empresa e ele não e ele vive falando pra todo mundo que eu roubo na loja que sou vagabunda e eu não presto que sou fdp daí pra baixo,gostaria de saber o que fazer e se ele pode ser mandado embora por justa causa por favor me responda urgente URGENTE NÃO AGUENTO MAIS ME AJUDE

  5. paulo roberto menezes cavalcante disse:

    Sim minha resposta assedio moral vem destruindo famílias e seus lares principalmente causas patológicas depressão sidrome panico

  6. DIOGO RAIMUNDO SANTOS DA SILVA disse:

    estou a ver isso quase tudos os dias .. comigo . pois ontem vir isso na minha frente com minha colega de trabalho , meu gerente chamou ela de imprestavel . eu fiquei sem sabe o quer fazer o que fala, simplemente ele perdeu mais um funcionário ,e mais uma vez as coisas ficou por isso !!!!!!!!!!!!!1

  7. sara disse:

    Não sabia o que era assédio moral ate passar por experimentar o que seria isso.
    quando cheguei a minha psiquiatra e relatei o que me ocorreu em um so dia ela se assustou e disse; vc esta sendo vitima de assédio moral é porisso que vc esta assim ,mas era tarde meu corpo ,mente já não aguentou mas quando depois de um atestado dela logo apois uma tentativa de suicidio um atestado de 07 dias resultou depois de umas semanas minha demissão sem afastamento nem ter passado pelo inss .fui demitida sem fazer nenhum exame.
    pois meu gerente havia mandado fazer uma avaliação medica amas ou menos uma semana no qual falei ao medico que tinha depressão e fazia uso de varios medicamentos,ele me perguntou;
    ——vc consegue trabalhar tomando todos esses medicamentos ?eu respondi que sim, mas sem ser humilhada pois o remedio me controlava mas não fazia milagres. ele então me respondeu vc quer trabalhar eu respondi que sim pois meu trabalho apesar de momentos humilhantes eu me sentia capaz ,me sentia ultil mas infelizmente depois de alguns dias fui demitida e meu quadro se agravou ao nivel de desistir da vida ,mas tenho dois filhos que precisam de mim então preciso existirrr

  8. sara disse:

    fui vitima por muito tempo ,eu era constantemente humilhada pela minha chefe do setor (encarregada de frente de loja) ela me fazia de sua criada ,enquanto ela se maquiava e se penteava eu fazia o seu serviço e o meu isso era diariamente ate que um dia fui chamada para fazer um outo tipo de serviço no qual não sabia mas aprende ,ela achando que isso me fazia bem pois esse outro serviço extra me deixava um pouco longe dos seus olhares maldosos reclamou muitas vezes por atrapalhar o setor ,que segundo ela precisava de mas operadoras de caixa ,seu alvo era eu!!!em fim depois de humilhações ,conversas de pessoas ao meu respeito ,de me desmoralizar falando que eu fazia uso de drogas e a insutei com palavras de baixo nível que tirei a blusa na presença de empregados ,ela finalmente conseguiu me matar quando falou que eu poderia ser prejudicada no trabalho por tantos atestados e declarações medicas eu talves seria demitida pois era uma grande causadora de sobrecarga para todos. tentei o suicidio mas deus me deu outra chance mas me tomou o emprego estou desempregada ,inultil pois não sou capaz do que eu tinha força pra fazer…..

  9. Francisco disse:

    Trabalho como Corretor Autonomo em uma empresa a 10 anos, e no amigo oculto de 2010 o Diretor Financeiro me tirou e me presenteou na frente de todos inclusive do DONO da empressa( que por final gostou demais e sorrio bastante)um CAIXA embrulhada em papel de presente dentro tinha varias objetos entre eles um SONRISAL e outros objetos e um que me causou grande constragimento alem de CRACHÁ com um apelido, que dai por diante virei motivo de gozação nos dias de acertos e pagamento entre os outros colegas. Não estou mais suportando as brincadeiras de mal gosto, minha produtividade caiu e não tenho mas clima na empresa. Posso recorrer ao TRT por assedio moral ou bullying adulto ? Pois tenho o KIT BULLYING guardado até hoje e um colega que não gostou da brincadeira de mal gosto e tá disposto a testemunha por mim.

  10. valdeci teixeira alecrim disse:

    BOM eu considero sim ,um abuso sem igual e intoleravel. DESDE que o individuo cumpra com seus deveres,para com a empresa; tenho testemunhas que virao, meu encarregado por varias vezes, me chamar de velho imprestavel, disendo que eu aos47 naos de idade tenha a aparencia de um senhor de 80 anos e por varias vezes ele me ameaçava de demiçao sem causa alguma,aliaz nao so eu mas outros tabem! bom eu fui demitido sim por causa dele mesme ,e tive notisias que ele deu muitas gargalhadas, pois agora eu vos pergunto um cara desses tem um potensial para dirigir uma empresa me digam a verdade sejao sinceros contigo mesmo,.tem? eu gostaria muito,que eata carta chegasse as maos do diretor da empresa estrututal concretos ou basalto pedreiras ,para serem tomadas as devidas providensias ; obrigado, ,,,nome do encaregado do concreto wliam.

  11. MARIA ALAIDE DEJESUS SILVA disse:

    Estou me sentindo muito mal em meu ambiente de trabalho, sou “suspeita” de algo que não fiz. Ninguém me acusou formalmente, mesmo por que não existe nem uma prova contra mim, mas os olhares e boatos são bem claros.
    Procurei uma funcionária para conversar à respeito e ela me afirmou que os diretores da repartição pública onde trabalho foram unânimes ao deduzir que fui eu.

  12. Professora disse:

    Eu sou a favor do assédio moral ser considerado um ACIDENTE DE TRABALHO, pois com certeza É UM ACIDENTE DE TRABALHO.
    Ainda não consigo acreditar que existem pessoas inescrupulosas dessa forma, que pra tomar o poder fazem qualquer coisa, pra mostrar o poder denigrem a imagem e o psíquico de um bom profissional.
    Sofro assédio moral diretamente de minha diretora. Além disso, ela faz com que todos os demais se virem contra as pessoas que ela não gosta. (se trata de escola pública, renomada, e ela não pode demitir)
    É triste ver pra onde caminha a humanidade.

  13. Diogo Oliveira Salgado disse:

    Eu fui agrdedido fisicamente por uma funcionàrio que me colocava apelido e não reagi fui mandado embora

  14. gilvando araújo disse:

    Este mal assola as grandes empresas, fazendo devassa na vida dos seus funcionários, com chefes que ainda estão na idade da pedra e são comandados por coronelismo. Parece que a Democracia ainda não chegou nas grandes empresas, o que nós vemos é desmando, assédio em toda as partes. O poder publico, os Governos, a sociedade no geral tem que se juntar para combater este câncer, este mal, que pertuba ,destroi a dignidade humana. E as empresa, de modo em geral, não estão nem aí com estes acontecimentos de assédio moral que se vê em todas as partes nas empresas. Estamos, sim, precisando de legislação mais dura para estes que maltratam humilham e fazem cada vez mais o profissional de tal empresa ficar doente. Na realidade, eles querem que o funcionário peça demissão, por isto ficam arrumando situações, como suspensão, advertência.. coisas deste genero, realmente é para ficar indginado. O que se tem que fazer de imediato é PROCESSAR, procurar logo a justiça e PROCESSAR, pedir seus direitos de danos MORAIS O MAIS RÁPIDO POSSIVÉL. Só assim eles vão parar um pouco. POR ISSO, SE VC SE SENTIU PERSEGUIDO, CONSTRANGIDO, HUMILHADO E ASSEDIADO, NÃO TENHA DÚVIDA, PROCURE LOGO OM ADVOGADO, DO SEU SINDICATO OU NÃO, E PROCESSE SEM PENA PARA RESTAURAR SUA DIGNIDADE
    E DIZER QUE A EMPRESA ESTÁ ERRRRADA E VOCE ESTÁ CERTO(A). Questão de honra, e com certeza vc vai ser indenizado*****

  15. SILVIO ANTONIO DE SOUZA disse:

    Pior que o assédio e a vitima não se dar conta de sua existência e não se importar com o tratamento, pois se sente menor que o outro, o superior pode fazer o que quiser, vivemos inconscientemente, moralmente em regime de escravidão o patrão o chefe são melhores, pois detêm o cargo ou e seu dono.
    Nossos órgãos (Judiciário e INSS), não têm pessoas preparadas para analisar esta questão. Por isto não sei se uma Lei pode resolver o problema ou agrava-lo.

  16. Valdir costa disse:

    No ministerio da gricultura ocorre assedio moral rebaixa servidor de agente de atividade agropecuria para auxiliar de agrpécuaria, e este cargo que era deste servidor com quem esta.

  17. Valquiria disse:

    Prefiro não divulgar meu nome mas também passei por isso a pouco dias a mulher do meu patrão me humilhou e me xingou de tudo e sempre me falava que tudo que fazia estava errado dizia que não sabia por que eu ia a escola se não estava aprendendo nada.
    Fala que as pessoas da cidade que eu moro é tudo medilcre.

  18. alessandra disse:

    Ola, eu também estou passando por uma situação parecida eu ja falei com o meu chefe e nessa semana eu nao aguentei mais falei pra o gestor da firma e eles me mandarão para um posto em outra cidade na qual eu ja trabalhei, mas a questão é que ja falarão com a pessoa mas cada vez que os superiores fala com ela as provocações fica pior e ate quando eu vou ficar fugindo, o meu trabalho fora do ponto de operação fica lento e sem resultado.
    Acho que os nossos chefes fecha os olhos para esse assunto, afinal ficamos mais tempo na empresa do que com a família.

  19. soraia disse:

    Dorival,agradeco a sugestao mais ja reclamei com meus supervisores que disseram que nao estao vendo a coisa acontecer e com isso naopodem fazer nada.disse a eles que claro que nao fariam na presenca deles,mais nao adiantou.quanto a arrumar outro emprego,ja tenho 50anos,oque dificulta um pouco as coisas nesse sentido.obrigada pelo apoio.

  20. Dorival Silva disse:

    Soraia, você não pode se queixar na área de RH da empresa? Ou, se for empresa pequena, direto com o dono? Fora isso, melhor procurar outro emprego.

  21. soraia disse:

    Na verdade,nao sei oque dizer.Estava aqui procurando uma pagina para desabafar tudo que estou passando no meu trabalho.Estou sofrendo Bullying por parte de algumas pessoas que insistem em me humilhar,ofender,rir de mim e me hostilizar todo o tempo.Nesse momento, e sabado,9 hs da noite e ja comeco a pensar que tenho que voltar na segunda e encontrar aquelas pessoas horriveis.Estou tomando antidepressivos dia e noite e mesmo assim,vou ao banheiro do trabalhor chorar todo o tempo. Meu corpo treme, tenho medo,insonia e nao conto a ninguem por medo tambem.Cheguei a pensar em suicidio ou pelo menos inventar uma doenca para nao ter que voltar.alguem pode me ajudar??????????

  22. Noely disse:

    Há muito ja deveria ser considerado acidente de trabalho, o stress surgiu com certeza devido a essa prática, eu já fui vitima assédio moral no serviço publico por aqueles que entram provisoriamente como agentes políticos, se achando os reis da cocada preta, na maioria sem nenhum conhecimento, autoritários e incompetentes que passam a maltratar funcionários efetivos competentes pela simples demonstração de poder e tirania. Infelizmente, com essas ações que deviam figurar nas práticas de crimes hediondos fizeram com que a fibromialgia aparecesse e hoje tomo vários remédios para amenizar s dores já que não tem cura, já fui afastada várias vezes devido as dores intensas e seus sintomas, vamos aguentando, mas, chega um momento em que o corpo começa a sentir o sofrimento constante e desaba. Os parlamentares, nossos representantes devem olhar com mais carinho e preocupação para esses casos e efetivar leis que realmente punam esses agentes criminosos, principalmente no serviço público, onde o agente não responde pessoalmente pelo que faz, a indenização não sai do bolso dele, a vitima quando ganha receberá por precatórios que se estendem por anos, muitas vezes depois da morte da vítima, é uma realidade e no Brasil já chegou a proporções imensuráveis e devem ser coibidas o mais urgente possível até mesmo para amenizar o montante de trabalhadores afastados pelo INSS devido a doenças advindas do assedio constante por parte de déspotas!!!

  23. marina disse:

    Com certeza tem que se considerado acidente de trabalho, eu já fui vitima assédio moral no serviço publico perante meus colegas de trabalho e o e pelo próprio chefe eu tive que pegar afastamento para poder cuidar do meu psicológico e do corpo porque fui aguentando quando chegou um tempo meu corpo começou a sentir o sofrimento que eu passava. Tem que dá um basta nesta sintuação para quem pratica

  24. Luiz Gonzaga Soares Neto disse:

    Mais do que ser considerado uma das modalidades de “acieente do trabalho”, o assédio moral laboral deve ser tipificado penalmente, pois só assim os agentes ativos de tais condutas poderão, com o tempo, além de perder sua primariedade, tornar a repetição do ato um motivo mais do que justo para serem postos numa “gaiola”

  25. Carlos Leonidas disse:

    O bulling adulto não é motivo para o INSS, pagar por isso, mas acho que se comprovado o autor do bulling deveria ser processado. Se provado que a empresa e conivente com o fato, a mesma deveria efetuar um pagamento de idenização determinado pelo juiz, assim estes acontecimento seriam reduzidos na integra.

  26. celso jose disse:

    Na minha opiniao quanto ao bullying deveriamos ter mais dignidade como parte da sociedade que por sua vez permanece excludente e omissa nos direitos basicos. Nossa postura politico social geografica farsamente predispoe a pratica imoral como pano de fundo ou moldura de tela. Somente poderiamos combater essa violencia politico social com mudanças nas leis e prisoes. No brasil terra de samba cachaça e futebol tudo vira festa assim somos descrachados enfim. Vivermos no brasil ja caracteriza assedio moral para todos os moradores e brasileirinhos(as)´denunciar semexpor-se impossivel somente a uniao por um brasil melhor podera mudar sou a favor de uma revoluçao social em nosso pais.

  27. Maria Ocília Martins Pereira disse:

    Gostaria de saber se deixar de cumprimentar um colega de trabalho na entrada e saida; numa conversa entre colegas observar que algúem é de propósito excluido, gracejos direcionados, dizer que se sente desconfortavel quando algém expõe uma situação particular do seu dia a dia, pergunto é assédio moral no trabalho?

  28. Tchilla Helena Candido disse:

    Assédio Moral é Bullying!! Houve uma distorção da tradução da palavra para definir como Assédio Moral entre alunos em escola…
    Mas muito antes do Brasil adotar o termo Bullying para os casos de alunos, o termo é utilizado na Inglaterra como Assédio Moral no Trabalho, aliás, como perseguição, psicoterror no ambiente de trabalho.
    Conquanto ser um Acidente de trabalho, não resta dúvidas.
    É essencial lembrar o artigo Art. 19 da Lei 8.213: “Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a
    serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do art. 11 desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou redução,
    permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.(…)”
    Por esse dispositivo não é difícil perceber que em muitos casos o Assédio Moral pode e deve ser cotejado a um Acidente de Trabalho.
    Autora do Livro:
    Assédio Moral Acidente Laboral – LTr – 2011

  29. Lúcia disse:

    Sou a favor!…Estou passando uma fase dificíl, acho que os responsáveis tem que serem púnidos de alguma forma.Além das homilhações pelas quais passo, estou enfrentando problemas físicos por fazer trabalhos pesados, mesmo com um atestado médico que, eu não podería executar tal função.
    No momento estou afastada pelo o INSS, mas a pior coisa que pode me acontecer; é eu não poder trabalhar como antes.Não acredito na justiça, pois acho que além de cega é surda e muda.

  30. Vanusa disse:

    Nossa totalmente a favor!…. Esse tipo de assédio nos deixa sem respostas. Ás vezes eu paro e penso: nossa q situação mais infeliz! E não posso fazer nada. Pior, se eu resolver denunciar, a quem recorrer? como resolver tal infortúnio? A pessoa quem criou o bullying pode simplesmente me tirar de loca, já que ela tem todos os atributos malignos de o fazer devido ao seu passado. Já vivi isso muitas vezes em todos os empregos que tive. O Brasil, não sei se no mundo inteiro também é assim (talvez os países mais desenvolvidos não), está longe de chegar a um consenso entre educação e respeito. O que me fortalece é saber que esse tipo de pessoa tem a alma pobre.

  31. Helena Candido disse:

    Durante três anos eu estudei, li, pesquisei e elaborei um livro que está na Editora LTR para ser publicado, desde março de 2010, sob o título Assédio Moral: Acidente Laboral. Parabenizo o site Opinião e Notícia pela publicação da matéria. Helena Candido Advogada Porto Alegre/RS

  32. ROSANGELA disse:

    bem,
    estou aqui pq. desde que fui demitida por um chefe do qual me admitiu e só depois de alguns meses descobri atraves dele que me queria como mulher, fiquei chocada e pedi que ele me respeitace, mas as coisas pra mim foram piorando e ele se tornou cada vez mais agressivo comigo e quando ele percebeu que eu ñ iria ceder as agressões e cantadas, inclusive me passando as mãos, ele começou a ter reações das quais seria pra que eu pedisse a demissão, falava mal do meu trab. quando no inicio ele elogiava, me humilhava d todas as formar, só que ñ pedi a demissão. da onde um dia ele me fez a ultima proprosta da qual me recusei de novo e ele disse que então eu ñ trabalharia mais com ele!
    perguntei-lhe, então ele só me colocou ali por aquele motivo?
    ele disse que si!
    me disse que eu fui a pior pessoa da qual trab. pra ele!
    quando no inicio ele me elogiava!
    sai dali chocada, humilhada, triste, abatida, envergolhada, querendo morrer!
    ele saiu depois disso falando mal de mim pelo bairro, pois, moramos perto do trab.
    isso me fez sentir pior ainda!
    hj. me encontro muito mal!
    poior a cada dia, ñ durmo sem tomar remedios e tenho vontade de morrer e me sinto totalmente incapaz, sem vontade de sair da cama, se vontade de sair a procura de um novo trab!

    tenho medo em denuncia-lo pois, ele é homem e tem muitos amigos advogados no local!
    ele vive nos bares do bairro e meu medo é que ao denuncia-lo eu passe por mais constrangimentos!
    ele tem dinheiro e pode pagar pra seus amigos o defender, a empresa é composta de 5 pessoas, um socio que é amigo de anos, sua filha e a cunhada de sua filha ele e um boy!
    sei que a filha dele e a cunhada viu ele passando a mão em mim, mas sabe, ne? eles jamais vão depor contra aos e etc…
    o que eu faço para ter certeza de que terei exito caso venha a denuncia-lo, a lei resguarda a funcionária?
    por favor me ajudem estou muito mal mesmo, isolada e muito deprimida.
    lembro que quase no final eu saia pelas ruas da zona sul do rio chorando, pq. alem de estar sofrendo acedio e humilhações sabeira que ele iria me mandar embora, que meu dias estavão contados, pq. eu ñ iria ceder e ele ja estava irritado em me ver!
    parecia que estava com odio de mim!

    Atenciosamente,

    Rosangela

    PS. as respostas seram dadas por a qui ou atraves de meu e-mail?

  33. ALEX MACIEL disse:

    Concordo com a idéia de o assédio moral ser considerado acidente de trabalho sim, porém vejo que o Brasil não está preparado para verificar de forma adequada cada caso, pois sabemos que o Brasil cria leis a todos instante, mas em quase todos os casos faltam mecanismos de prevenção e de fiscalização para diminuir e coibir a prática de crimes e não seria diferente com a execução desse projeto que transformaria ass´rdio moral em acidente de trabalho..
    Ainda não sofri assédio moral, mas confesso que ja sofri o “horrível bullyng” e por isso sou um “instrumento para a inibição e erradicação total desses dois fenômenos horríveis que atentam à dignidade humana.Vamos cada um de nós fazermos a nossa parte para que o assédio moral e bullyng sejam extintos dos ambientes de3 trabalho e escola.
    Alex Maciel P.dos Santos.
    Advogado.

  34. BEATRIZ ANTONIETA LOPES disse:

    NÃO É ACIDENTE DE TRABALHO!

    Por tudo o que relatei posso afirmar que o que fizeram comigo não pode ser considerado “acidente de trabalho”, tudo foi feito deliberadamente, e o intuito era bastante claro: Desmoralizar,perseguir e prejudicar!

  35. BEATRIZ ANTONIETA LOPES disse:

    ASSÉDIO MORAL

    Em nossa cidade os casos de DENGUE são constantes, bem como as epidemias ocorrem a cada 04 anos), fato que me preocupou desde que vim residir no Mato Grosso e, devido a isto decidi prestar vestibular e estudar sobre insetos vetores e as patologias por eles transmitidas.
    Pelo fato de discordar das ações desenvolvidas em nosso município pelo coordenador da vigilância epidemiológica e de seu compadre, chefe do centro de controle de zoonoses que aliados ao secretário de saúde, que sem maior conhecimento na área de saúde pois são cargos políticos.
    Passei a sofrer sistemáticas perseguições e retaliações, pois no local colaram avisos para ‘não mexer neste computador’. Não foi sequer disponibilizado material básico de trabalho, embora tenha sido enviada para trabalhar no local pelo prefeito, preocupado também com o elevado número de casos de LEISHMANIOSE humana e canina.
    Sou concursada, Bióloga, possuo curso em Entomologia Médica, tenho amplo conhecimento sobre insetos vetores. Não estava nem estou em busca de cargo político, meu foco é o controle correto e adequado destes insetos patogênicos ao homem e aos animais. Não é uma UTOPIA e sim um direito de cada cidadão ter saúde e é uma obrigação da coordenação proporcionar ambiente saudável!
    Este Assédio Moral causou graves danos à minha saúde… E quanto a população? Esta semana morreu mais uma mãe de família, de LEISHMANIOSE! Muitas pessoas estão com a doença e ainda não sabem, pois se trata de uma patologia silenciosa, que quando se manifesta muitas vezes é tarde demais…
    A DENGUE? Tem feito muitas vítimas, a cada epidemia! Crianças, bebês, adultos, vários óbitos!

  36. Beraldo Dabés Filho disse:

    Ontem no “Jornal Nacional” a Rede Globo, sabidamente contrária ao PT, entrevistou José Serra e o apresentador o questionou sobre a notícia já consolidada no País, de que ele é CONSERVADOR. Lógicamente ele não teve outra resposta que não fosse a negativa.

    Pelo visto, a minha fonte está bem informada, podendo concorrer com o “serviço de inteligência” da Rede Globo de Televisão.

    Trabalhei durante 25 anos, 15 dos quais como Gerente na Área de Recursos Humanos, em empresas industriais de médio e grande porte.

    Conheço razoávelmente bem os estilos de Chefia, cujos titulares se situam, via de regra entre os democráticos, os tecnocráticos e os autocráticos. Alguns reunem características de dois ou até dos três estilos.

    Os piores gerentes são os AUTOCRÁTICOS, aqueles que se utilizam dos poderes inerentes ao cargo, para levar avante os seus projetos.

    A principal característica dos autocráticos é a centralização do poder e a apropriação dos méritos dos seus subordinados Ou seja, não delegam nada, mas colhem todos os louros dos bons resultados. Os fracassos? Ah!! são sempre culpa dos subordinados diretos.

    Este é o perfil gerencial do candidato José Serra.

    Quando a TV Globo, em pleno horário nobre e ao vivo, fez a clara insinuação, diretamente ao seu candidato preferido, muitos como eu e a minha fonte, que já sabíamos, passamos a ter absoluta certeza de que o candidato José Serra é autocrático, centralizador e bruto, daqueles que berram e ofendem os subordinados diretos.

    O pior cego é o que não quer ver!!

  37. Rafaella Trindade disse:

    Acho essa proposta maravilhosa. Já fui vítima de assédio moral em pelo menos dois lugares nos quais trabalhei.
    De fato, nunca sabemos a quem recorrer e nos sentimos pequenos diante dessas situações, pelos menos eu me sentia, já que o assédio vinha por parte de pessoas de melhor posição na empresa.
    Punição neles!!!

  38. helio (rio de janeiro) disse:

    Encontrei o Serra no Mercado em SP, gentil, suave, cheio de amigos por lá. Foi muito gentil com nosso grupo carioca, e não estava em campanha.

    O Serra tem idéias e persiste, candidatou-se várias vezes e está a frente em SP onde já foi governador, prefeito etc.

    Plinio disse que ele é do Bem.

    Já a candidata, não é uma fonte, são todas e unânimes, de amigos e inimigos. É centralizadora, truculenta. E é a sua primeira candidatura.

  39. VALZIRENE disse:

    ACHO EXELENTE IDEIA PQ PASSO POR ESSA SITUAÇAO

  40. verammendonca@ig.com.br disse:

    Eu acho que a matéria deveria estar no ambito do direito do trabalho, com direito do empregado que sofreu o assédio moral poder cobrar indenização. Isto de caracterizar acidente de trabalho, em não se tratando de ofensa física, fica difícil para os peritos do INSS avaliarem, além do que , repassar mais um custo para a previdencia, fatalmente vai gerar aumento de alíquotas para as empresas, onerando aquelas em que estas situações não ocorrem. Não e melhor punir diretamente o ofensor? Quanto ao serviço público, seria melhor uma lei que proibisse que os cargos de confiança fossem indicados livremente. Deveria ser obrigatório nomear dentre os concursados e acabar com o privilégio de incorporar nos salários a vantagem do tempo de confiança. Aqui em SBC tem uma senhorita que é formada em odontologia e foi nomeada para a Secretaria de Obras, não é um descalabrio?

  41. ana rosa a. nonato disse:

    sim, principalmente no serviço público, onde os chefes são cargos de confiança temporários que são na maioria indicados não tem competência para a função, fazem de tudo pra mostrar serviço,as custas dos subordinados, mas eles se esquecem que eles vão e os funcionários ficam mesmo que sequelados.

  42. Heloísa Mouta disse:

    É realmente uma questão de educação.. de formação moral e de caráter.O que o outro ganha ridicularizando o próximo? Querer ferir a imagem alheia mostra apenas insegurança e sentimentos de ameaça. Também é típico em pessoas gananciosas, que buscam o poder acima de todas as coisas e por isso passam por cima dos outros. Fazem alianças e declaram guerra por um cargo, um aumento, um salário!!! Onde a humanidade vai parar???
    Não sei se deveria ser considerado acidente de trabalho, pois uma indenização ou outra não irá mudar o caráter do agressor, que geralmente é um lobo na pele de um cordeiro! O perfil de quem pratica assédio moral não é tão facilmente reconhecido pelos superiores…. Se isso não ajuda, o melhor mesmo é pedir demissão e tocar a vida esquecendo das coisas que para trás ficam…

  43. MeiriLucia disse:

    Sim deveria ser considerado como acidente de trabalho, Tenho um amiga que sofer de sídrome do pánico por causa do engarregado que vivia ofendende-la, eu tenho um problema na pele por causa de uma gestora com quem trabalhei fui muito humilhada chamada de burra, ela chegou ate´ me dizer que meu patrão não me mandava embora por que tinha pena de mim hoje ja não estou mais na empresa mais continuo sofrendo com estes problemas em minha pela ela continua na empresa com as grosseirias dela insultando chefes de familia,prejudicando pessoas ofendendo para livrar a própria pela

  44. Beraldo Dabés Filho disse:

    A propósito da matéria acima e, repetindo recente comentário que fiz sobre outra matéria, tenho informações de quem militou nos bastidores do PSDB, de que o candidato José Serra, no exercício do poder em São Paulo, é autocrático, centralizador e bruto, do tipo que trata os subordinados diretos, com gritos, palavrões e ofensas pessoais.

    Ele me foi descrito como verdadeiro lobo em pelo de cordeiro.

    Me replicaram, dizendo que o meu comentário era apenas para compará-lo à imagem de autoritária da Dilma Roussef.

    Consultei a minha fonte, que não só confirmou
    como também acrescentou que, fora do ambiente de trabalho, ele age do mesmo jeito. È sua característica desde os tempos de militância na UNE, quando também não admitia opiniões divergentes.

    O espisódio recente e mal entendido pelos seus seguidores, da indicação de um vice sem nenhuma expressão, no mínimo induz à reflexão sobre o seu estilo gerencial, que está parece estar mais para capataz do que para líder.

    A aparencias enganam…e este seria o caso.

    Com o aparato e fontes disponíveis, sugiro aos que duvidam, pesquisas a respeito. Hoje, nada é difícil de ser confirmado.

  45. rodrigo disse:

    Já fui vitima de assedio moral sim, trabalhei em uma empresa que tinha uma regra da seguinte forma, todo funcionário que chegasse na hora para trabalhar ganhava uma cesta básica , caso você chegasse atrasado 15 minutos perdia a cesta havia tolerãncia de 10 min; Bom houve um dia em que sofri um acidente cortei minha mão no vidro do setor onde trabalhava, fui lavar a mão porque estava saindo muito sangue, quando voltei liguei para a responsavel do RH , ela estava vindo para me socorrer, meus colegas de trabalho estavam me acompanhando até o RH , então no meio do caminho desmaiei, A responsvel do RH gritava comigo para levantar do chão, depois de uns 5 min eles me levantaram e carregaram até a recepeção, eu estava com fraqueza e tonto neste dia não havia levado marmita porque tinha saido muito em cima da hora para trabalhar, então pedi a mulher do RH para arrumar emprestado ou descontar do me salário determinda quantia, ela me respondeu “aqui é uma empresa não fazemos emprestimos,e nem adiantamos dinheiro eu não tenho culpa se você perdeu sua cesta básica em um tom de indiferença, eu falei para ela então você precisa conhecer Deus por eu estou passando mau tinha perido muito sangue pela mão, não tinha almoçado ainda depois ela subiu até a diretoria e alguém ouviu e deu a ela para entregar para mim ,depois disso não sentia vontade nenhuma de trabalhar em uma empresa como aquela.Ainda no caminho ela foi discutindo e dirigindo ao mesmo tempo na BR116 até o pronto socorro ainda falou que deveria ter deixado eu ir de ônibus até o pronto socorro.

  46. L Paes de Almeida disse:

    Acidente é, por definição, um evento não proposital. Ninguém cai de um andaime ou escorrega no chão de propósito.
    O assédio moral, tal como o sexual, é um comportamento proposital, em que alguém causa danos morais a outra pessoa de modo consciente e continuado.
    Logo não pode ser considerado acidental, nem tratado como acidente de trabalho. Deve ser tipificado em lei como uma perseguição de certo tipo,afrontas, etc. Os resultados, se houver, podem se enquadrar em algum tipo de prejuízo de natureza trabalhista, mas não é um acidente.

  47. Neusi Maria Manso disse:

    Por favor, Paulo,
    (de Maringá- Paraná)
    não me leve a mal. Apenas como troca de idéia:onerar é uma palavra que não se inicia com a letra “h”.

  48. Neusi Maria Manso disse:

    Ainda não sei bem porque mas não estou a favor do assédio moral ser considerado acidente de trabalho. Preciso estudar melhor o assunto.
    Se ainda é difícil comprovar o assédio prá que incluí-lo em outra figura jurídica?
    Prefiro ver os legisladores empenhados em re solver conflito tão doloroso com isenção e justiça do que ficar volteando para mascarar a impunidade.

  49. helio (rio de janeiro) disse:

    Penso como Paulo de Maringá. Regras de comportamento no trabalho e na política parecem estar cada vez mais tênues. É assustador.

  50. Rogerio Koerich disse:

    Não acidente de trabalho e sim crime no trabalho. Assédio moral é uma vergonha, principalmente aqueles que detêm o poder e têm dinheiro. Hoje parece que melhorou, mas até alguns anos atrás, você ia no Cartório de Imóveis do Guará I, em Brasília e via o dono do cartório enfiando a mão na cara de funcionários, chamando a atenção de outros e humilhando uma pobre senhora que era obesa, de balanha etc. Hoje me parece que para não perder o cartório se aliou a um pastor e ora que ora. Uma hora está com o pastor e outra com demônio. Coitado….do seu maneca….

  51. Adelaide disse:

    super interessante a matéria!!

    O projeto de lei parece um pouco exagerado, mas a idéia de coibir o assédio moral dentro do trabalho é super válido!

  52. paulo disse:

    Nao concordo, porque vai honerar ainda mais o INSS, acredito que o empregado que se sinta lesionado nessa questao de assedio moral, tenha que reunir as provas cabiveis e entrar na Justiça do Trabalho, assim com é feito no assedio sexual.

  53. Rachel disse:

    Excelente matéria! Não concordo com o projeto de lei, acho que assédio moral deve ser tratado separadamente. Não é acidente de trabalho, na minha opinião. Isso seria menos uma rédea para a Justiça Trabalhistas que faz suas próprias leis e chega a pisar na Constituição, em alguns (vários) casos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *