Início » Brasil » Política » Ban Ki-moon condena novos assentamentos israelenses
Oriente médio

Ban Ki-moon condena novos assentamentos israelenses

Para secretário-geral da ONU, planos de novos assentamentos em Jerusalém Oriental são 'ilegais' e 'não terão reconhecimento internacional'

Ban Ki-moon condena novos assentamentos israelenses
Para Ban Ki-moon, construções contrariam pedido de que provocações sejam evitadas

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, acusou Israel de provocar a comunidade internacional, ao aprovar novos assentamentos em territórios palestinos, enquanto são realizados esforços para retomar as negociações de paz. Ao mesmo tempo em que ressaltou uma crescente frustração, Ban Ki-moon também acrescentou que acrescentou que nenhum novo assentamento terá reconhecimento internacional.

O comunicado foi divulgado pelo porta-voz do secretário-geral oras após o grupo Peace Now afirmar que Israel havia apresentado formalmente planos para um novo bairro de assentamentos em Jerusalém Oriental.

“O secretário-geral está profundamente preocupado pelos contínuos esforços em avançar o planejamento de novos assentamentos israelenses em Jerusalém Oriental”, disse o porta-voz Martin Nesirky. “As recentes iniciativas neste sentido foram inaceitáveis, em particular enquanto há esforços em andamento para retomar as negociações, e correm em sentido contrário ao pedido do Quarteto às partes para que evitem as provocações”.

O Quarteto para o Oriente Médio – Estados Unidos, Rússia, União Europeia e Nações Unidas – lançou uma nova tentativa de retomar as negociações de paz no dia em que o presidente palestino Mahmoud Abbas fez uma apresentação para que a Palestina seja reconhecida como um Estado membro da ONU.

“O secretário-geral reitera que a atividade de assentamentos em Jerusalém Oriental e no resto da Cisjordânia é contrária ao direito internacional e às obrigações de Israel sob o roteiro, e deve terminar. Além disso, reitera que a comunidade internacional não reconhecerá ações unilaterais no local e que o status de Jerusalém apenas pode ser resolvido mediante negociações”, disse o comunicado da ONU.

A Autoridade Nacional Palestina, entidade presidida por Abbas, rejeitou as negociações diretas com Israel desde o fim de um congelamento da construção de assentamentos, em setembro de 2010.

Fontes:
Folha.com - Líder da ONU acusa Israel de "provocar" com novos assentamentos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Paulo-PI disse:

    DEsde quando Jerusalem oriental é território Palestino ?
    Esse Ban-KI-Moon está gagá.
    Dividir Jerusalém é a mesma coisa que dizer que a capital do Brasil é Buenos Aires.
    Essa turma da ONU em sua ânsia de condenar Israel a qualquer custo, já cansou. Já vemos muita gente começcando a repensar se deve realmente apoior árabes e palestinos, porque deles nunca vem nada de bom. É bom ter muita atençaõ com esse jogo de Xadrez que está em curso.

  2. Jose Milton DeQuevedo disse:

    No meu intender Ysrael jamais deve esperar apoio internacional, para se concretizar como Estado na região. Já que com a partilha da Palestina em 1947 ficou com apenas 23% das Terras. Os demais 67% Estão com os Arabes, o que eles querem afinal, se na sua constituição reza pelo fim do estado Judeu. Se eles os(Palestinos)Quizessem a paz tão almejada é so reconhecer o Estado de Ysrael que a paz virá em consequencia.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *