Início » Brasil » Política » CCJ aprova Toffoli
Justiça

CCJ aprova Toffoli

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou a nomeação do advogado-geral da União, José Antonio Toffoli, para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal. A votação foi secreta, com 20 votos a favor e três contra.

O principal opositor à nomeação de Toffoli foi o senador Álvaro Dias, do PSDB. O senador afirmou que Toffoli não possui “notório saber jurídico e reputação ilibada” necessários para o cargo. Dias lembrou ainda a ligação do advogado com o PT, para o qual Toffoli trabalhou nas duas últimas campanhas presidenciais.

Durante a sabatina, Toffoli argumentou que poderia votar no caso de Cesare Battisti. O caso está em andamento no STF, mas foi paralisado por um pedido de vista do ministro Marco Aurélio Mello, que deve votar contra a extradição, enquanto Gilmar Mendes votaria a favor. Caso Toffoli participe da votação e peça pela não-extradição, ocorreria um empate, provavelmente favorecendo Battisti.

Para Toffoli assumir a cadeira no STF o advogado terá ainda que ser aprovado pelo plenário do senado.

Fontes:
O Globo - Indicação de Toffoli para o STF é aprovada na CCJ do Senado após sabatina

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Evandro Correia disse:

    É uma vergonha essa aprovação, mas é o que se podia esperar desse bando de corruptos vendidos. José Antonio Toffoli não tem nada, nem notório saber e muito menos reputação ilibada.

  2. Bernardo disse:

    Espero que o jovem Toffoli seja independente e tenha a justiça como meta. Estaremos nesse período eleitoral muito mais atentos a sua atuação. Com o tempo e história os membros do STF terão a sua devida avaliação. Não só dos que praticam seriamente o direito, mas dos leigos que lerão sobre o papel que desempenharam. Logo logo saberemos a que veio.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *