Início » Brasil » Política » Cérebro humano serve de modelo para microchip da IBM
Nanotecnologia

Cérebro humano serve de modelo para microchip da IBM

Sem nenhum tipo de programação, chips foram capazes de jogar e identificar dígitos

Cérebro humano serve de modelo para microchip da IBM
Cérebro humano ainda consegue ser mais eficiente que novos chips (Reprodução/Revista Galileu)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A empresa IBM se espelhou na natureza para criar dois chips minúsculos. Segundo a empresa, os microchips cognitivos foram inspirados no cérebro humano e são capazes de reproduzir a complexidade de conexões do mesmo.

Leia também: Nanotecnologia ajuda no esfriamento de máquinas
Leia também: Toshiba investirá US$ 8,9 bilhões em nova fábrica de microchips
Leia também: Tatuagem ‘eletrônica’ permite monitorar pacientes

Os chips foram capazes de jogar Pong (antigo jogo eletrônico, que simula tênis de mesa) e identificar dígitos — tarefas já feitas por outros computadores antes. A diferença é que eles não precisaram ser programados para cada uma das atividades. A tecnologia pode até mesmo “aprender” a completar tarefas.

Os neurônios são compostos por uma parte chamada de axônio, responsável por enviar os sinais do sistema nervoso, e por outra chamada de dendrito, que é a parte receptiva da célula nervosa. As informações são passadas de um neurônio a outro por meio das sinapses — que são feitas sem os neurônios se encostarem, através de neurotransmissores.

Já os minúsculos chips da IBM são compostos de 256 fios paralelos semelhantes aos dendritos. A “fenda sináptica”, espaço entre os neurônios, são transistores de 45 nanômetros — 1 nanômetro equivale a um bilionésimo do metro. Os transistores atuam como a memória do chip. Um dos chips tem 263.144 transistores, o outro tem 65.536.

Os novos chips usam menos energia do que os convencionais. Isso porque os fios e transistores estão mais próximos do que nos computadores comuns. O objetivo da IBM é construir um supercomputador do tamanho de uma caixa de sapato. Ele teria o equivalente a 10 bilhões de neurônios, 100 trilhões de sinapses e consumiria 1 kilowatt de potência.

Enquanto um computador comum consome apenas centenas de watts, um supercomputador tradicional usa centenas de kilowatts. O cérebro humano, porém, consegue ser ainda mais eficiente: com 100 bilhões de neurônios e 100 trilhões de sinapses, ele consome apenas 20 watts.

A produção dos chips é patrocinada pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançados em Defesa dos Estados Unidos (Darpa).

Fontes:
Revista Galileu - IBM faz microchip baseado em cérebro humano

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. irismar disse:

    eu acho legal o avanço da tecnologia, mas porque avançar tanto? “todos” querem que as máquinas ultrapassem os seres humanos( o que acho uma ignorância na vida social)pessoal pra ser feliz não precisa de muita coisa, basta ser feliz… abraços amigos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *