Início » Economia » Internacional » China tenta recuperar seu lugar no mundo
O que a China quer

China tenta recuperar seu lugar no mundo

A China é a maior contribuidora para missões de paz da ONU e participa de patrulhamentos antipirataria na costa nordeste da África. Como os EUA devem responder?

China tenta recuperar seu lugar no mundo
Caso a China possa prosperar dentro do sistema, no entanto, ela o reforçará (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A tarefa da diplomacia nas décadas vindouras será a de garantir que tal catástrofe nunca ocorra. A pergunta é: como? As ambições da China têm uma dimensão histórica e até mesmo emocional. Mas em grande parte do mundo a China procura respeitar as leis existentes, não subvertê-las.

A China é a maior contribuidora para missões de paz da ONU dentre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da entidade, e participa de patrulhamentos antipirataria na costa nordeste da África.

A grande exceção se dá nas regiões leste e nordeste da Ásia. A China enviou navios e aviões para contestar o controle do Japão no Mar da China Oriental, apossou-se de corais reivindicados pelas Filipinas no Mar da China Meridional e instalou uma plataforma de petróleo na suposta zona exclusiva econômica do Vietnã.

Tudo isso gerou preocupações na região. Alguns estrategistas afirmam que os EUA podem manter a paz somente se forem firmes contra o expansionismo chinês. Outros instam os EUA a compartilhar o poder no leste da Ásia antes que as rivalidades levem ao desastre.

Os EUA não podem se retirar da região sem gerar consequências graves para a área e para o seu próprio posicionamento. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, a segurança americana foi a base da prosperidade asiática e de uma ordem cada vez mais liberal.

A ordem liberal, no entanto, precisa evoluir caso pretenda se manter. Negar a realidade do poder crescente chinês só fará com que a China rejeite o atual arranjo de poder mundial. Caso a China possa prosperar dentro do sistema, no entanto, ela o reforçará. É por isso que os EUA precisam reconhecer um aspecto cada vez mais desconfortável da sua liderança: a vantagem americana é inerente ao sistema, de modo que uma potência emergente pode vir a se desagradar com o status quo.

Fontes:
The Economist-What China wants

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *