Início » Brasil » Política » Crise chegará ao Brasil
Opinião

Crise chegará ao Brasil

A crise atual chegará pelo mesmo canal que hoje afeta os países desenvolvidos: deterioração das contas públicas. Por Adolfo Sachsida

Crise chegará ao Brasil
A crise que afeta diversos países é consequência do desequilíbrio fiscal. (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Estados Unidos e Europa parecem estar sofrendo os efeitos de uma crise que insiste em não chegar ao Brasil. Ledo engano. Os economistas do governo alardeiam por todos os cantos que o Brasil está pronto para enfrentar a crise. Estão errados. O objetivo deste artigo é explorar por que a crise ainda não chegou ao Brasil, e por que a mesma deixará estragos consideráveis em nossa sociedade.

A crise atual nas economias desenvolvidas resulta de um grave desequilíbrio fiscal: vários países usaram de artifícios contábeis para maquiar problemas graves de déficits públicos. Além disso, vários desses países aumentaram exponencialmente o gasto público com a justificativa de combater a crise financeira de 2007-09. O resultado dessas ações pode ser visto na crise atual. A solução para essa crise não é aumentar os gastos do governo, mas sim reduzí-los.

A primeira pergunta que nos propomos a responder é: por que a crise ainda não chegou ao Brasil? Não chegou ainda, pois aqui a situação fiscal de curto prazo não é das piores. Bem ou mal, o governo brasileiro tem conseguido manter o endividamente público dentro de cifras razoáveis. Contudo, aos poucos o governo brasileiro vem se distanciando desse comportamento prudente (herdado ainda da época de FHC) para se aventurar em situações, no mínimo, inusitadas. Os constantes aportes do Tesouro para o BNDES financiar empresas é apenas um dos inúmeros erros de política fiscal que estão sendo cometidos. Erros que com o tempo irão cobrar seu preço. Ou seja, ao analisarmos as perspectivas de finanças públicas no longo prazo, fica evidente o desastre que está por vir para a nossa sociedade.

A segunda pergunta: estamos preparados para crise? A resposta é não. Olímpiadas, Copa do Mundo, Previdência, Usina de Belo Monte, Trem Bala, relação Tesouro-BNDES, entre outros temas, são políticas erradas que pressionam demais o erário público, e que irão comprometer a situação fiscal brasileira no longo prazo.

A crise vai chegar ao Brasil, e irá chegar pelo mesmo canal que hoje afeta os países desenvolvidos: deterioração das contas públicas.

Fontes:
Ordem Livre - O Brasil e a crise

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Helo disse:

    As contas públicas, os gastos e a farra terão um preço. O congresso e o PT do mensalão não estão gostando da tal faxina, e se sentem “perseguidos”. Gostaria muito de saber como o STF julgará o mensalão em janeiro.

  2. Dimas disse:

    Não é necessário ser economista para entender o que se passa na economia do mundo atual.Dificilmente alguém se atreve a fazer uma análise realista da atual conjuntura econômica do país.Há uma unanimidade programada para levar a população acreditar que o Brasil é uma ilha de prosperidade e riquezas inesgotáveis.Todos os países irão sofrer, menos o Brasil. Afinal, o que esses economistas politicamente corretos estão fazendo? Estão prestando um grande serviço para o governo e um deserviço à sociedade.Esta é mais uma crise de conjuntura do capitalismo.
    Como o capitalismo tornou-se hegemônico a partir da década de 1990 com a queda do socialismo real, logo se há uma crise em um país ou em um bloco econômico todo o mundo capitalista irá sofrer as consequências.Ou esquecem que os países, inclusive o Brasil, compram e vendem produtos, serviços, títulos da dívida pública, aplicam recursos no mercado financeiro,pagam juros da dívida, dependem da balança comercial etc?

  3. João Cirino Gomes disse:

    Quanto de verdade pode haver nestas informações?

    Segue abaixo o relato de uma pessoa, que diz ter passado recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima.
    Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.
    Segue o assunto!

    As duas semanas em Manaus foram interessantes, para conhecer um Brasil um pouco diferente, mas chegando aqui em Boa Vista (RR) não pude resistir a fazer um relato das coisas que tenho visto e escutado por aqui.

    Conversei com algumas pessoas nesses três dias, desde engenheiros até pessoas com um mínimo de instrução.

    Para começar o mais difícil de encontrar por aqui é roraimense, pra falar a verdade, acho que a proporção é de um roraimense para cada 10 pessoas é bem razoável, tem gaúcho, carioca, cearense, amazonense, piauiense, maranhense e por aí vai. Portanto falta uma identidade com a terra. Aqui não existem muitos meios de sobrevivência, ou a pessoa é funcionária pública, e aqui quase todo mundo é, pois em Boa Vista se concentram todos os órgãos federais e estaduais de Roraima, além da prefeitura é claro. Se não for funcionário público a pessoa trabalha no comércio local ou recebe ajuda de Programas do governo. Não existe indústria de qualquer tipo. Pouco mais de 70% do Território roraimense é demarcado como reserva indígena, portanto restam apenas 30%, descontando-se os rios e as terras improdutivas que são muitas, para se cultivar a terra ou para a localização das próprias cidades. (Na única rodovia que existe em direção ao Brasil (liga Boa Vista a Manaus, cerca de 800 km) existe um trecho de aproximadamente 200 km reserva indígena Waimiri Atroari) por onde você só passa entre 6:00 da manhã e 6:00 da tarde, nas outras 12 horas a rodovia é fechada pelos índios (com autorização da FUNAI e dos americanos) para que os mesmos não sejam incomodados.

    Detalhe: Você não passa se for brasileiro, o acesso é livre aos americanos, europeus e japoneses. Desses 70% de território indígena, diria que em 90% dele ninguém entra sem uma grande burocracia e autorização da FUNAI.

    Detalhe: Americanos entram na hora que quiserem, se você não tem uma autorização da FUNAI, mas tem dos americanos, então você pode entrar. A maioria dos índios fala a língua nativa além do inglês ou francês, mas a maioria não sabe falar português. Dizem que é comum na entrada de algumas reservas encontrarem-se hasteadas bandeiras americanas ou inglesas. É comum se encontrar por aqui americano tipo nerds com cara de quem não quer nada, que veio caçar borboleta e joaninha e catalogá-las, mas no final das contas pasme, se você quiser montar uma empresa para exportar plantas e frutas típicas como cupuaçu, açaí camu-camu etc., medicinais, ou componentes naturais para fabricação de remédios, pode se preparar para pagar ‘royalties’ para empresas japonesas e americanas que já patentearam a maioria dos produtos típicos da Amazônia…

    Por três vezes repeti a seguinte frase após ouvir tais relatos: É os americanos vão acabar tomando a Amazônia e em todas elas ouvi a mesma resposta em palavras diferentes. Vou reproduzir a resposta de uma senhora simples que vendia suco e água na rodovia, próximo de Mucajaí:

    ‘Irão não minha filha, tu não sabe, mas tudo aqui já é deles, eles comandam tudo, você não entra em lugar nenhum porque eles não deixam. Quando acabar essa guerra aí eles virão pra cá, e vão fazer o que fizeram no Iraque quando determinaram uma faixa para os curdos onde iraquiano não entra, aqui vai ser a mesma coisa’.

    A dona é bem informada não? O pior é que segundo a ONU o conceito de nação é um conceito de soberania e as áreas demarcadas têm o nome de nação indígena. O que pode levar os americanos a alegarem que estarão libertando os povos indígenas. Fiquei sabendo que os americanos já estão construindo uma grande base militar na Colômbia, bem próximo da fronteira com o Brasil numa parceria com o governo colombiano com o pseudo objetivos de combater o narcotráfico. Por falar em narcotráfico, aqui é rota de distribuição, pois essa mãe chamada Brasil mantém suas fronteiras abertas e aqui tem Estrada para as Guianas e Venezuela. Nenhuma bagagem de estrangeiro é fiscalizada, principalmente se for americano, europeu ou japonês, (isso pode causar um incidente diplomático)… Dizem que tem muito colombiano traficante virando venezuelano, pois na Venezuela é muito fácil comprar a cidadania venezuelana por cerca de 200 dólares.
    Pergunto inocentemente às pessoas; porque os americanos querem tanto proteger os índios. A resposta é absolutamente a mesma, porque as terras indígenas além das riquezas animais e vegetais, da abundância de água são extremamente ricas em ouro (encontram-se pepitas que chegam a ser pesadas em quilos), diamante, outras pedras preciosas, minério e nas reservas norte de Roraima e Amazonas, ricas em PETRÓLEO.
    Parece que as pessoas contam essas coisas como que num grito de Socorro a alguém que é do sul, como se eu pudesse dizer isso ao presidente ou a alguma autoridade do sul que vá fazer alguma coisa. É pessoal, saio daqui com a quase certeza de que em breve o Brasil irá diminuir de tamanho. Um grande abraço a todos. Será que podemos fazer alguma coisa???
    Acho que sim.

    Repasse esse e-mail para que um maior número de brasileiros fique sabendo desses absurdos.

    Mara Silvia Alexandre Costa Depto de Biologia Cel. Mol. Bioag.
    Patog. FMRP – USP

    Opinião pessoal:

    Gostaria que você, especialmente que recebeu este e-mail, o repasse para o maior número possível de pessoas. Do meu ponto de vista seria interessante que o país inteiro ficasse sabendo desta situação através dos telejornais antes que isso venha a acontecer.

    Afinal foi um momento de fraqueza dos Estados Unidos que os europeus lançaram o Euro, assim poderá se aproveitar esta situação de fraqueza norte-americana (perdas na guerra do Iraque) para revelar isto ao mundo a fim de antecipar a próxima guerra. Conto com sua participação, no envio deste e-mail..
    Quem for da região, se puder passar maiores informações agradeço!

  4. Questões do cara disse:

    DefesaNet 14 Fevereiro 2011-Dívida Interna da União
    Alcança R$ 2,3 trilhões-Em 31/12/10 a dívida interna da União era de R$ 2,3 trilhões. Crescimento real em relação ao PIB de 15,18%, em comparação a 31/12/02. Prof Ricardo Bergamini
    O autor é Professor de Economia.Se os opositores do governo Lula se indignam,citando que a dívida interna está acima de R$ 1 trilhão. Imaginem se esses opositores tivessem preocupação com a verdade absoluta dos números e viessem saber, que a tal dívida interna fechou em 31/12/10 no montante de R$ 2.297,9 bilhões, ou como queiram em R$ 2,3 trilhões, conforme quadro demonstrativo abaixo.Quanto ao citado empréstimo ao FMI, o Brasil nada mais fez do que uma operação normal e rotineira de um adiantamento para futuro aumento da sua participação na cota do “DES” (Direto Especial de Saque). A única coisa nova e surpreendente nessa operação foi à transformação do Sr. Lula, um homem sempre radical pregando por 28 anos o “Fora FMI” ter mudado para a frase a seguir: “É chique emprestar ao FMI”. Com esse “marketing” o mercado financeiro internacional concedeu diversos prêmios internacionais ao Sr. Lula. Dívida Líquida Total da União (Interna e Externa) – Fonte MF-Base: Ano de 2010

  5. cesar tavares disse:

    Mais um profeta do caos, para este senhor o Brasil não deveria investir em nada ficar parado como nos governos anteriores para naõ deteriorar as contas publicas.Mais um neoliberal que não aprendeu com a historia.

  6. João Jarnaldo de Araújo disse:

    Crise chegará ao Brasil?

    A matéria em sí de extrema relevância e que merece toodos os cuidados tangenciais a equilíbrio fiscal, contas publicas, endividamento social e tudo o mais só que o tiro em específico, atingiu uma questão que vai requerer, extremado cuidado e tomadas urgentes de providência,conforme referência supra citada, no comentário de João Cirino Gomes.

    A depender da constatação da funcionária do Departamento de Biologia da USP, “a vaca já foi pro brejo”. A Amazonia já tem outros donos, já entregamos o ouro pros bandidos.

    A preocupação da nobre e preocupada funcionária da USP, em relação a tudo isso que vem acontecendo na região norte do País, tem tirado o meu sossego, já de tempo.

    Nada tira de minha cabeça, que está acontecendo uma mobilização “muito louca”, no sentido de tirar o País do domínio de seu povo, que o vêm construindo em seus moldes culturais centenariamente, e transferindo esse patrimonio sagrado, para terceiros de caso pensado e culiado…Está tudo dominado!

    Da mesma forma que “os dominadores” criaram a maior desordem e anarquismo no Oriente Médio, porque esses colonizadores, poupariam o Brasil, com toda sua riqueza e inesgotáveis Recursos Naturais?

    Quanto mais anárquico for o nosso País, melhor para o “Tio San”.

    Quanto mais idiotizado, for o nosso bondoso povo melhor para o ” Tio San”

    Mas a questão da colonização e despatriação nacional, a “desbralização” e o enxotamento do homem nosso, seja Ele Sergipano, Maranhense, Mineiro, Paulistano ou qquer outro, é evidente e gritante, para não dizer truculento.

    Peguemos a título de exemplo, a questão do uso da terra. De quem era a terra, a propriedade há 50 anos atras, e de quem é a posse da mesma hoje e de quem será daqui há 30 anos?

    Cana, Etanol, arrendamento, não seria um presente de grego?

    O sitiante de 50 ha, vivendo em condições de vida precárias, terra, que vem sendo passada de gerações a gerações, tirando alí seu “leitinho”, criando porcos, galinhas, fazendo pinga e rapadura, cuidando de sua família, com aquele jeito peculiar, da tradição, cuidando e interagindo harmoniosamente com a natureza. É o Jeca Tatu de Monteiro Lobato.

    Esse personagem nacional, está sendo retirado abrupta e maciçamente, consumando o êxodo rural “in totum”, hoje fala se em Agro-busines, as culturas extensivas, tomam conta de tudo, transferindo essas posses para os grandes conglomerados. Prestemos atenção então? Vejamos a dívida e o modelo agrícola, cujo agente tem que montar parceria, com as grandes produtoras de sementes, defensivos, fertilizantes, e com o sistema financeiro.

    É buraco da onça ou não é?

    Sabemos atravéz da boa ciência Antropológica, quando observa com isenção os trancursos dos fenômenos sociais, que a melhor forma de dizimar, dominar uma cultura, um povo em todas suas perfórmances, seria retirando-lhe o seu referencial cultural.

    Essa perda do referencial cultural, conduz o indivíduo, à grosso modo, par uma seria patologia, que tem um nome: ANOMIA

    Quando tornamo-nos ANÔMICOS, engolimos qualquer ideologia goela a baixo e aí By! By! Brézil!!! E no nosso caso já chamaram o RAMBO, Ele mesmo, Stalone, aí já é fim de carreira!

    Quanto mais anárquico e confuso for um povo, suas estruturas, muito mais fácil para a ONU consentir, que sejamos tutorados, e vigiados, uma vez, que somos uma náu sem rumo, um bando de “macaquitos desgovernados”, To be or not to be? Eis a questão.

    Mas como o bom filho não foge à luta, continuaremos então gritando em altos brados: ACORDEM E PROGRESSO!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *