Início » Brasil » Política » Desmatamento na Amazônia tem menor índice da história
Amazônia Legal

Desmatamento na Amazônia tem menor índice da história

Desmatamento registrado no mês de agosto foi de 164 km2, uma queda de 38% comparada ao ano passado

Desmatamento na Amazônia tem menor índice da história
Ações deste ano na Amazônia Legal resultaram no embargo de 72.490 hectares (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O registro de agosto da derrubada de florestas na Amazônia Legal foi o menor desde o início do monitoramento. De acordo com dados dos satélites de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inep), o desmatamento do mês de agosto foi de 164 km2, uma queda de 38% comparada ao ano passado. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira, 3, pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Segundo a ministra, a redução é consequência da fiscalização nas regiões que apresentam altos índices de desmatamento, como Boca do Acre (AC), São Félix do Xingu (PA), Novo Progresso (PA), Redenção (PA) e Sinop (MT).

Leia também: Desmatamento na Amazônia Legal cresce 72% em maio
Leia também: Divisão do Pará irá conter o desmatamento?

O Deter detecta desmatamento em área superior a 25 hectares, no entanto, nem todos os desmatamentos podem ter sido registrados, já que a cobertura de nuvens atrapalha a identificação. No período de janeiro a agosto deste ano, o registro foi de 1,582 km2 de florestas derrubadas, área 14% maior do que a registrada no mesmo período do ano passado, 1.393 km2. A região que mais teve aumento relativo de desmatamento foi em Rondônia, onde o aumento foi de 102%. Já em termos absolutos, Mato Grosso teve maior expansão nas áreas desmatadas, 769 km2, um aumento de 316 km2.

Izabella Teixeira alegou que o aumento foi devido ao repique nos desmatamentos ocorridos em abril deste ano em Mato Grosso, quando a derrubada chegou a 405,5 km2. A ministra afirmou que a explicação foi dada pelos secretários de Meio Ambiente de Mato Grosso e Rondônia, que atribuíram o repique às discussões sobre o novo Código Florestal. Izabella disse ainda que encomendou um estudo sobre a correlação entre alta de preços dos commodities e as taxas de desmatamento. O estudo deverá ser divulgado até o final do ano. A ministra afirmou que, com o gabinete de crise instalado em maio deste ano, o Ministério do Meio Ambiente tem tido acesso aos bancos de dados dos estados para checar a legalidade dos desmatamentos. Segundo Izabella, apenas o Pará não disponibilizou as informações.

 As ações deste ano na Amazônia Legal resultaram no embargo de 72.490 hectares e de 55 serrarias. As multas somaram R$ 1,2 bilhão, resultado de 3.148 autos de infração. Além das multas, foram apreendidos 127 tratores, 29 barcos e 226 caminhões. Em uma Operação Disparada, realizada em março deste ano, 5,3 mil bovinos foram apreendidos.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *