Início » Brasil » Política » Diálogo com oposição não conteve protestos no Egito
Egito

Diálogo com oposição não conteve protestos no Egito

Economia do país sofre com impactos negativos dos protestos

Diálogo com oposição não conteve protestos no Egito
Oposição não aceita concessões do governo e protestos continuam

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Apesar do diálogo entre governo e a oposição iniciado no domingo (6), as manifestações no Egito, pedindo a renúncia de Honis Mubarak, não pararam. Esta segunda-feira, 7, os protestos completam duas semanas e os manifestantes reiteram que só pararão quando o atual presidente deixar o governo. Milhares de pessoas passaram a madrugada desta segunda na praça Tahrir.

Em negociação ocorrida este domingo, 6, o governo ofereceu várias concessões em troca do fim dos protestos, mas a oposição não fechou acordo, alegando que estas não eram suficientes.

Até o momento, Mubarak afirmou que não renunciará, mas prometeu não concorrer à reeleição. Ele responsabiliza o grupo de oposição Irmandade Muçulmana pela liderança das manifestações. Neste domingo, 6, governo e o grupo opositor se reuniram para conversar sobre a crise política.

O impacto dos protestos na economia

A Bolsa de Valores do Cairo, que esteve praticamente fechada desde o início dos protestos no fim de janeiro, deve voltar as atividades somente no próximo domingo. Já o comércio, em grande parte fechado, tem provocado problemas de abastecimento para a população, que corre a procura de suprimentos. Já as escolas continuam fechadas.

Desde o primeiro dia dos protestos a moeda egípcia tem caído e registrou esta segunda feira mais uma queda de 1,5%, agravando as quedas anteriores que totalizaram 17%. O governo contabiliza que os protestos têm custado pelo menos US$ 310 milhões por dia a economia do país.

Reunião do novo gabinete

O gabinete do governo do Egito se reúne nesta segunda-feira, 7, para discutir medidas a fim de estabilizar a economia, que sofre com a crise política. O governo anunciou, segundo os meios de comunicação estatais, um aumento de 15% nos salários e pensões dos servidores públicos a partir de abril.

Leia mais:

Mubarak quer diálogo em vez de denúncia

Mubarak oferece reforma em vez de renúncia

Revolta no Egito preocupa Israel

Jornalistas brasileiros retornam do Cairo

Mubarak discute crise com ministros. Obama tem planos para transição

Fontes:
BBC Brasil - Manifestações no Egito continuam, apesar de diálogo
BBC Brasil - Gabinete egípcio discute medidas econômicas em 1ª reunião após protestos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *