Início » Brasil » Política » Dilma manda recado: ou é nova CPMF, ou não é nada
Saúde Pública

Dilma manda recado: ou é nova CPMF, ou não é nada

Já o governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, propõe a legalização de bingos para geração de verba a diversos setores, uma alternativa descartada pela presidente

Dilma manda recado: ou é nova CPMF, ou não é nada
Dilma dá ultimato sobre CSS (Reprodução/ O Globo)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Mesmo a contragosto, os governadores podem ser obrigados a defender a criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS), um novo tributo nos moldes da CPMF. Nesta sexta-feira, 9, a presidente Dilma Rousseff deu um ultimato, afirmando que não haverá outra forma de financiamento para a saúde. Através de um auxiliar direto, Dilma deu o seguinte recado: “ou é a CSS ou é nada”.

Leia também: CPMF: novo nome, mesmo imposto

Leia também: Dilma afirma que país precisa de novos investimentos na saúde

Os governadores, em sua maioria contra a medida, querem aumento da verba destinada à saúde, mas criticam a possibilidade de elevação da carga tributária. A Emenda 29, que prevê novos critérios para a prestação de contas do setor, terá regulamentação votada pela Câmara no próximo dia 28. A medida visa acabar com a maquiagem de gastos que vem sendo aplicada por diversos estados na área da saúde, menos do que o mínimo previsto na lei.

As alternativas propostas são muitas, entre elas a tributação de cigarros e bebidas alcoólicas, o uso de parte do  seguro de acidente de trânsito (Dpvat) e a legalização dos bingos para elevar a arrecadação da área. No entanto, a presidente Dilma não está inclinada a aceitar nenhuma dessas opções, tendo a última já sido mesmo desautorizada quando proposta pelo deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP).

Apoiada por uma parcela de PT, PTB e PDT, a terceira alternativa agora é apoiada também pelo governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral (PMDB). “O jogo no Brasil, se aberto e legalizado, poderia ser uma fonte de financiamento importante para vários setores, inclusive Saúde, Cultura e áreas sociais, como em grande parte do mundo. Bastaria criar instrumentos para coibir a lavagem de dinheiro, fazendo com que os recursos pudessem entrar formalmente no Tesouro”, disse Cabral.



Fontes:
O Globo - Dilma dá ultimato a governadores: ou é nova CPMF, ou não é nada

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. juarez orsi disse:

    Uma das maiores farsas desse país é a proibição dos jogos. Se em todo mundo, em toda América do Sul são liberados pagando impostos porque o Brasil, leia-se suas autoridades condenam com veemência os bingos, o jogo do bicho. Se a CEF tem jogo todo dia e muita gente gasta consideráveis quantias. Qual é então ? Primeiro foi o Valdomiro Diniz que dizem financiava políticos, depois veio o Cachoeira denominado empresário de jogos ilícitos.Também financiava políticos, mas com um pequeno detalhe que nunca é mencionado. As relações com as empreiteiras. Aí sim reside o que querem esconder. Os jogos ilícitos é que surgem na mídia como boi de piranha. Então o jogo continua em todos os estados brasileiros na clandestinidade, e os brasileiros jogam muito, perdem muito porque não existe nenhum órgão regulador, e nada fica com o governo.Concordo com o Governador Sérgio Cabral.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *