Início » Brasil » Política » Governadores da situação são os favoritos nas pesquisas
Eleições 2010

Governadores da situação são os favoritos nas pesquisas

De acordo com pesquisas de intenções de voto, eleição para governador é marcada por continuísmo político. Candidatos apoiados por Lula e Dilma também são maioria entre os favoritos

Governadores da situação são os favoritos nas pesquisas
Entre os favoritos está Sérgio Cabral, do Rio, apoiado por Dilma Rousseff

As pesquisas mostram, a menos de um mês das eleições, que a tendência é o continuísmo de governadores estaduais. Em 16 estados, estão na frente os candidatos à reeleição ou os apoiados pelos atuais governadores. A oposição está na liderança em apenas cinco unidades da Federação.

O empate técnico ocorre em seis estados. As fontes dos dados são várias pesquisas realizadas pelo instituto Ibope entre agosto e setembro. Conforme mostram os estudos, em 20 estados há boas chances de a eleição para governador terminar no primeiro turno. Entre eles, 16 têm na liderança os candidatos da situação.

Aliados de Dilma

Outro dado constatado pelas pesquisas é que, entre os favoritos para ocupar o principal cargo executivo na esfera estadual, a maioria conta com o apoio da candidata petista à presidência, Dilma Rousseff. São 15 os estados onde isso acontece. Neles, os candidatos têm liderança isolada. Os que têm apoio do candidato tucano à presidência, José Serra, são favoritos em seis unidades da Federação. Em outros seis estados há empate técnico entre aliados de Dilma e Serra.

Leia mais:

Afinal, o que faz um governador?

Votar certo: o eleitorado também é responsável

Fontes:
Estadão - Eleição para governos é marcada por continuísmo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. angelo tartaglia disse:

    é grande o descrédito do povo brasileiro em relação aos políticos. É preciso mudar e muito. O fortalecimento dos partidos é o caminho. Só assim temos a quem cobrar. No atual modelo caça um ou outro(quando caça) e o partido não é cobrado pela indicação. Não dá mais para aceitar coligações com deus e o diabo. Afinal qual a política que dá certo se os estados podem se coligar com a oposição e vice versa? E a ética, cade?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *