Início » Brasil » Política » Homenagem a Cartola
Nesta Data

Homenagem a Cartola

Um dos grandes nomes da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, o cantor e compositor Angenor de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro em 11 de outubro de 1908

Homenagem a Cartola
Sambista e compositor Cartola (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um dos grandes nomes da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, o cantor e compositor Angenor de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro em 11 de outubro de 1908 e morreu na mesma cidade em 30 de novembro de 1980.

O músico nasceu no Catete, mas aos onze anos foi morar no morro da Mangueira. Com o pai aprendeu a tocar cavaquinho. Concluiu apenas o primário e com a morte da mãe, aos 15 anos, ingressou na vida boêmia. Foi trabalhando como pedreiro que ganhou o apelido que o consagrou: como era muito vaidoso não queria sujar seus cabelos com cimento e por isso usava sempre um chapéu.

Em 1925, fundou o Bloco dos Arengueiros, com o amigo e parceiro Carlos Cachaça. Da fusão desse bloco com outros, surgiu, em 1928, o G.R.E.S Estação Primeira de Mangueira. Cartola escolheu o nome e as cores da escola. Para o primeiro desfile foi escolhido o samba Chega de Demanda, o primeiro que fez.

Seus sambas foram gravados por grandes cantores como Francisco Alves e Carmen Miranda. De 1932 é a primeira composição em parceria com Carlos Cachaça, o samba Pudesse meu ideal, com o qual a Mangueira foi campeã do desfile promovido pelo jornal O Mundo Esportivo.

Após 1941, Cartola saiu do ambiente musical, só retornando em 1956, quando o cronista Sérgio Porto o encontrou lavando carros em Ipanema e trabalhando à noite como vigia de edifícios. Sérgio levou-o para cantar na Rádio Mayrinck Veiga.

Com sua mulher, Eusébia Silva do Nascimento, mais conhecida como dona Zica, abriu um restaurante, o Zicartola, que tornou-se moda na época. Somente em 1974, o compositor gravou seu primeiro LP, Cartola.

Em 1979, gravaria seu quarto e último disco. Foi neste ano que descobriu que estava com câncer, doença que causaria sua morte. Ao longo de sua carreira, Cartola compôs mais de 500 canções, dentre elas as famosas As Rosas Não Falam, Alvorada, O Mundo é um Moinho, Corra e Olhe o Céu, Tive Sim, Sala de Recepção e O Sol Nascerá.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *