Início » Notícia » Irmão de Celso Daniel conta detalhes sobre crime
Morte de ex-prefeito

Irmão de Celso Daniel conta detalhes sobre crime

Segundo Bruno Daniel, Gilberto Carvalho o procurou e contou sobre esquema para tentar demover família de esclarecer o caso. Por Hugo Souza

Irmão de Celso Daniel conta detalhes sobre crime
Bruno Daniel viveu muitos anos no exílio por causa das ameaças que recebeu (Reprodução/VEJA)

Bruno Daniel, um dos irmãos de Celso Daniel, ex-prefeito da cidade paulista de Santo André que foi assassinado há pouco mais de dez anos, em janeiro de 2002, deu uma entrevista para o colunista da revista Veja Augusto Nunes sobre um crime envolto em inúmeros mistérios, dado como crime comum pela polícia, mas apresentado nos tribunais pelo Ministério Público como crime político — crime político cujas motivações respingam na alta cúpula do Partido dos Trabalhadores.

Bruno, que viveu muitos anos exilado na França por causa das ameaças que recebeu diante de sua insistência em esclarecer o crime, reafirma a Augusto Nunes o entendimento de que seu irmão foi morto porque iria tomar providências relativas ao fato de que parte do dinheiro oriundo do esquema de arrecadação de caixa dois que existia na Prefeitura Municipal de Santo André estava sendo apropriada para enriquecimento pessoal.

Ele diz que, poucos dias após o assassinato do seu irmão, foi procurado por Gilberto Carvalho, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República no governo Lula e no governo Dilma, que lhe contou sobre o esquema de desvio de dinheiro na Prefeitura de Santo André com o intuito de demover a família de exigir maiores investigações sobre o caso, o que poderia manchar a memória de Celso Daniel.

Sobre a noite do sequestro de Celso Daniel, Bruno Daniel deu mais detalhes sobre o que aconteceu. Ele disse que o ex-prefeito e seu assessor Sergio Sombra, com quem Celso jantou em uma churrascaria de São Paulo naquele dia, voltaram para Santo André por um caminho pouco usual, “que ninguém faz”, e que diversos laudos mostraram que todos os dispositivos do carro blindado que Sombra dirigia estavam funcionando perfeitamente, incluindo as travas do veículo.

Mais de um mandante

“Levaram o meu irmão e deixaram o Sergio Sombra com telefone celular, com arma (…) nada explica eles terem aberto as portas, o meu irmão ter sido levado e o Sergio ter sido deixado”, disse Bruno Daniel.

Segundo Bruno, a família de Celso Daniel acredita que há mais de um mandante para a morte do ex-prefeito de Santo André, além de Sergio Sombra, ainda que por ora não haja provas suficientes para indiciar outras pessoas.

Quanto aos executores do crime, Bruno lembra que o homem que foi contratado para planejar o assassinato de Celso, o presidiário José Aquino Severo, posteriormente foi transferido para uma penitenciária dominada por uma facção rival à que ele pertencia, onde acabou sendo morto a facadas, em mais uma “queima de arquivo” do caso Celso Daniel, nas palavras de Bruno.

Mais uma, porque morreram ao todo sete testemunhas ou pessoas ligadas ao crime, entre elas o garçom que serviu Celso e Sergio Sombra na churrascaria em São Paulo e o médico legista que examinou o corpo do ex-prefeito petista e atestou a sequência de torturas a que ele foi submetido.

A insistência na tese de “crime comum”

“Creio que não há interesse nem do Partido dos Trabalhadores e nem do demais partidos que fazem política hoje no país de alterar os esquemas de baixa institucionalidade de financiamento de campanha que existem. Infelizmente (…). Inclusive nós temos notícias de que arrecadadores de campanha de diferentes partidos, incluindo do PT, saíam de helicóptero juntos para obter recursos da mesma fonte. Então se você desvenda um fio da meada, você está desvendando outro fio da meada, o que vai comprometer a todos. Então houve várias articulações para defender a tese de crime comum”.

Além disso, diz Bruno, atribui-se a malfadada tentativa de expulsão do correspondente do New York Times no Brasil Larry Rohter, em 2004, ao fato de que o jornalista estava começando a investigar a morte de Celso Daniel. Na época, o governo brasileiro tentou cancelar o visto de Rohter supostamente porque ele teria escrito que o então presidente Lula bebia demais.

Bruno implica até o STF no que entende como um “conjunto de articulações” de vários atores para que prevalecesse a tese de crime comum. Ele diz que quando Nelson Jobim, que viria a ser ministro da Defesa, era presidente do Supremo, negou a continuidade das investigações quando recebeu evidências de que havia um esquema de desvio de recursos da prefeitura de Santo André e que o destinatário era ninguém menos do que o então presidente do PT, José Dirceu.

Veja a entrevista completa de Bruno Daniel a Augusto Nunes:

http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/videos-veja-entrevista/bruno-daniel-irmao-do-celso-daniel-conta-tudo-o-que-pensa-e-sabe-do-caso-do-prefeito-de-santo-andre-assassinado-ha-dez-anos/

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

16 Opiniões

  1. Robson Mothé disse:

    Esse caso não deve ficar impune pois está evidente a participação de um esquema de corrupção, onde várias testemunhas morrem, e nada acontece com os mandantes do crime.
    Se no Brasil existe no poder alguém sério este acontecimento deveria verdadeiramente ser esclarecido, mas como tudo indica existe pessoas muito poderosas envolvidas neste epsódio.

  2. Joaquim vieira disse:

    esse e o clássico da realidade, só não ver quem não quer,e ainda chama de pai Lula e mão Dilma.é o governo que arrecada-vá com Deus celso disso, alguém vai prestar conta queira ou não queira.

  3. Pb.Luiz disse:

    muitos criticam o PT,mas estes esquemas diabólicos esta em toda camada do poder,estes esploram a sociedade e manipulam a opnião pública,omitem a verdade e transformam sua mentiras em verdades absolutas.

    Este pais se transfomou na terra do samba da impunidade

  4. gilberto soares pereira disse:

    EUM CRIME QUE; ATE HOJE AINDA NAO FOI DESVENDADO> PORQUE? tem que se esclarecido. NOS TEMOS QUE SENTIR CONFIANTE NA JUSTIÇA BRASILEIRA>>>

  5. patrick disse:

    Pq este blog não enfatiza a questão da Justiça de SP? Reconhece e enaltece o trabalho da Calmon do CNJ? Pq a Grande imprensa não faz seu trabalho de formar opinião pública responsável e informada, mas enganá-la… Porque viadutos, ruas e túneis do Estado de SP levam o nome de TJ, Mesquita, Frias… Pq ninguém aprofundou sobre o terreno da Globo em SP??? Que venha a Primavera Brasileira!!!

  6. João Carlos disse:

    Que a Veja odeia o PT eu já sei, até aí nenhuma novidade.

    Eu quero saber é quando a Veja vai falar sobre a Privataria Tucana.

    Estou começando a achar que a Veja adora o PSDB…

    /irônico

  7. olbe disse:

    Este crime PRECISA ser resolvido. A quem interessa que não se toque mais neste assunto? Quando este crime vergonhoso for posto em pratos limpos eu vou me orgulhar de ser brasileira…

  8. Henrique de Almeida Lara disse:

    O que me deixa arrancando os cabelos de angústia e tristeza é saber que o povo brasileiro é tão ignorante e desinformado que continua votando nesse partido chamado PT e endeusando o seu “chefe supremo”!

  9. celso savio disse:

    Voces, diga-se Folha, Veja e Opinião e Notícia, passam ao largo quando mencionam palavras do irmão de celso daniel sobre o envolvimento de outros partidos no mesmo episódio que ele relata. Os “órgãos” (?) citados acima, escreveram alguma coisa sobre a Privataria? Porque ressuscitar agora o assunto Santo André? Tem muita coisa de podre nesta matéria e, principalmente na entrevista do Augusto Nunes, metido a ser um Alberto Diniz de nossa imprensa.

  10. Luiz A. F. Ramos disse:

    E alguém ainda duvida quem seja o mandante ou os mandantes desse crime? Não tenho dúvida de que o nove dedos e o zé dirceu estão envolvidos no delito.

  11. rogerio Faria disse:

    Depois dos casos Celso Daniel, Toninho do PT e Mensalão votar no PT passou ser um exercício de apologia à criminalidade política. Para mim o PT, os politiqueiros e a politicalha brasileira acabou. É só nulo…

  12. Rene Luiz Hirschmann disse:

    Todos brasileiros sabem que os políticos profissionais são chefes do crime organizado no Brasil, enquanto prendem mulheres, menores por levar maconha de um lado ao outro da rua, por roubar pão em padaria, por afrontar as injustiças dos policiais que não gostam de pobres(Pinheirinhos,USP,Movimentos populares),O poder de Brasilia, aqueles que não usam o SUS, se aposentam com dinheiro de trabalhadores que contribuiram mais de 35 anos, continuam a usufruir desses descalabros oferecendo circo e bolsas familias, até quando meu povo?

  13. João Cirino Gomes disse:

    Abaixo-assinado > Pelo fim da imunidade e impunidade!

    Querem mais motivos, para assinar o abaixo assinado contra a corrupção e fórum privilegiado?

    Entre nestes endereços e veja se estes não bastam!

    Politicos envolvidos em crimes e rapinagens não falta!
    >> http://www.youtube.com/watch?v=GDPQL6PZfco

    http://www.florianonet.com.br/politicoscorruptos/main.html

    Abaixo-assinado Fim da imunidade e impunidade

    e

    FÓRUM PRIVILEGIADO!

    Ou voto Nulo, em quem promete, só visando vantagens

    ESTE É O PRIMEIRO PASSO PARA TERMOS UM PAÍS DEMOCRÁTICO, COM DIREITOS IGUAIS E JUSTIÇA SOCIAL!

    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=Janciron

    Se estiver de acordo: ASSINE E AJUDE A DIVULGAR: Pois uma andorinha sozinha não faz verão!

  14. Oscar Benário disse:

    Arrã, se suicidou…

  15. helo disse:

    O crime nào poderá mais ser esclarecido. A última morte a do médico legista que se suicidou. Já a entao ex-companheira Miriam Belchior é ministra, assim como seu irmão Gilberto Carvalho. Restou uma dúvida sinistra semelhante as mortes sob Vladimir Putin.

  16. Afonso Schroeder disse:

    Todos somos sabedores, que antes de 2003 o poder econômico determinava aquilo que devia ser feito, tivemos avanços de lá para cá, mas existe um enorme caminho a percorrer, oxalá que Deus de entendimento, principalmente aos Legisladores atualizando leis que estão ultrapasadas para os dias atuais.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *